Colocado em 25. Setembro 2018 In Artigos de Opinião

Famílias católicas fortes e livres

Ingeborg e Richard Sickinger,  Áustria •

“O que nos move é: o que Schoenstatt tem para dar à igreja?”, Perguntam Ingeborg e Richard Sickinger. A sua resposta: Famílias católicas livres e fortes – e não como uma ideia ou uma teoria, mas com um plano mestre de como isso pode ser implementado. Esta é uma mensagem que o casal compartilha repetidamente, mais recentemente no Encontro Mundial das Famílias na Irlanda, no contexto de uma palestra intitulada: Quem está lavando a louça? – O Papa Francisco, sobre as pequenas coisas que importam na vida familiar. Nós orgulhosamente agradecemos a oferta para publicar o texto da sua palestra. —

 

Ingeborg & Richard Sickinger - Familien

Ingeborg e Richard Sickinger

Olhando para o mundo, discernindo os sinais dos tempos, reconhecemos que a cultura que nos cerca já não é cristã. Tornou-se um mundo secular com valores seculares.

Um pequeno exemplo: Um dia estávamos andando para a igreja numa manhã de domingo, conversando e olhando ao redor, e de repente percebemos que há mais pessoas em roupas desportivas que saem para uma corrida matinal do que as pessoas que vão à missa dominical.

Consigo lembrar-me claramente do momento exato em que ficámos ali; tornou-se aparente para nós: o desporto é uma grande atividade, atrai mais e mais pessoas – mas o tempo para Deus de alguma forma desapareceu ao longo dos tempos …

E este mundo secular não é neutro, tem um forte impulso para influenciar cada um de nós naquilo que pensamos, os nossos valores, as nossas opiniões – com todos os seus efeitos e seduções – moldando assim o nosso modo de vida como uma família nas pequenas coisas tais como os desportos ou mesmo nas grandes questões como o aborto ou a eutanásia.

Esta é uma ocorrência natural: vivemos numa cultura que nos faz parte dessa cultura, assim como entrar num pub impregna o cheiro do pub nas nossas roupas. Quando chegamos a casa e penduramos o casaco, ainda se pode sentir o cheiro do pub no casaco.

O que Deus nos está dizendo através desses sinais dos tempos? Qual é a missão que ele está a dar-nos? Precisamos tornar-nos famílias católicas fortes e livres que possam resistir à influência da cultura secular, que possam crescer em santidade e tornarem-se faróis de esperança para outras famílias nesta nova era secular.

Viver vidas autênticas! – Cada família deve ser uma ilha de vida católica

O Padre José Kentenich, o fundador de Schoenstatt, convida as famílias a tornarem-se hoje “ilhas da autêntica vida cristã” e diz: “Se uma família católica não molda a sua vida quotidiana, ela será levada pelas tendências da cultura secular”.

Como podemos cumprir o plano de Deus e construir uma vida cristã autêntica?

Um exemplo: no início deste ano, um novo governo tomou posse na Áustria. 100 dias depois, realizou-se um painel de discussão na Universidade. Um dos especialistas disse que, nesses primeiros 100 dias, cerca de 60 a 70 novos tópicos foram levantados pelo governo (nova lei trabalhista, nova estratégia para a previdência social, etc.). Quase todos os dias, um novo tópico apareceu em todas as notícias e canais de comunicação social – ele apelidou essa informação de “era da distração” – o efeito: depois de 3 dias você não consegue lembrar qual era o assunto exato, então o indivíduo deixa as informações entrar por um ouvido e sair pelo outro e torna-se superficial.

O que Deus nos está a dizer através desta “Era da Distração”, qual é a mensagem?

– Em primeiro lugar, não se surpreenda quando você se tornar superficial (pode acontecer não se lembrar do que a sua esposa disse há 5 minutos)

– Mas, em segundo lugar: Viva diferente, vá além disso! Faça da sua casa um lugar onde você vive para além dessa superficialidade!

Qual é a nossa missão como família? Desenvolver novas tradições na nossa vida quotidiana. O Padre Kentenich diz que a capacidade de ouvir é “uma habilidade rara, mas vital!”

Ser católico significa ouvir respeitosamente o meu cônjuge, as necessidades dos nossos filhos, o que Deus nos diz.

Podemos fazer disso um modo prático de vida: podemos fazer das nossas refeições um momento e um lugar para compartilhar e ouvir com todas as distrações removidas. Emily e Stephan, com dois filhos, são uma família: quando você os visita, há uma prateleira especial ao lado da mesa de jantar com uma placa dizendo “celulares por favor”. Convidados e familiares são convidados a depositar lá os seus telefones e a hora da refeição torna-se uma zona livre de celulares. Nós até notámos que o filho mais velho, Lorenz (4), nem se mexeu quando ouviu um telefone tocar … (normalmente, indica um texto de Whatsapp ou de um e-mail chegando).

Sobreviver e prosperar como família católica significa viver hoje diferentemente do que nos rodeia, vivendo como monásticos no mundo, construindo as estruturas e os hábitos para sustentar a nossa peregrinação e viver ativamente a nossa fé, cultivando um modo de vida católico único. Mas como?

O Caminho Católico: agir e rezar!

Desenvolver um autêntico estilo de vida católico holístico baseia-se na combinação de ambas as dimensões da vida católica: os princípios seculares da prática monástica de trabalho e oração, de ação e contemplação, tanto para nos abrirmos à iniciativa de Deus como para agir por amor, porque como Amoris Laetitia afirma: “O amor é mais que um mero sentimento. Pelo contrário, deve ser entendido ao longo das linhas do verbo hebraico “amar”; é “fazer o bem”, agir. (A.L. 94).

No Sermão da Montanha, Jesus resumiu o seu discurso com as palavras: “Nem todo aquele que me diz: ‘Senhor, Senhor’, entrará no reino dos céus, mas somente aqueles que fazem a vontade de Meu Pai que está no céu” (Mat 7,21).

A questão “quem está lavando a louça” – não é, portanto, trivial, mas importante!

Quando se trata de amor (por Deus ou pelo nosso cônjuge), não são tanto as palavras, mas as ações que contam. As pequenas coisas da vida familiar são realmente importantes!

Muito precisa de ser feito para administrar uma casa de 2, 5 ou mais pessoas (limpar, cozinhar, fazer compras, lavar a roupa, lavar a louça …)

A divisão do trabalho doméstico é, na verdade, uma das áreas mais comuns de conflito nas famílias. O objetivo não é tanto dividir as tarefas em partes iguais (50:50), mas dividir o trabalho doméstico para que todos achem justo!

Como família católica, temos essa grande vantagem: pequenas coisas fazem muito mais sentido na perspetiva do bem comum – não compartilhamos apenas o trabalho doméstico, mas estamos construindo juntos um mundo novo.

O amor é um verbo: por um lado, rezamos pelo outro e para o outro, assumimos a responsabilidade e contribuímos ativamente. Como famílias católicas, temos a missão de combinar os dois princípios – agir e rezar – no nosso lar e no nosso coração. “O amor é experimentado e nutrido no quotidiano dos casais e dos seus filhos” (A.L. 90). Esse testemunho torna-nos relevantes (sendo obras católicas!), credíveis (Eles fazem como dizem! Eles acreditam no que dizem!) E atraentes para outras famílias (queremos ser como eles!). Em Amoris Laetitia (A.L.), no capítulo “Nosso Amor Diário” podemos encontrar muitas ideias que podem ser colocadas em prática no dia a dia da vida familiar.

Santuário Lar (Monterrey, México)

O poder de amar: Maria, mãe das famílias

Mas será esta vocação pedir muito, demasiado grande, impossível de uma família alcançar? Às vezes sentimo-nos impotentes ou fracos – como pode crescer a nossa capacidade de amar? Como podemos desenvolver o nosso potencial?

Gostaríamos de compartilhar a experiência do Santuário Lar – a experiência de muitas famílias mostra que dar à Santíssima Virgem de Schoenstatt um lugar de honra na nossa casa cria uma plataforma onde um estilo de vida pessoal e católico pode desenvolver-se; dá-nos acesso às graças de que precisamos para construir um lar católico.

Maria traz Jesus para as nossas casas, como disse o Arcebispo Gracias durante a Santa Missa ontem. O seu desejo sincero é entrar na nossa casa, residir e ajudar-nos a crescer numa “ilha da autêntica vida cristã”, trazendo Cristo para o nosso casamento e aos nossos corações. Mas ela é educadora e mentora, busca a nossa cooperação, deseja a nossa ajuda em troca e volta-se para nós com o seu pedido: “Prove primeiro pelos seus atos que você realmente me ama. Então me agradará morar aqui e distribuir presentes e graças em abundância”, como declarou no Documento de Fundação de Schoenstatt.

Isto é consistente com o milagre de Caná (Jo 2,1). Maria notou a dificuldade do casal recém-casado: eles ficaram sem vinho. Ela disse a Jesus: “Eles não têm vinho” e a sua reação foi: “Encham os jarros com água”. Através da intercessão de Maria, ele transformou a água em saboroso vinho.

É o que muitas famílias experimentam no seu Santuário Lar. Eles dão as suas ações de amor: os seus esforços no seu desenvolvimento pessoal, na auto-educação e em amar uns aos outros no dia a dia – as pequenas coisas que importam na vida familiar – e eles confiam que a sua “água” é transformada em vinho. Nós não temos de fazer tudo sozinhos – mas estamos prontos para fazer a nossa parte. Há centenas de pequenas coisas – desde lavar a louça a ouvir com o coração aberto – para mostrar o nosso “amor diário” (A.L. 90).

Esta é a sinergia do amor que nós, como família, precisamos: fazemos o melhor possível e, ao mesmo tempo, confiamos plenamente em Jesus para realizar milagres na nossa vida familiar diária. Esta é a sinergia que pode transformar a nossa casa, transformá-la numa fonte de águas vivas ou numa luz no cimo do monte.

As Famílias como agentes ativos – o plano de Deus para um mundo novo

A nossa visão é que muitas dessas famílias, tais lares, conectam-se umas com as outras formando redes colaborativas e conectando-se à paróquia para criar um organismo credível e dinâmico de nova vida católica baseada tanto no estilo de vida cristã como na iniciativa de Deus, tanto em ação como em oração!

Este é um plano realista para renovar a nossa sociedade através do sacramento do matrimónio, assumindo plenamente o que o Papa Francisco diz: “Todo o amor que brota é um poder de transformação” (P. Francisco, audiência geral 20.9.17) e muda mundo.

Nós importamo-nos uns com os outros – e importamo-nos com os outros, pela “família alargada” (196) à nossa volta. Não somos apenas nós e as crianças, mas “toda a rede de relacionamentos” que é “fortalecida pelo sacramento” (74)

Exemplo: Era uma manhã movimentada e eu estava prestes a sair quando o telefone tocou.

Era um amigo – ele tinha conhecido uma companheira muito simpática, mas eles estavam a ter dificuldades em construir o seu relacionamento e estavam a chegar ao ponto de crise.

Eles iam ter uma conversa decisiva naquela noite e ele queria alguns conselhos. Eu estava ouvindo e tentando ajudá-lo – mas no final eu tinha mesmo de ir.

Então eu fui ao Santuário Lar, dei uma olhada e disse-lhe: “Olha, eu tenho de ir agora. Mas quando eu chegar em casa, acenderei uma vela e rezarei por ti”. Ele não é propriamente católico, mas eu senti que era o melhor que eu podia fazer.

Foi um dia difícil – enchendo a talha. Quando voltei, acendi a vela e rezei por ele e pela conversa deles. Mais tarde naquela noite ele telefonou – tudo o que ele disse foi: “Quando você acendeu essa vela?”

Como casais católicos, temos uma vocação para o amor, que é um “processo de crescimento constante” (A.L. 134), e temos um chamamento para o apostolado. A nossa Igreja leva-nos a sério quando ouvimos dizer que as famílias são os “agentes principais”, elas são os “agentes ativos do apostolado familiar” (AL 200) com a missão de se tornar “uma igreja doméstica e uma célula vital para transformar” o mundo ”(AL 324).

Benção de Santuários Lar numa paróquia no Panamá

 

Foto Titel: iStock Getty Images, evgenyatamanenko. Licensed for schoenstatt.org

Original: Inglês, 17. SETEMBRO 2018 – Tradução: José Carlos A. Cravo, Lisboa, Portugal

Etiquetas: , , , , ,

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *