Colocado em 7. Outubro 2018 In abuso, Igreja - Francisco - movimentos

Pe. Juan Pablo Catoggio: Comunicado sobre Mons. Francisco José Cox

Publicamos o comunicado do Pe. Juan Pablo Catoggio, Superior Geral do Instituto dos Padres de Schoenstatt, sobre Francisco José Cox, no marco das recentes denúncias formais realizadas perante a justiça civil e canônica, difundidas pelos meios de comunicação chilenos e alemãs.

Comunicado sobre Mons. Francisco José Cox

 

No marco das recentes denúncias formais realizadas perante a justiça civil e canônica, difundidas pelos meios de comunicação chilenos, contra o arcebispo emérito de La Serena e membro do nosso Instituto, Francisco José Cox, comunicamos o seguinte:

 

  1. Desde sua época em La Serena, encontramos diversos depoimentos – também por meio da imprensa e através de conversas e encontros – que faziam referência à situações abusivas cometidas por Francisco José Cox. Graças ao treinamento recebido posteriormente na prevenção de abusos e acompanhamento de vítimas, constatamos que naquele momento não respondíamos como a situação requeria. A Congregação para os Bispos, de qual ele dependia pela sua função episcopal, poderá avaliar hoje também seu modo de proceder naquele momento.

 

  1. O Bispo Francisco José Cox renunciou a diocese de La Serena em 1997, exerceu depois várias tarefas de caráter administrativo ordenadas pelo Vaticano, em Roma e no CELAM, Colômbia e desde 2002 se retirou de toda atividade pública e saiu do Chile.

 

  1. Em 2002, a Congregação para os Bispos de Roma pediu ao Instituto dos Padres de Schoenstatt recebê-lo em uma de suas casas. Por esta razão, há muitos anos, reside na casa central de nossa Comunidade na Alemanha.

 

  1. As fotografias que foram conhecidas nos últimos dias foram obtidas a cerca de cinco anos na Alemanha. Atualmente tem 85 anos, seu estado de saúde é mais precário do que a que se vê nelas, com sinais de demência senil, não é auto dependente e necessita de cuidados de enfermagem.

 

  1. No final do ano passado, recebemos uma denúncia formal realizada por uma pessoa que reside no estrangeiro, de um fato ocorrido na Alemanha em 2004. Acolhemos o denunciante e realizamos a devida investigação segundo a normativa da Conferência Episcopal Alemã e a Conferência das Ordens Religiosas. Toda a informação foi enviada ao Ministério Público Federal, segundo o que exige o procedimento formal da Alemanha. Igualmente, enviamos toda essa informação à Congregação para a Doutrina da Fé, em Roma, que ainda analisa essas informações.

 

  1. Condenamos todo o ato de abuso, lamentamos o sofrimento das vítimas e apoiamos plenamente que a justiça civil e os tribunais eclesiásticos esclareçam os fatos, para que se conheça a verdade e se faça justiça. Estamos à disposição para colaborar no que seja necessário, nas instâncias civis e eclesiais.

 

  1. Cremos que o caminho de conversão que o Papa Francisco nos convida a acompanhar através de gestos, ações concretas e transparência é a única maneira de reparar o dano ocasionado e de nos aproximar dos que sofreram tanto. Pedimos perdão de maneira sincera às vítimas e a todos que se decepcionaram com nossas ações. Reafirmamos nosso compromisso de acompanhar àqueles que sofreram e de esclarecer todos os fatos ocorridos.

 

  1. Desde este ano, temos estabelecido no Chile uma comissão de prevenção de abusos externo, que conta com a participação de laicos competentes, que apóia a instalação de uma cultura de ambientes sadios e seguros e investigação e conhecimento de denúncias. Esta iniciativa quer ser expressão de uma visão global e colaborativa, para poder prevenir situações tão dolorosas como as antes mencionadas. Para qualquer solicitação, o e-mail de contato é: [email protected]

 

Pe. Juan Pablo Catoggio

Superior Geral dos Padres de Schoenstatt

Schoenstatt, 5 de outubro de 2018.

 

Original: Espanhol, 05.10.2018. Tradução: João Pozzobon, Santa Maria, Brasil @schoenstatt.org

Etiquetas: , , , ,

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *