Colocado em 1. Junho 2015 In Dequeni, Projetos

Não poderia ser de outra forma a coroa para a Rainha de Dequení

PARAGUAI, por Noelia Ferreira y Maria Fischer •

Pelo trigésimo aniversário de Dequení, domingo três de maio se celebrou uma Santa Missa em Tupãrenda com a presença de muitos benfeitores e padrinhos que colaboram com a missão de Dequení, este grande projeto nascido da Aliança de Amor. A celebração foi presidida por Monsenhor Claudio Giménez, Padre de Schoenstatt e Bispo de Caacupé. Coroou-se a Mãe como Rainha da Fidelidade de Dequení, por acompanhar a obra durante todos estes anos.

Oferendas

Foi um dia de chuvas torrenciais, o que fez atrasar a chegada de Monsenhor Claudio vindo de Caacupé para Tupãrenda. Mas isto não impediu viver uma Santa Missa festiva entre colaboradores, voluntários, fundadores de Dequení e os que hoje em dia levam adiante esta obra em favor das crianças mais necessitadas, no mesmo espírito e sob o amparo da Mãe de Deus, de todos os homens, de todas as crianças.

Fredy Agüero, um dos primeiros voluntários de Dequení e quem ainda hoje continua ajudando em muitos momentos, levou com sua família as oferendas ao altar; outros o singelo folheto com o primeiro convite feito a crianças de rua há 30 anos, e finalmente a coroa… e não poderia ser outra, apesar da decisão haver sido tomada apenas quatro dias antes da coroação.

11187125_10153238649482480_376339365171634397_o

O logotipo de Dequení transformado em coroa

20150525095754-pereA Mãe, a grande protagonista de Dequení, de tudo o que se faz pelas crianças, merecia uma coroa em agradecimento pelos trinta anos de vida: isto estava claro. “Mas enquanto reuníamos contribuições ao capital de graças entre as crianças, os colaboradores e os empregados não sabiam decidir que tipo de coroa lhe presentearíamos a Mãe”, comenta Andreza Ortigoza.

E enquanto pensavam e conversavam a tinham todo o tempo diante de seus olhos. Mas apenas quatro dias antes do três de maio a descobriram: a coroa, a única coroa para a Mãe em sua imagem na bela capela na Casa Central de Dequení em Fernando de la Mora tinha que ser… aquele desenho simples que parece recortado por crianças e que mostra pais e filhos de mãos dadas, sob um teto que os acolhe.

Andreza Ortigoza lembra o momento em que buscaram como realizar essa decisão. Seria feita de metal? De madeira? “Todos nos responderam: para fazê-la em qualquer dos dois materiais seria necessário uma semana. Mas não dispúnhamos de uma semana, senão de apenas dois dias”. Alguém recomendou uma empresa pequena… que tampouco a podia fazer de metal ou de madeira, mas prometeram: faremos a coroa. “Nem sabíamos de que material a fariam”. Nem houve tempo para perguntar aos demais se lhes gostaria. “Que a crianças… y a Mãe gostem”, disseram. Chegou à véspera da coroação: era de acrílico e dourada… e a colocaram junto a Peregrina que acompanha todo os afazeres de Dequení.

Uma coroa tão singela, uma coroa que simboliza a todas estas crianças e a seus pais que passaram, passam e passarão por Dequení. Que graças a Dequení saíram e sairão do círculo vicioso da pobreza e da falta de educação…

Outro grande momento de celebração dos trinta anos de Dequení foi a “Noite de pão e vinho”. Na sexta-feira oito de maio se ofereceu um concerto “Com o passar dos anos”: música de filmes no Grande Teatro José Asunción Flores do Banco Central de Paraguay. Uma noite para celebrar o caminho transcorrido junto à cidadania, os benfeitores, os voluntários, as empresas solidárias e as organizações e instituições públicas e privadas que se aliaram para proteger a infância e apoiar os programas da organização. Através da música os assistentes recordaram grandes produções cinematográficas. Destacados artistas nacionais, sob a direção do Maestro Oscar Fadlala, deleitaram os presentes.

IMG-20150509-WA008

Não celebrou sozinho

Muitas empresas solidárias expressaram sua gratidão por ser parte da luta contra a pobreza e pelo futuro das crianças, e celebraram com Dequení. Os jornais do país dedicaram artigos e entrevistas sobre o tema. Mas principalmente celebraram as crianças e os voluntários nos projetos de Dequení no país.

Para o aniversário fizeram bandeirinhas, cartazes, balões, lenços, com o logotipo de Dequení, e publicou-se uma revista com testemunhos impressionantes, que em parte também estão na página de Dequení e que nas próximas semanas serão publicados também em Schoenstatt.org. Fazemos pelas crianças. Pois também Schoenstatt.org é aliado solidário de Dequení.

As cartas de Dequení no Santuário Original

20150525095247-sch2Quando poucos dias depois das celebrações do aniversário Andreza Ortigoza, a diretora de Dequení, viajou a Schoenstatt como delegada para o Congresso de Pentecostes, ela levou em sua maleta muitíssimo material sobre Dequení: a revista do aniversário, o resumo do ano em inglês e em castelhano, folhetos para benfeitores e muito mais. O que não chegou a repartir entregou a Ingrid Springer e a Maria Fischer. Mas o mais valioso que levou não era isso. O grande tesouro eram as muitíssimas cartas enviadas pelas crianças, pelos voluntários e pelos empregados, dirigidas a Mãe para serem entregues no Santuário Original. “Até o último momento me entregaram cartas”, conta Andreza. “E até o último dia em Schoenstatt estive escrevendo os nomes dos que não conseguiram escrever uma carta e me pediram por whatsApp que levasse seu carinho a Mãe no Santuário Original”. Deste amor tão fiel vive o berço da Aliança de Amor, o Santuário Original.

Ela também entregou a lista de benfeitores na tumba do Padre Kentenich, para que a graça lhes devolva em cem por um sua generosidade. E está escrito em alemão para agradecer a famílias que colaboram desde ali.

Estas famílias estiveram presente em 24 de maio, Pentecostes, na pessoa de Ingrid Springer, que há anos trabalha para difundir a obra de Dequení em Alemanha e outros países, e organiza a entrega dos fundos arrecadados em Europa. Um encontro entre pessoas comprometidas junto ao Santuário Original. “Fazemos pelas crianças”.

Fazemos pelas crianças: também desde longe

Talvez a saudação mais bonita pelo aniversário de Dequení foi a de Gisela Ciola, que traduziu para o italiano vários dos artigos sobre este acontecimento:

“Comprometidos nesta iniciativa tão bela e importante, pensando em idéias novas para ajudá-los a crescer ainda mais. Agradeço-lhes pessoalmente por haver compartilhado conosco as belas experiências vividas em vossa fundação; tive a honra de traduzi-las e me tocou no mais profundo do coração.

Unidos em oração desde meu santuário lar por esta causa, com a certeza que a Mãe os acompanhará sempre nesta “grande” e “concreta” obra, me coloco a disposição como “seu instrumento” por todas essas crianças que tanto necessitam.

Um abraço enorme. Gisela”.

11157358_10153238651172480_5443630701417991030_o

Atualmente o trabalho social de Dequení chega a 7.515 crianças, 920 adolescentes e jovens e 3.757 famílias, através dos projetos que funcionam em Ciudad del Este, Caaguazú, Caacupé, Arroyos y Esteros, Luque, Villeta, Ypané, J. Augusto Saldívar, Fernando de la Mora e Asunción. A fundação organiza seus serviços em três eixos: educação, saúde e nutrição e fortalecimento da organização comunitária.

27 de mayo de 2015 – Aniversario de Dequeni

Dequeni nas tendas virtuais da cultura de aliança

Página de Dequeni: dequeni.org.py

Doações com cartão de crédito online  http://www.dequeni.org.py/donar.php

Conta bancária (Alemanha), para doações desde a zona SEPA

Dequeni
a nome de Ingrid Springer
IBAN: DE52426613300121483602
BIC: GENODEM1HLT. 20150525095247-f

Original: Espanhol. Tradução: Lena Ortiz, Ciudad del Este, Paraguay

Etiquetas: , , , ,