Mauricio y Ximena

Colocado em 2021-07-27 In Vida em Aliança

“Não estamos sós e precisamos uns dos outros”

CHILE, Susy Jacob •

Ximena Farfán e Mauricio Toro têm estado na linha da frente da pandemia desde o seu início. Como seguramente, todas as manhãs rezam juntos no seu Santuário-Lar, onde rezam “para que a força da Aliança de Amor nos permita ser verdadeiras testemunhas de esperança neste momento tão difícil”. —

São casados há 33 anos, têm 5 filhos e fazem parte do Conselho da Região da Imaculada Conceição da União dos Casais no Chile.

Ximena é enfermeira, Mestre em Cuidados Paliativos, Professora na Universidade de Los Andes. Mauricio é internista, Mestre em Bioética e Director do Hospital Padre Hurtado, uma instalação estatal de alta complexidade com uma capacidade de 400 camas para uma população de 500.000 habitantes nos distritos de La Pintana, La Granja e San Ramón, em Santiago.

Mauricio Toro 2Na última edição da Revista Vinculo (Junho 2021) desenvolvemos temas em torno de “uma dignidade chamada a colocar no centro o reconhecimento de cada ser humano como único e irrepetível, como cidadão de respeito, espaço, oportunidades e visibilidade”. Como é que este reconhecimento de cada pessoa foi experimentado no campo da saúde durante a pandemia?

Mauricio: A situação causada pelo surto de COVID-19 tem sido muito complexa, devido ao grande número de pessoas afectadas, à gravidade de muitas, à falta de conhecimento inicial sobre a doença, e à grande incerteza sobre o curso da pandemia. Cada pessoa que foi afectada pela doença teve de ser atendida, cuidada, tanto em termos dos aspectos técnicos da própria doença como em termos de recepção, conforto, assistência espiritual, etc. Algo semelhante aconteceu na campanha de vacinação, onde foi feito um esforço para se ser eficiente, mas ao mesmo tempo caloroso e próximo de cada pessoa que chega, acolhendo as suas dúvidas e medos.

Ximena: Talvez a primeira coisa que possamos dizer é que esta doença afectou todo o nosso país de uma forma transversal. No entanto, a pandemia realçou a precariedade e vulnerabilidade de muitos compatriotas, especialmente os idosos que vivem sozinhos. Devido à magnitude desta pandemia, ela gerou, tanto a nível sanitário como social, uma tomada de consciência de que vivemos em comunidade, rodeados por outros que vivem e sofrem como nós, que exigem, como eu, o respeito e o espaço que qualquer ser humano merece. Penso que hoje começámos realmente a olhar mais uns para os outros. Por outro lado, colocou-nos face à finitude da existência. É aqui que entra a dignidade da morte. Ao longo deste tempo aprendemos, mesmo à custa de erros, a tomar medidas no sentido de dar dignidade a este momento único e individual. Ainda temos muito a aprender, para reflectir verdadeiramente sobre este conceito, de modo a podermos proporcionar as condições para que as pessoas morram com a dignidade que merecem.

Tem sido esta uma oportunidade para abrir perspectivas a partir de outras formas, caminhos e iniciativas e construir pontes para dignificar o outro?

Ximena: Da minha perspectiva como enfermeira e professora universitária, permitiu-me reflectir muito profundamente com os meus alunos, especialmente sobre como podemos responder às necessidades dos pacientes num ambiente tão pressionado por emergências físicas/clínicas que muitas vezes esquecemos que estamos a lidar com uma pessoa e não com uma doença. Encorajar cada estudante a tirar alguns minutos, no meio do seu trabalho, a sorrir com os olhos, a ter uma palavra de encorajamento, a pegar numa mão, a acompanhar no meio da solidão e do medo. Oferecer formas de aproximar a família do acompanhamento espiritual que tanto é necessário. Para perguntar: “Como posso ajudá-lo, de que é que precisa? Também a partir da nossa Faculdade de Enfermagem e Obstetrícia da Universidade de Los Andes, promovemos iniciativas de reflexão em estabelecimentos de Longa Estadia para idosos e organizações de enfermagem, promovendo a reflexão sobre o tema da dignidade da pessoa, procurando estratégias para melhorar os cuidados e o acompanhamento dos pacientes.

– Mauricio: A pandemia mostrou-nos como as nossas vidas são frágeis, mas ao mesmo tempo mostrou-nos novamente, de uma forma muito óbvia, como somos importantes uns para os outros, como somos responsáveis pelos que nos rodeiam, como precisamos de cuidar uns dos outros. Para os trabalhadores da saúde, tem sido uma oportunidade de reconectar com a nossa vocação, e que, além de sermos tecnicamente competentes, não devemos esquecer que cuidamos das pessoas, que exigem um olhar caloroso, uma palavra reconfortante, uma informação clara, em suma, um tratamento humano.

Como cuidamos realmente dos outros num contexto nacional individualista onde tudo está centrado na procura de direitos?

Mauricio: Todos nós temos responsabilidades, deveres, para com os outros. O mais óbvio, no caso da pandemia, é ser honesto, respeitar as medidas de saúde, consultar em caso de sintomas, notificar em caso de contactos próximos e, claro, vacinar-se. Ao fazer tudo isto, além de cuidarmos de nós próprios, cuidamos dos outros, daqueles que nos são próximos, mas também de toda a comunidade. Há muitas outras formas de ajudar e acompanhar: telefonar ou fazer videochamadas para aqueles que estão sozinhos, oferecer ajuda e apoio àqueles que perderam os seus empregos, àqueles que não podem sair de casa, rezar pelos doentes, por aqueles que morreram e pelas suas famílias, e assim por diante.

Para aqueles que estiveram na linha da frente dos cuidados de saúde nos últimos meses, a dignidade tem a ver apenas com a atenção, o acompanhamento, o serviço e o cuidado do paciente no campo médico, ou transcende também para o espiritual?

Mauricio: Um dos aspectos mais complexos que tivemos de enfrentar no hospital foi o acompanhamento espiritual dos nossos pacientes. Para além do que o pessoal de saúde pode oferecer, precisamos do acompanhamento da família e dos padres ou pastores. Isto tem sido difícil, dadas as restrições de deslocações e de entrada nos recintos do hospital. Tentámos avançar nesta direcção, oferecendo acesso à assistência espiritual e aos sacramentos. Além disso, utilizámos as videochamadas para oferecer companhia, aconselhamento e conforto. O pessoal de saúde, estudantes, voluntários e pastores têm trabalhado com grande entusiasmo e empenho. No entanto, ainda temos um longo caminho a percorrer.

– Ximena: A dignidade do paciente engloba todos os pontos mencionados, não podemos esquecer nenhum deles, caso contrário, não prestaríamos cuidados dignos. Na enfermagem, e especialmente nos Cuidados Paliativos, que é a minha especialidade, esta tem uma centralidade que atravessa os cuidados prestados. Dar um novo significado ao sofrimento, reconhecer a espiritualidade dos outros, acompanhando-os a partir dessa perspectiva, faz parte do que deve ser oferecido nos Cuidados Paliativos. Infelizmente, esta visão dos cuidados nem sempre é reconhecida no seu valor e importância nos diferentes locais onde as pessoas são tratadas. A expressão da religiosidade também tem sido afectada, devido à dificuldade em conseguir representantes de diferentes igrejas e credos para os diferentes centros hospitalares. Também tem sido difícil ter padres e religiosos formados nas técnicas de prevenção do contágio a nível da saúde e que também queiram ir e ajudar, e que não tenham medo do contágio. Isto tem deixado muitas pessoas sem assistência espiritual/religiosa, sem sacramentos ou rituais, o que também tem afectado fortemente as suas famílias.

Mauricio Toro 3Como se aplica o conceito de “morte digna” numa situação em que muitos dias por semana há mais de uma centena de mortos por COVID e já não ficamos surpreendidos?

– Mauricio: No nosso hospital tentamos assegurar que cada paciente que morre seja tratado da forma mais humana e digna possível, num local apropriado, com cuidados paliativos e sem estar sozinho. No início costumávamos fazer videochamadas de despedida. Subsequentemente, tentámos assegurar que pelo menos um membro da família possa estar com cada paciente no momento da morte. Infelizmente, isto nem sempre é possível, uma vez que não é raro que toda a família esteja doente ou em quarentena. Sempre que possível, encorajámos a transferência do paciente para a sua casa, com o apoio da hospitalização domiciliária, de modo a que possa morrer rodeado pela sua família. Quando isto se consegue, tem sido muito curativo.

Ximena: Da minha perspectiva, prefiro falar sobre a dignidade da morte, uma vez que “morte digna” está hoje associada à eutanásia. A morte, tal como o nascimento, surpreende-nos sempre, ainda que seja a nossa única certeza. Ver pessoas a morrer por causa do COVID é muito difícil. São pessoas que já não estão aqui, que tinham uma biografia, sonhos, famílias… muitos morrem sem poder dizer adeus, pedir perdão, abraçar, dizer o seu último “Amo-te”, sem assistência espiritual e sem receber o Sacramento da Unção dos Doentes. Isto dói de uma forma particular. E é para eles que aqueles de nós que trabalham nos cuidados de saúde se devem esforçar por permitir que a morte ocorra, em cada pessoa, sem sofrimento físico, com a melhor qualidade de cuidados clínicos, acompanhados pelos seus entes queridos, permitindo-lhes expressar os seus desejos e valores, e com assistência espiritual/religiosa, se assim o desejarem. Daí o convite para discutirmos como queremos morrer, que não devemos ter medo de deixar as nossas famílias saberem o que queremos, e que elas possam então ajudar a que isso aconteça.

Como tem sido feita a relação, reconhecimento e confiança entre os próprios membros dos serviços de saúde, considerando que cada um deles é uma pessoa diferente e lida de forma diferente com o nível de stress e fadiga a que foram sujeitos no último ano e meio?

– Mauricio: Encorajámos o diálogo, a possibilidade de se expressarem sentimentos, dúvidas, medos e incertezas que sofremos. Tentamos encorajar fortemente o trabalho de equipa, com reuniões diárias para ver como está a correr a situação no nosso hospital e procurar soluções de acordo com o que foi discutido. Estas reuniões envolvem não só a direcção, mas também o pessoal de serviço, desde a primeira linha de cuidados. Desde o início da pandemia, fizemos visitas diárias às Urgências, juntamente com membros da comissão de ética, para avaliar casos complexos e ajudar a tomar as melhores decisões. Este apoio é prestado a outras unidades, conforme solicitado. Também realizámos cursos e workshops de auto-ajuda, bem como oferecemos apoio psicológico a quem o necessite. Isto tem sido muito apreciado e utilizado. Devo admitir que é sempre necessário mais, uma vez que a carga emocional e de trabalho tem sido muito intensa.

Esta pandemia mostrou-nos como a responsabilidade de todos na manutenção das medidas de auto-ajuda, incluindo a vacinação, é claramente um acto de amor pelos outros e não apenas por si próprio. Que mudanças notáveis viram ou experimentaram na nossa sociedade como resultado desta crise de saúde que devemos manter ao longo do tempo para aprofundar este comportamento de responsabilidade pelos outros?

Ximena: Penso que é muito notável que, a nível mundial, os países tenham trabalhado arduamente no campo científico para encontrar a melhor vacina, para encontrar tratamentos que ajudem a tratar melhor os pacientes, e o conhecimento tem sido partilhado de uma forma que nunca tinha sido visto antes. Isto, que é novidade, diz-nos que todos nos sentimos vulneráveis e precisamos uns dos outros.

A partir do nível local, penso que realçou a solidão dos idosos, e muitas iniciativas têm surgido para os ajudar. Esta pandemia, com o número de mortes que gerou, significou também que os Cuidados Paliativos assumiram um papel muito importante. As enfermarias em fim de vida que foram criadas nos vários hospitais exigiram equipas de Cuidados Paliativos para apoiar os outros profissionais com esta disciplina, que até há pouco tempo era quase desconhecida. Isto realça a necessidade de formação nesta área do conhecimento, que vai depois da humanização dos cuidados, especialmente nesta fase, em que a morte está tão presente de forma tangível. É também digno de nota que os jovens, hoje em dia tal como os adultos, se sentem vulneráveis, e muitos assumiram responsavelmente o apelo de serem vacinados por eles próprios e pelos outros.

Maurício: Tornou-se mais óbvio o que deveria ser sempre óbvio. Não estamos sós, e precisamos uns dos outros. Nas nossas casas, nas nossas comunidades, no trabalho, na cidade, estamos todos inter-relacionados. O que fazemos ou não fazemos afecta não só a nós ou ao nosso ambiente imediato, mas a todos, incluindo pessoas distantes. Esta consciencialização deve ser mantida. Especificamente nos cuidados de saúde, devemos manter a relação de apoio e integração entre o sector privado e público, bem como uma relação mais estreita dos hospitais com os cuidados primários. Acima de tudo, devemos manter uma consciência da urgência em melhorar as condições de vida, de cuidados e de saúde da nossa população, especialmente a mais vulnerável.

A pandemia significou que há também uma maior preocupação com familiares que estão longe do doente, e a importância da ligação entre o doente e as suas famílias foi revalorizada numa situação crítica na UCI?

– Mauricio: Sim, mas não tem sido fácil, dadas as restrições mencionadas e conhecidas.

Claramente o apoio da família é fundamental, incluindo as suas palavras de encorajamento e oração, além de ser uma parte vital na tomada de decisões, especialmente quando o doente não está em condições de o fazer. Por este motivo, fizemos um grande esforço para comunicar e informar diariamente as famílias dos nossos pacientes, que esperamos seja mantido e reforçado ao longo do tempo. Obviamente que há muito espaço para o crescimento nesta área, com base na experiência desta pandemia.

Vocês são schoenstatteanos inseridos na realidade com uma tremenda oportunidade de dignificar essa realidade do campo da saúde, que é tão difícil para muitas das pessoas mais negligenciadas do nosso país. Como assumem esta missão com os limitados recursos fornecidos pelo Estado?

Mauricio: Esta pandemia também mostrou as condições difíceis em que muitas pessoas vivem. As comunidades servidas pelo Hospital Padre Hurtado estão entre as mais vulneráveis do país, e isto reflecte-se na forma como esta doença afectou a nossa população. Fizemos um esforço para prestar os melhores cuidados possíveis, com a máxima seriedade e profissionalismo, compreendendo a grande responsabilidade de prestar cuidados de saúde dignos, oportunos e eficientes. Em qualquer caso, devemos reconhecer que foi feito um grande esforço por parte do Estado para cumprir esta missão. Tivemos recursos para implementar camas críticas (por exemplo, as nossas camas de UCI para adultos aumentaram de 6 para 54), com respiradores, monitores, bombas de infusão, medicamentos, fornecimentos de bens, contratação de pessoal extra e formação.

Ximena: Devido às características do meu trabalho, movo-me em realidades diferentes, uma com muita precariedade e a outra com muitos recursos. Creio que o fundamental é olhar para o paciente como uma pessoa, independentemente de onde se encontre, com a sua história, as suas necessidades, com a sua família. Para prestar os melhores cuidados, com pouco ou com muito. Vejam-no como um irmão que sofre, que tem medo. Ele deve sentir que estamos lá para o ajudar, que tudo será feito para o seu bem. Penso também que é muito notável como o MINSAL tem trabalhado para a integração do sistema, permitindo que clínicas privadas recebam pacientes de realidades diferentes, e quando lá estão são tratados com a mesma dedicação e os mesmos recursos, independentemente da sua situação económica.

Viram a Igreja e os Católicos a participarem de forma protagonista e corajosa nesta crise, como um apostolado e uma oportunidade para descobrir a Cruz e acompanhar outros Cristos nesta situação? Onde e como podem destacar isto?

– Mauricio: Basicamente no trabalho silencioso de muitos trabalhadores da saúde que se dedicam ao seu trabalho diário com consciência de missão, para serem os bons samaritanos do nosso tempo, cuidando, curando e acompanhando os caídos na estrada. O nosso capelão tem dado regularmente comunhão ao pessoal de saúde, bem como oferecido acompanhamento espiritual aos pacientes ou ao pessoal que dele necessita. Isto também tem sido feito, em todo o Chile, por muitos sacerdotes e pessoas consagradas de forma silenciosa, mesmo em situações muito adversas.

Ximena: Muitos apostolados surgiram, como diz Maurício, de forma anónima, desde a ajuda económica à entrega de bens, panelas comuns, até ao apoio aos empreendimentos daqueles que perderam os seus empregos. Também a oração permanente do povo crente. A responsabilidade social daqueles que não sofreram tão directamente com a pandemia levou a iniciativas para manter os empregos e fornecer ajuda monetária. Tem havido empresas que têm colaborado no fornecimento de bens aos hospitais com maiores necessidades. Gostaria de destacar especialmente os capelães de alguns centros de cuidados que, apesar das dificuldades e restrições, se mantiveram fiéis à sua missão de ajudar os necessitados, de acompanhar os que estão a morrer.

Que instrumentos do nosso carisma foram fundamentais para se cuidarem, como casal e família, física, emocional e espiritualmente, durante este tempo?

Ximena: Como ambos temos profissões na mesma área, partilhamos longas conversas, “tomamos o pulso” ao curso da pandemia, como ela afecta os doentes, as famílias, os nossos estudantes. Reflectimos juntos sobre como podemos fazer melhor, também quando cometemos erros. Apoiámo-nos um ao outro. É Maurício quem tem tido a maior responsabilidade e pressão do trabalho. Como família, esperamos por ele com uma casa acolhedora, boa comida, boas refeições e, na medida do possível, aproveitamos o tempo desportivo para dar um passeio, subir colinas, conversar. Tem sido um tempo de muito diálogo, de discernimento, de procura da vontade de Deus em todas as situações que tivemos de viver. Mantemos o nosso trabalho de curso da União dos Casais, trabalhando especialmente na Carta Samaritana Bonus da Congregação para a Doutrina da Fé, no cuidado das pessoas nas fases críticas e terminais da vida, e na Encíclica Fratelli Tutti, sobre fraternidade e amizade social, que nos ajudou a dar um olhar de fé a este tempo, em que por vezes nos sentimos órfãos, e sentimos novamente que Deus e a Mãe nos tomam pela mão, e nos recordam que temos uma missão que temos de cumprir. Também tem sido muito importante fazer parte do Conselho da Região da Imaculada da nossa União. É uma comunidade muito coesa, com uma grande força motriz. Juntos promovemos iniciativas que permitiram à região reflectir, rezar, apoiar diferentes iniciativas, ter a nossa Eucaristia por Zoom, em suma, tantos momentos que nos ajudam a sustentar-nos e a saber que somos e pertencemos a uma grande comunidade. Espiritualmente, temos rezado muito e temos sido fiéis à Eucaristia, onde embora não possamos fisicamente receber a Sagrada Comunhão na Missa, fazemo-lo espiritualmente. Todas as manhãs, no início do dia, rezamos juntos no Santuário-Lar, confiamos as nossas famílias, especialmente os nossos filhos, dois dos quais também trabalham na saúde, os nossos amigos, os doentes (há sempre alguém novo para confiar), por aqueles que morrem, rezamos pelo nosso país e pelo mundo. A consagração diária tem sido fundamental, onde rezamos para que a força da Aliança de Amor nos permita ser verdadeiras testemunhas de esperança neste momento tão difícil.

Mauricio ToroFonte: Revista Vínculo, Chile, Julho de 2021. Com autorização

Original: espanhol (24/7/2021). Tradução: Lena Castro Valente, Lisboa, Portugal

Etiquetas: , , , , , , , ,

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *