P. Sidney Fones

Colocado em 2021-05-13 In Schoenstatteanos

Um homem moderno, que olhava para o futuro, à procura da vida real

CHILE, Maria Fischer •

É apenas um pormenor mas que, mostra um dos traços característicos do Pe. Sidney Fones, falecido a 29 de Abril: o comunicado de imprensa do Conselho Episcopal Latino-Americano (CELAM), publicado e enviado, nesse mesmo dia, para expressar a sua gratidão pelo serviço prestado pelo Pe. Sidney, foi também publicado em inglês, espanhol e italiano. Uma pessoa com um horizonte e um coração universais deixou-nos e, permanece connosco. —

Um punhado de Padres, familiares e leigos de Schoenstatt estiveram presentes na tarde de sexta-feira, 30 de Abril, no cemitério dos Padres de Schoenstatt em Bellavista, para a Missa de Corpore Insepulto do Pe. Sidney Fones; contudo, quase 3000 pessoas, não só do Chile, estiveram com ele e com eles a partir dos ecrãs da Colômbia, Costa Rica, Equador, Alemanha, Argentina, Portugal, Costa Rica….

“Obrigado, Padre Sidney, pelo seu testemunho de vida, de humildade, de serviço, de doação de si mesmo e de imenso afecto pela Colômbia. Estará sempre nos nossos corações”, lê-se num comentário de Bogotá, Colômbia, e “Obrigado pelas suas belas visitas à Costa Rica! Que a Mãe o receba com a mesma ternura que o senhor pôde dar…”, escrevem de San José, Costa Rica.

Se alguém olhar para o chat no vídeo do seu funeral, irá ler inúmeras mensagens de muitos lugares, que mostram que o Padre Sidney foi um pai, um amigo, um companheiro de estrada, uma pessoa que se entregou pela sua missão de vida.

Enquanto estou à espera, como tantos outros, de que a emissão comece, caneta na mão e papel pronto a tomar notas, penso: Como resumir a vida de uma pessoa num sermão fúnebre, numa revisão da vida, num, dois ou três artigos? Uma pessoa tem tantas facetas diferentes, tantas relações pessoais diferentes, porque cada um vive e viveu à sua maneira… e o Padre Sidney tinha definitivamente muitos vínculos.

Temos de esperar pelo céu para realmente conhecermos e revermos a sua vida e temos de permanecer com alguns traços, alguns instantâneos….

Schoenstatt, a sua missão de vida

O Padre Sidney tomou conhecimento do incipiente Movimento de Schoenstatt e juntou-se à Juventude Masculina no ano de 1955, fazendo parte do grupo Escudo, do qual foi sempre o seu líder. Selaram a sua Aliança de Amor com Maria a 1 de Novembro do mesmo ano.

Em Schoenstatt descobriu o seu apelo a uma vocação sacerdotal, profundamente convencido da missão que Schoenstatt tem para o mundo de hoje. O carisma e a pessoa do Padre José Kentenich, Fundador de Schoenstatt, foram centrais durante toda a sua vida. Entrou no Noviciado Palotino em Março de 1958, em San Bernardo. Passou o seu tempo de escolasticado (seminário) no Colégio Máximo, em Santa Maria, Brasil, entre 1960 e 1962, e depois continuou em Fribourg, Suíça, de 1962 a 1966.

Aí, o seu curso, Vinctus Pastoris (Acorrentados, Acorrentados ao Pastor) se forma. O Bom Pastor que é Cristo, conhece, cuida, ama, nutre, conduz e dá a vida pelas suas ovelhas, o que também se reflecte no sacerdócio do nosso Fundador, Pe. José Kentenich.

Foi ordenado sacerdote em Fribourg a 26 de Março de 1966 e celebrou a sua primeira Missa em Biberach, Alemanha, em Abril do mesmo ano. Estudou uma licenciatura em Teologia em Fribourg, após o que regressou ao Chile em 1967.

O Pe. Sidney caracterizou-se como uma pessoa de marcada liderança, um carácter muito firme e viril, e ao mesmo tempo muito afectuoso. Ele era uma pessoa clara e sólida, e ao mesmo tempo, comovia-se com muita facilidade. Tinha uma grande disponibilidade para ir onde a comunidade precisava dele, por isso teve várias tarefas na sua vida apostólica.

Viveu em Maipú, Viña del Mar e em Santiago, onde realizou tarefas pastorais com o Ramo dos Homens, a Juventude Masculina e Feminina, juntamente com um papel importante no seio da comunidade nascente dos Padres de Schoenstatt, fazendo parte do Conselho Provincial desde a sua chegada em 1967, até ser eleito Superior Provincial em 1981 até 1990.

Em 1991, partiu para a Alemanha como primeiro Conselheiro da Direcção Geral dos Padres de Schoenstatt, cargo que ocupou até 2003, sendo o assistente para os Padres na América Latina, Estados Unidos e Austrália. No final deste tempo na Alemanha, partiu em 2004 para trabalhar no CELAM em Bogotá, Colômbia, como Secretário-Adjunto, onde também acompanhou a Família de Schoenstatt naquele país até 2011. Em 2012, regressou ao Chile para trabalhar na Conferência Episcopal Chilena e como Assessor da União das Famílias.

Um grande Superior, um homem moderno, um homem que gostava das pessoas

Começando pelo Evangelho do dia – Jesus, o Caminho, a Verdade e a Vida – o celebrante principal, Padre Patricio Moore, falou dele como um grande Superior, com “uma vida dedicada a ser Superior”, sublinhando o seu talento natural para liderar e mostrar o caminho, e as três virtudes que o marcaram na sua liderança: clareza, força e coragem.

Não só procurava a verdade, comentou o Pe. Patricio. Recordou como, a certa altura, o Padre Sidney comentou uma frase de João Paulo II, que dizia que o cristão de hoje deve ser moderno e enraizado em Cristo: “Gosto desta frase. Disse o Pe. Sidney, “interessava-se por tudo, sempre olhando para a frente, não me lembro dele alguma vez olhar para trás”, com uma sensibilidade especial para os sinais dos tempos e um desejo de trazer a Igreja e Schoenstatt para os sinais dos tempos. Uma Igreja e um Schoenstatt que, não vivem na nostalgia dos tempos dourados; pelo contrário, investigam o que se passa neste mundo em que vivemos hoje para dar uma resposta a partir do Evangelho.

A sua grande paixão era estar com as pessoas, contou o Padre Patricio, manter vínculos através de visitas e encontros; ele queria saber como as pessoas vivem, como trabalham. “As pessoas, a vida real, este era o seu ambiente natural. Parafraseando Provérbios 8,31: o seu deleite era estar com os filhos dos homens.

Por isso, a grande quantidade de recordações pessoais que chegaram, espontaneamente, por estes dias…

P. Sidney Fones

As pegadas de um peregrino

Na nota do CELAM lê-se:

Sidney Fones“Regressou ao continente em Novembro de 2003 para se tornar Secretário-Geral Adjunto do CELAM até 2009; assumindo também a responsabilidade de Tesoureiro Geral e gestor do Programa de Centralidade da Infância (PCN), onde deu importantes contributos na construção da estratégia para a infância do organismo de comunhão eclesial.

É uma triste notícia para a Igreja e para o PCN, uma vez que o Padre Sidney foi um dos fundadores do PCN, um dos membros que acompanhou o Bispo Santiago Silva Retamales na construção da estratégia da infância no CELAM”.

Na sua passagem pelo Conselho Episcopal Latino-americano, teve, entre outras tarefas, a grande responsabilidade de liderar a organização da V Conferência Geral dos Bispos da América Latina e das Caraíbas em Aparecida (Brasil), um processo que, descreveu como uma grande oportunidade para conhecer a Igreja a partir do dinamismo, superando a visão da Igreja como uma estrutura monolítica.

Para o Padre Sidney Fones, este evento eclesial tocou a Igreja do mundo inteiro porque, pela sua experiência pastoral, na América Latina e nas Caraíbas está metade da Igreja Católica do mundo e, é lá, que se percebem as suas deficiências pastorais, mas também a sua vitalidade.

Recordando tudo o que foi Aparecida e o actual pontificado do Papa Francisco, o Padre Sidney Fones sublinhou como o Pontífice assumiu uma das suas maiores riquezas, a de chamar a Igreja universal a ser discípulos missionários, como Aparecida propôs: o crente tem de ser um seguidor de Jesus Cristo com a responsabilidade de se mover e mover outros para a missão.

O Episcopado chileno também enviou a sua mensagem:

“Para além do nosso sentimento de tristeza por esta perda na Família de Schoenstatt, move-nos uma imensa gratidão por tanto bem que a Igreja no Chile e na América Latina recebeu do Padre Sidney no seu frutuoso ministério e nos diversos serviços por ele prestados. As suas funções como Secretário-Adjunto, tanto no Conselho Episcopal Latino-americano como na Conferência Episcopal do Chile, foram de grande relevância em momentos especialmente significativos para a vida da Igreja. Muitos de nós, Bispos, pudemos partilhar com ele o trabalho diário. Agradecemos ao Senhor pela vida de Sidney, pela sua amizade e proximidade, e sobretudo pela disponibilidade de serviço que sempre marcou a sua vida e ministério até que a sua saúde o permitiu”, escreveu o Bispo Santiago Silva, presidente da Conferência Episcopal do Chile.


Condolências do CELAM (Também em italiano, espanhol e inglês)

Condolências do Episcopado do Chile (ES)

Com material da revisão de vida feita pelo Padres de Schoenstatt

 

Original: espanhol (10/5/2021). Tradução: Lena Castro Valente, Lisboa, Portugal

Etiquetas: , , , , , ,

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *