Colocado em 2017-01-27 In Sem categoria

A missão de Schoenstatt para a Igreja cumpre-se com a ajuda de todos, juntos, em Aliança

ROMA BELMONTE, Maria Fischer •

22 de Janeiro de 2017: Em Ranchos, Província de Buenos Aires (Argentina), começam as Missões Familiares 2017, apoiadas, em oração, por schoenstatteanos de vários continentes. Em Villa Cura Brochero, uns 75 jovens de vários países terminam a sua peregrinação ao túmulo do primeiro santo argentino, entregando-lhe as intenções de pessoas de mais países ainda. Em Roma e em todo o mundo, os Pallottinos celebram a Festa de S. Vicente Pallotti, o apóstolo do apostolado universal, cuja missão tanto fascinava o Padre Kentenich. Universalidade, internacionalidade: “A tendência para o mundial, o impulso para o internacional, o anseio do apostolado mundial é simplesmente algo inato na Família”, disse o Fundador de Schoenstatt em 1948.

Ressoa, tão actual nestes dias do “América primeiro” e do aparecimento de encerros e de protecionismos tipo França primeiro, Holanda primeiro, Hungria primeiro, riqueza primeiro, eu primeiro…Este mesmo 20 de Janeiro que, fez olhar, em grande parte com preocupação, para a tomada de posse do novo President, em Washington (E.U.), celebrou-se em Schoenstatt, Vallendar, a tomada de posse do novo Superior Geral do Instituto de Sacerdotes Diocesanos de Schoenstatt, Pe. Christian Löhr, e do seu Conselho, composto por sacerdotes da Alemanha, Burundi e República Dominicana. Como primeiro acto oficial, celebrou, neste 22 de Janeiro, a instauração do novo Reitor do Santuário Internacional de Schoenstatt em Roma, o Pe. Marcelo Cervi, sacerdote brasileiro, cujas primeiras palavras, como Reitor, mostraram os ventos que sopram e soprarão neste lugar, na cidade do Papa: “Belmonte significa: a missão de Schoenstatt para a Igreja cumpre-se com a ajuda de todos, juntos, em Aliança. Com todos – sacerdotes Diocesanos, Padres de Schoenstatt, Irmãs de Maria, Senhoras (Frauen), peregrinos, famílias, profissionais, Uniões, missionários da Campanha, brasileiros, italianos, argentinos, alemães, jovens, adultos, idosos, com todos”. São mais que meras palavras.

22 de Janeiro, 14h 23m, no término do almoço em família, diz-me: “Maria, tem a sua câmara? Agora devemos ir ao Santuário para gravar uma mensagem em vídeo para a Família da Costa Rica, para a bênção do Santuário”.

Desde a Ermida…

O início da celebração, na manhã soalheira em Belmonte, é na Ermida, testemunha do início humilde e ousado do que se chama Centro Internacional de Schoenstatt em Roma, testemunha da bênção e da visão do Pe. Kentenich para este lugar, vinculado por ele, nada menos que, à sua imagem da nova Igreja, aquela Igreja do Concílio Vaticano II que Schoenstatt teve a graça de antecipar e, tem agora, a tarefa de modelar com a Igreja e ao Seu serviço.

O Pe. Christian Löhr apresenta os membros do novo Conselho Geral do Instituto de Sacerdotes Diocesanos e dá as boas-vindas a todos os presentes. Estão os Padres de Schoenstatt da Argentina e do Paraguai que trabalham em Roma, na Paróquia Santi Patroni que, se converteu num lugar de referência para os schoenstatteanos de Roma, especialmente, para a Juventude; estão várias Irmãs de Maria vindas do Santuário Cor Ecclesiae – brasileiras, argentinas, paraguaias – membros do Instituto de Nossa Senhora de Schoenstatt do Chile e da Itália, sacerdotes brasileiros da Diocese do Pe. Marcelo que estudam em Roma, um sacerdote do Instituto de Chequia e o Diácono da Paróquia vizinha de Santa Gemma, está o casal Aloisia e Alberto Busch da Alemanha, membros do Instituto das Famílias e há muitos schoenstatteanos italianos e muito mais pessoas de Roma, “romanos mas não nativos italianos”, como os apresenta o Pe. Christian Löhr. Ainda que, faltem muitos schoenstatteanos de Roma, estes poucos momentos já mostram com toda a clareza que, Schoenstatt em Roma é internacional, pois Roma é internacional, porque são centenas e centenas de sacerdotes e de leigos de todos os países do mundo que estudam e trabalham no centro da Igreja universal.

…via Casa Padre Kentenich…

Em procissão e cantando todos se dirigem em seguida para o hall da Casa Pater Kentenich, onde já tantas vezes se celebrou um acontecimento importante em Belmonte, enquanto se espera o fim das obras. Ao novo Reitor e à comunidade celebrante neste 22 de Janeiro, o hall, não só os espera com flores e um equipamento profissional de altifalantes e de microfones, mas com luz e com algumas das Talhas dos países e Santuários, oferecidas na Bênção de 8 de Setembro de 2004. Assim, estão presentes Bolívia, Brasil, Argentina, Burundi… O coro e a orquestra da Família de Schoenstatt brilham com cânticos lindos, dando um enquadramento muito alegre e festivo à Missa, marcada pela transmissão de poderes. Agradece-se ao Pe. Daniel Lozano pelos dois anos de serviço e ele agradece à sua Comunidade e à Família presente. Agradece-se também ao Pe. Peter Wolf que, ao fim de 24 anos, deixa o seu cargo como Superior Geral da sua Comunidade. As suas palavras de agradecimento e de despedida – falando em alemão e, traduzido para italiano pelo Pe. Christian Löhr – comovem todos, especialmente quando, admite que o momento mais difícil do seu tempo como Superior foi aquela noite em 2004, quando o primeiro Reitor de Belmonte, o Pe. Stefan Müller, lhe passou o seu cargo pois não podia continuar por ter adoecido. Expressa a sua grande esperança de que agora, depois de tudo, Belmonte possa cumprir a sua missão ao serviço de todo o Schoenstatt e da Igreja.

O Pe. Christian Löhr, oficialmente, dá ao Pe. Marcelo Cervi, as chaves do Santuário e o Decreto da sua nomeação. As crianças oferecem flores a todos como sinal de gratidão e de promessa de colaboração, o casal Busch entrega as saudações do Romkuratorium (Conselho composto pelos representantes dos Institutos e Uniões de Schoenstatt, coordenando assuntos de Belmonte a nível internacional) e todos aplaudem – os que saem, os que entram e os que continuam.

Conexão só existe com a porta aberta

Colaboração, trabalhar juntos: este foi o fio condutor da Homilia do Pe. Marcelo que, falou primeiro em italiano e, no fim, saudou os seus compatriotas brasileiros, os presentes e os que acompanhavam a celebração via Livestream, em português: “Belmonte significa: a missão de Schoenstatt para a Igreja cumpre-se com a ajuda de todos, juntos, em Aliança. Com todos – sacerdotes Diocesanos, Padres de Schoenstatt, Irmãs de Maria, Senhoras (Frauen), peregrinos, famílias, profissionais, Uniões, missionários da Campanha, brasileiros, italianos, argentinos, alemães, jovens, adultos, idosos, com todos”. Com um bom toque de humor, recorda as suas férias no Rio de Janeiro com sol e altas temperaturas e a chegada ao frio de Roma e, pior ainda, da Alemanha. Aqueceremos o frio europeu com o calor brasileiro!” Então, podemos deixar a porta da entrada aberta”, sussurra Davide Russo, encarregado do vídeo e do Livestream. “Porta fechada – nenhuma conexão. Porta aberta – tudo vai bem”. Tem razão. Conexão só existe com a Porta aberta. Não é, apenas, válido para o Livestream desta manhã, é válido para Belmonte, válido para Schoenstatt, válido para a Igreja.

A porta aberta e a “Esperança de Belmonte”. O Pe. Marcelo volta a contar a história, já partilhada na Newsletter e em schoenstatt.org, sobre a estátua de Nossa Senhora com o nome “Nossa Senhora da Esperança de Belmonte”, descoberta em Aparecida. Justamente, Aparecida com a sua mensagem tão importante para o Papa Francisco.

Maria, Rainha da Esperança. Rainha da Porta Aberta. Rainha da saída missionária. Rainha da Cultura do Encontro, da Cultura da Aliança.

Há uma aragem de novos tempos, uma aragem de Advento em Belmonte.

 

Homilia do Pe. Marcelo Cervi (italiano/português)

 

…até ao Santuário de todos nós

É preciso mexer-se, é preciso sair. A procissão para o Santuário é como um sinal. Dentro do Santuário e à sua frente, todos se consagram, de novo, a Maria, a Mãe Três Vezes Admirável de Schoenstatt. São todos lembrados, os que, de um modo ou de outro, estão vinculados a este Santuário. “Gostava muito de enviar a todas as Ermidas que já têm a sua fotografia em Belmonte, uma carta de agradecimento com um certificado para que, possa ser colocado nalgum lugar”, diz o Pe. Marcelo que tem muito presente a corrente das Ermidas para a Sala João Pozzobon. Nas suas mãos tem o presente que recebeu, um quadro com a pintura de “Seu João de Belmonte”. “Agora uma fotografia com o Pai”, diz o Pe. Christian Löhr e, segue-se uma sessão muito divertida de fotografias: sacerdotes com o Pai, Irmãs de Maria com o Pai, cada um com o Pai, todos com o Pai…

A seguir, estão todos convidados a partilhar o almoço e a ficar em Família, falando em italiano, alemão, português, espanhol, ou, simplesmente, com sorrisos.

Ao regressar a Belmonte, enquanto os que estiveram na festa regressam a casa, o Pe. Marcelo dirige-se ao Santuário, pega na pequena Talha da Costa Rica com a faixa com as cores nacionais e envia uma saudação à Família de Schoenstatt da Costa Rica para o dia 18 de Março, o dia da Bênção do seu Santuário, terminou dizendo: Vocês, aqui, estão sempre presentes.

É válido não somente para a Costa Rica.

Álbum de fotografias

170122 Belmonte P. Marcelo Cervi

Entrevistas breves ao Pe. Daniel Lozano e ao Pe. Marcelo Cervi, por Davide Russo (italiano):

Página oficial de Roma Belmonte

Assinar o Boletim de Belmonte

Pe. Marcelo Cervi: [email protected]

Original: espanhol. Tradução: Lena Castro Valente, Lisboa, Portugal

Etiquetas: , , , , , , , , , , , , ,