Colocado em 2015-03-22 In Em Aliança solidária com Francisco

As tangerinas para o Papa Francisco

Por Leti e Martín Pereira, Paraguai

 

Nas pequenas coisas do cotidiano, nossa Mãe, a Virgem Santíssima, nos presenteia as melhores bênçãos ou, como costumava dizer o Sr. João Pozzobon, “A Mãe já tem tudo organizado”. Somos Leti e Martín Pereira, casamos há quase 8 anos,; somos de Asunción, os pais de Mariana, a criança das tangerinas para o Papa, que vai completar 5 anos, e de Juan, de 11 meses. Somos missionários da Campanha da Mãe Peregrina de Schoenstatt, e pertencemos à União Apostólica das Famílias, no curso 25. Martín, engenheiro agrônomo, trabalha na fazenda de sua família, dedicando-se à produção agrícola. Ali existem várias árvores de laranjas e tangerinas, mas não com fim comercial. Quando dão frutos, juntamos várias caixas e as presenteamos a familiares, amigos, vizinhos, pediatra das crianças… levamos também a alguns orfanatos e a um reformatório para menores.

 

Assumimos como apostolado a organização da peregrinação da Campanha da Mãe Peregrina a Santa Maria/Brasil, que é realizada uma vez por ano. Antes do nascimento de nossos filhos, íamos os dois; pouco depois de Marina nascer, ela foi conosco e continua indo, todos os anos. Em 2014, nasceu Juan Martín e, como nos anos anteriores, fomos novamente em família; ele tinha apenas 6 meses – foi o peregrino mais novinho do grupo.

 

Nosso Schoenstatt é aqui, em Tuparendá

En Santa Maria

Um tempo atrás, tínhamos dúvida de onde festejar o jubileu do Movimento. “Vamos para Alemanha, para vivenciar a grande festa do jubileu internacional? Ou ficamos aqui, com nossa gente, no Paraguai?”. Pensamos muito e finalmente nos decidimos. “Nosso Schoenstatt é aqui, em Tuparendá”; com isso, terminaram as dúvidas e começamos a trabalhar para nossa festa, no ano jubilar! Como já há quase 4 anos, nos encarregamos da recepção e censo de todas as Imagens Peregrinas da Campanha da Mãe Peregrina nos três Santuários que existem no país: no total, existem pouco mais de 10.500 imagens peregrinando por todo o Paraguai.

 “Eu também quero que o Papa me pegue no colo e quero levar-lhe tangerinas de presente”

Entrando na história das tangerinas, temos que voltar um pouco no tempo. Em meados de 2013, realizou-se a Jornada Mundial da Juventude, no Rio de Janeiro. Tínhamos muita vontade de ir para ver o Papa Francisco; claro que toda família iria. Depois de muito pensar, decidimos não ir, por causa da quantidade de pessoas que haveria e também por nossa filha ser ainda tão pequena. Porém, pensamos: “Não tem importância; nos encontraremos com o Papa em outra ocasião”; e nos conformamos em acompanhar todo o evento pela televisão. Em um daqueles dias, vê-se quando o Papa Francisco entra em uma favela do Rio de Janeiro, pega um menino no colo e lhe dá um beijo. Mariana, que então tinha 3 anos, nos diz aos gritos: “Olhem, olhem, o Papa pegou esse nenê” e continuou dizendo: “Eu também quero que o Papa me pegue no colo e quero levar-lhe tangerinas de presente!”. Que gesto generoso e inocente… pensar em levar presente para o Papa, querer levar-lhe umas frutas de presente!

O atuar da MTA foi muito rápido. No domingo daquela semana, nos reunimos com a família na casa dos avós Pereira. Um sacerdote de Schoenstatt, Pe. Gerardo Carcar, que nós não conhecíamos, era convidado para o almoço; ele é de Córdoba e estava de visita no Paraguai. Ficamos responsáveis de buscar o padre no Santuário Jovem. Já na casa dos avós, conversamos muito sobre a Campanha da Mãe Peregrina no Paraguai e outras coisas do Movimento. Durante o almoço, contamos a simpática reação de Mariana e as tangerinas para o Papa. Todos riram e a conversa logo mudou de tema. Quando terminou o almoço, levamos o Pe. Gerardo de volta; no caminho de volta, com seu tom característico, ele disse: “Sabem? Gostei da história de Mariana e das tangerinas”; e continuou dizendo: “Vamos levar as tangerinas para o Papa”. Surpreendidos, perguntamos: “O que? Como fazer isso acontecer?”. “Sim, quero que Mariana leve as tangerinas para o Papa; vocês poderiam levá-la para Roma?”, Pe. Gerardo nos perguntou; e contou que, há pouco tempo, tinham-no escolhido para a organização da audiência de 25 de outubro em Roma, por ocasião do jubileu do Movimento. Além disso, o motivo de entregar esse presente ao Papa naquele dia será que o Padre Kentenich, certa vez, plantou uma semente em terra fértil e que ainda hoje continua dando muitos frutos no mundo, o que se encaixava perfeitamente com as tangerinas. Podem imaginar? Nossa filha, junto com o Papa, em Roma. Não podíamos acreditar que daria certo, para nós parecia um sonho.

Sr. João, queremos ir como família ao encontro do Papa

Em setembro de 2013, fizemos nossa peregrinação anual para Santa Maria. Trabalhamos muito na organização; saímos em dois ônibus, com 130 peregrinos. Ali, passamos dias maravilhosos e de intenso trabalho. No terceiro dia de peregrinação, visitamos o túmulo do servo de Deus, iniciador da Campanha da Mãe Peregrina, Sr. João Luiz Pozzobon, que está em processo de beatificação. Ali, lhe fizemos um pedido: Sr. João, queremos ir como família ao encontro do Papa. Agarramo-nos todos a Mariana; agora o pedido era “ir em família” – e colocamos o pedido na talha.

Em março de 2014, recebemos um e-mail de David Pereira, encarregado do audiovisual do jubileu; na mensagem, ele nos disse que uma equipe de produção viria ao Paraguai para documentar o tema das tangerinas. Que alegria! Era o primeiro contato que tínhamos sobre o assunto, depois da primeira conversa com o Pe. Gerardo. O casal Patiño, coordenadores da Campanha da Mãe Peregrina no Paraguai, foi o primeiro a saber de nossa ida a Schoenstatt e a Roma, com a peregrinação que sairia dia 12 de outubro. O casal compartilhou nossa alegria; mas eles nos disseram que não havia outra pessoa que poderia se encarregar do censo, que seria melhor se ficássemos…

 

No mês de julho, chegaram Alejandra e Boris, chilenos, que gravariam a cena das tangerinas de Mariana para o Papa e também as Missões Familiares de Schoenstatt no Paraguai. Mariana estava feliz; com seus 4 anos, diariamente falava do Papa; dizia que o Papa era seu amigo e que ela precisava levar-lhe tangerinas. Porém, os produtores nos disseram que nada ainda estava resolvido a respeito das tangerinas. Naqueles dias, telefonamos para David Pereira: “Não é uma pressão, mas temos que trabalhar no Paraguai em 18 de outubro. Se não pudermos entregar as tangerinas para o Papa, é melhor ficarmos por aqui”. Para David, foi fácil resolver: “Se vocês têm que ficar aí, fiquem para trabalhar no dia 18 e no dia seguinte sigam direto para Roma, para audiência com o Papa e depois podem ir para Schoenstatt”. Problema resolvido, assim faremos.

 

Com a Imagem Auxiliar do Paraguai

150320-03-mandarinasEm todos os momentos, pensamos: o que o Sr. João faria se estivesse em nosso lugar? Sim, claro, vamos levar conosco a Imagem Auxiliar Nacional da Campanha da Mãe Peregrina; de alguma forma, vamos conseguir que o Papa a abençoe e, com ela, abençoe cada missionário da Campanha no Paraguai. Podem imaginar? Fazer uma viagem tão longe com uma criança, um bebê de 7 meses, as malas e a Imagem grande da Campanha da Mãe Peregrina.

Alguns meses antes, já estávamos prontos para ir a Roma, sentindo uma emoção tão grande que é muito difícil descrever, quando nos avisam que não seriam passados os vídeos no momento em que o Papa estivesse no salão; só seriam passados antes que ele entrasse; portanto, Mariana não entraria para entregar as tangerinas de presente. Ficamos muito tristes… Em um daqueles dias, Mariana falava de como entregaria as tangerinas e tivemos que dizer-lhe: “Filha, parece que você não vai entregar as tangerinas para o Papa”. Sua resposta fez nosso coração doer; chorando, ela falou: “Como não vamos levar-lhe as tangerinas? As tangerinas são importantes, têm vitaminas”. Rezamos com mais força e confiança ainda; pedimos ao Sr. João que intercedesse, que, por favor, nos levasse em família ao encontro do Papa Francisco. Em troca, prometemos rezar todos os dias pela causa de sua canonização.

Os dias 17, 18 e 19 de outubro foram inteiramente entregues para a Mãe, com todas nossas forças, na Casa do Peregrino, em Tuparendá. Tudo saiu excelente nos três Santuários; percebia-se a alegria em todos os presentes. Somos eternamente gratos à Mãe de Deus por nos dar o privilégio de fazer parte da geração do centenário. Fizemos o censo: pouco menos de 5.000 Imagens Peregrinas e, nem bem terminamos o censo, saímos para a viagem.

Tuparenda, 18.10.2014

Representando toda a Campanha

Partimos para a Itália acompanhados pela Mãe, porém já sem muitas ilusões a respeito do assunto em relação ao Papa, até que, um dia antes da audiência, 24 de outubro, recebemos um e-mail no qual nos falavam que deveríamos nos apresentar naquela mesma tarde para o ensaio geral da audiência. Não conseguíamos acreditar. Fomos às pressas para o Vaticano, sem saber bem para quê. Quando nos apresentamos aos seguranças da Sala Paulo VI, dissemos nossos nomes e eles nos responderam: “Aqui na lista há uma Martín peregrina, podem entrar”. Já no ensaio, nos dizem para entrarmos em família no início do evento, em procissão, com a Imagem original da Campanha da Mãe Peregrina, a mesma Imagem que o Sr. João Pozzobon carregou durante 35 anos… Foi algo inacreditável: quando pedimos ao Sr. João que intercedesse, não imaginávamos que poderia fazê-lo de tal forma. “Que ‘exagerado’ o senhor é, Sr. João”; dizíamos o tempo todo: “Obrigado, Sr. João”. Uma imensa honra para nós representar toda a Campanha da Mãe Peregrina do mundo todo, nesse momento tão importante do jubileu do Movimento.

Terminado o ensaio, ainda ajudamos muito na organização; ficamos até a meia-noite preparando o local. Em agradecimento e para que o Papa pudesse abençoar a Imagem Auxiliar do Paraguai, nos deram lugares privilegiados, quase na frente, e bem no corredor da Sala Paulo VI, por onde o Papa entraria.

 

Chegou o grande dia; nervos à flor da pele, uma mistura de alegria e medo… Naquele momento, sentíamo-nos as pessoas mais amadas pela Mãe e por seu Filho; nós, levando-a para ser festejada; levando Maria, para que toda aquela multidão pudesse vê-la; subimos e a colocamos em seu trono de Rainha.

 

Apenas um segundo que pareceu dez minutos

Copyright: Foto Felici, Roma - permission given exclusively for schoenstatt.org

Depois, entrou o Papa Francisco… Depois de saudar todas aquelas pessoas, ao longo do corredor central que parecia interminável, ele se aproximou de nós, nos olhou e nós lhe dissemos: “Santo Papa, esta é a principal Imagem do Paraguai”; ele a observou detidamente e a abençoou. Foi apenas um segundo que pareceu dez minutos. Naquele momento, nos lembramos de tantas pessoas, tantos missionários, tantas famílias, tantas comunidades… Missão cumprida, dissemos. Depois, o Papa deu um beijo em nosso filho Juan Martín, o que já foi um presente extra enviado do céu; sentimo-nos como a família mais abençoada do mundo. A audiência foi maravilhosa; cada palavra do Papa foi bonita; sua alegria, senti-lo feliz, como com sua gente, como entre família; tudo durou quase duas horas.

Foto Felici, Roma - Copyrigjht. Permission given exclusively to schoenstattl.org

Depois, lembramos que estávamos ali graças à Mariana e seu sonho de entregar tangerinas ao Papa e que não tínhamos conseguido que o Papa a cumprimentasse. Além disso, durante o tempo, ela segura em suas mãos as tangerinas. E não apenas isso; durante a audiência, o Papa falou de um conto de um povo e suas tangerinas. Naquele momento, Mariana nos pede para correr ao encontro do Papa e entregar-lhe as tangerinas; porém, quando estava correndo, um dos seguranças a deteve e a pobrezinha voltou para o seu lugar, chorando amargamente. Hoje, ao ver a foto daquele maravilhoso momento, não podemos evitar a tristeza, ao olhar sua carinha: Martín com a Imagem Auxiliar, Leti com Juan Martín nos braços e Mariana sozinha com suas tangerinas.

150320-08-mandarinas

O Papa virá ao Paraguai

Todos os dias vividos em Roma foram dias de sonho, que ficarão em nós para a vida toda: encontrar tantas pessoas de Schoenstatt de todas as partes do mundo, andando pelas ruas; nós nos cumprimentávamos como se já fôssemos velhos conhecidos. Nós reviveremos aqueles dias de festa schoenstattiana talvez com a canonização do Padre Kentenich ou do Sr. João. Deus queira que seja logo.

 

Três meses depois, lemos as notícias que chegam pelo celular: que o Papa Francisco virá ao Paraguai. Mostramos a notícia para Mariana, dizendo-lhe: “O Papa virá ao Paraguai!”. Sua terna resposta foi: “E o Papa mandou a mensagem para vocês?”.

 

Há uns dias, escrevemos ao Papa Francisco para dizer-lhe que todos os dias rezamos por sua fortaleza física e espiritual e lhe dissemos também que as tangerinas do Paraguai são as mais doces do mundo, assim como os paraguaios… E já que falamos de sua fortaleza física, como disse Mariana: “as tangerinas são muito importantes porque têm vitaminas”.

 

Original em espanhol. Tradução para o Português: Maria Rita Fanelli Vianna – São Paulo / Brasil

150320-05-mandarinas

Etiquetas: , , , , , ,

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *