Kentenich Buch Urteil

Colocado em 2021-09-19 In José Kentenich

As Irmãs de Maria perderam o seu processo no tribunal de primeira instância

ALEMANHA, Maria Fischer •

As Irmãs de Maria de Schoenstatt estão a lutar com meios legais. Não só no Brasil, contra a cidade de Santa Cruz do Sul e uma grande parte do Movimento de Schoenstatt, devido à venda programada do terreno e do Santuário de Schoenstatt (e à planeada demolição deste último), mas também na Alemanha, em tribunal, para que sejam omitidas certas declarações do livro da historiadora Alexandra von Teuffenbach e da editora Bautz, traduzidas e publicadas há algum tempo. Um livro que causou uma grande agitação em Schoenstatt e em todo o mundo – mais do que qualquer outro – e desencadeou uma crise (saudável?) que foi muito além do tema inicial. E, a acção judicial que falhou por agora, como noticiado hoje pela Agência Católica de Notícias (DE).

“O livro da historiadora da Igreja Alexandra von Teuffenbach sobre o fundador do Movimento Católico de Schoenstatt, Padre José Kentenich (1885-1968), pode continuar a ser publicado na sua totalidade. O Tribunal de Comarca de Berlim rejeitou em primeira instância o pedido de uma Providência Cautelar para omitir certas declarações, entre outras, relativas a abusos, como anunciou um porta-voz do tribunal na sexta-feira. Os pormenores das razões desta decisão ainda não estão disponíveis por escrito. A decisão ainda não é definitiva, pode ser interposto um recurso junto do Supremo Tribunal. O requerente era o Instituto Secular das Irmãs de Maria de Schoenstatt”, segundo a notícia publicada hoje, 18 de Setembro, em katholisch.de.

Nos últimos meses o assunto tem estado calmo, de facto demasiado calmo.

  • Em muitos lugares tudo continuou como se o livro “O Pai pode fazê-lo” e as muitas perguntas e discussões apaixonadas que gerou sobre o comportamento do Padre Kentenich em relação a algumas das Irmãs de Maria (e vice versa) não tivesse existido.
  • Houve schoenstatteanos que já não conseguiam encontrar o seu lugar em Schoenstatt e se retiraram.
  •  Houve schoenstatteanos que apelaram a uma cruzada santa contra as publicações e o seu autor.
  •  As Irmãs de Maria de Schoenstatt foram a tribunal.
  •  Houve schoenstatteanos que ficaram irritados com as reacções oficiais e começaram a perguntar-se o que se estava a passar em Schoenstatt. Ou aqueles que continuaram e estudaram e continuam a estudar processos e estruturas de abuso de poder e manipulação de consciência no Schoenstatt de hoje.
  • Houve e há schoenstatteanos que encontraram uma nova relação com o Padre Kentenich. Com uma pessoa com fracturas, falhas, experiências traumáticas e erros e com uma tarefa gigantesca que Deus colocou sobre os seus ombros. Alguns falam de um “Kentenich Kintsugi”. Kintsugi, o método tradicional japonês de reparação de cerâmica valiosa com verniz dourado. Os pontos de ruptura são enfatizados em vez de ocultos, a simplicidade e a apreciação das deficiências são acentuadas.
kintsugi

Kintsugi

E agora, quo vadis, Schoenstatt?

As Irmãs de Maria perderam em primeira instância. É possível recorrer. Foi ouvido de uma fonte fiável que “elas continuarão a litigar enquanto existirem”.

A informação de Berlim chega muito perto da reunião do Papa Francisco com os directores e líderes dos Movimentos e Associações e do seu discurso sobre o abuso de poder e a apropriação do carisma fundador. (ES) Talvez seja apenas uma conexão temporal.

 


Mais:

Artigo em katholisch.de: https://www.katholisch.de/artikel/31295-kentenich-gericht-lehnt-unterlassungsantrag-gegen-teuffenbach-buch-ab (DE)

Original: alemão (18/9/2021). Tradução: Lena Castro Valente, Lisboa, Portugal

Etiquetas: , , , , , , , , , , ,

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *