Zukunft

Posted On 2022-02-15 In Artigos de Opinião

Quero tudo, ou talvez prefira ter apenas um pouco

M. B. Oelschner, Alemanha •

Quero tudo / Não quero ser espectador / Quero fazer alguma coisa eu próprio / E saber sempre porquê / Não vou ceder / Quero tudo.Esta velha canção de Gitte (álbum: Ungeschminkt, 1982) vem-me à mente quando reflicto sobre os resultados da votação do “Synodaler Weg” (Caminho Sinodal) sobre as questões do sacerdócio feminino: No documento final do “Documento Sinodal”, cerca de 81% – tanto leigos como Bispos – votaram a favor do sacerdócio feminino, e cerca de 79% votaram a favor do diaconado feminino.

Que não haverá sacerdócio para as mulheres na Igreja Católica Romana num futuro previsível é claro. O Papa João Paulo II não deixou dúvidas a este respeito na sua Carta Apostólica. Obviamente, esta porta permanecerá fechada durante um período de tempo indefinido. Porquê agitar-se desesperadamente de acordo com o slogan “Eu quero tudo”?

Tempo suficiente para atrasos intermináveis

Mas não estará a esgotar-se o tempo para as igrejas locais na Europa e na América Latina? Será realmente sensato, de um ponto de vista pastoral, concentrar-se no sacerdócio das mulheres quando existe a possibilidade de “viri probati” (homens maduros de vida comprovada), ou seja, ordenação sacerdotal para homens casados de vida comprovada?

A lei da igualdade perante Deus de homens e mulheres não é afectada: o de longa data teólogo pastoral e director executivo de MISEREOR Josef Sayer refere-se à frequentemente citada Epístola aos Gálatas sobre a igualdade de todos e diz sem rodeios: “Deste ponto de vista, parece-me francamente ridículo que não seja permitido às mulheres ler o Evangelho na Missa ou que não seja permitido às mulheres capazmente formadas pregar”.

Discussões desde há mais de 100 anos

É claro que tem razão, diz a maioria das mulheres, pelo menos nos países de língua alemã. A questão do diaconado feminino tem sido discutida desde há mais de 100 anos, pelo menos na Alemanha. Por exemplo, a “Associação de Mulheres Diáconos Católicas” existe desde 1908. St. Edith Stein disse laconicamente: “Dogmaticamente, parece-me que não há nada contra isso”.

O Concílio Vaticano II conseguiu ao menos estabelecer o “Diaconado permanente para os homens”. Mas quando se trata do Diaconado das mulheres, as coisas tornam-se difíceis – e não só do ponto de vista da lei canónica! É verdade que, entretanto, não só os teólogos mas também os leigos interessados sabem que existem Diáconos mulheres desde o início da Igreja. Torna-se difícil quando se trata da questão de quais foram as tarefas no passado e, portanto, também para o futuro. O Papa Francisco quis aparentemente pôr fim às disputas teológicas, criando uma Comissão Teológica sobre esta questão.

Reuniu-se pela primeira vez em 2016 – mas até hoje os especialistas em teologia não sabem se a ordenação das mulheres como diáconos “foi uma ordenação com a mesma forma e finalidade que a dos homens”, disse o Papa no ano passado, acrescentando que a Comissão tinha discordado especialmente sobre a sacramentalidade da ordenação de diáconos. Ao mesmo tempo, contudo, encorajou a Comissão – com alguma impaciência – a continuar o seu trabalho. A professora dogmática Margit Eckholt, contudo, considera decisivo saber se o diaconado das mulheres adoptava a forma de uma bênção ou do sacramento da ordenação.

Barbara Hallensleben, também professora de dogmática e nomeada para a Comissão pelo Papa Francisco, é muito reservada. Tal como outros teólogos, ela aponta para as várias fontes históricas, que estão longe de ser claras, e prefere falar de “diaconia”. Isto poderia ser entendido como todos aqueles que “colocam as suas vidas ao serviço da Igreja e podem exercer um Ministério de liderança, homens e mulheres, em virtude de uma vocação reconhecida pela Igreja”.

O Papa abriu amplamente as portas da Igreja com a sua carta “Querida Amazónia“, na qual propôs que questões importantes fossem também discutidas e decididas nas Igrejas locais. Portanto, luz verde para o Caminho Sinodal! Isto aplica-se a esta questão e também aos sul-americanos que se queixaram durante o Sínodo Amazónico que o cristianismo estava praticamente a evaporar-se devido à falta de pessoal.

misiones

As missões do Movimento de Schoenstatt na Argentina, Paraguai, Chile e outros países da América Latina chegam às comunidades sem sacerdote

O Culto Divino – uma administração da escassez

Pude testemunhar isto brevemente há alguns anos atrás: o Padre Filippo tinha-se encarregado de cuidar dos mais pobres entre os pobres. Para ele, isto incluía os leprosos que tinham sido expulsos pela sociedade e que viviam escondidos em pequenas aldeias ao longo do rio Mamoré. Os seus convidados alemães não se opuseram a uma viagem “romântica” numa velha casa flutuante a Guajamarín. Quando o barco ancorou perto de uma aldeia no sábado à tarde, as crianças e as mulheres logo chegaram. Quando Don Filippo então explicou que queria celebrar a Santa Missa com os aldeões no Domingo de manhã, houve uma confusão total: muitos abanaram a cabeça, dizendo: “Não, impossível”. Finalmente, uma mulher tomou coragem e resolveu o mistério da razão destas recusas quando disse: “Nem pensar, já tivemos uma Missa este ano!

Uma Missa por ano! Nunca esqueci que, embora o Bispo Eugenio Coter, Administrador Apostólico de Pando, possa facilmente ultrapassar essa afirmação. Fala de paróquias que não têm uma Missa há 18 anos.Os catequistas, muitas vezes mal formados, fazem o que podem para manter uma espécie de “cristianismo de base”. As diaconisas não poderiam celebrar a Santa Missa, mas poderiam dar a Comunhão e administrar sacramentos como o Baptismo, o Matrimónio e a Unção dos Doentes. Que vasto campo também para nós mulheres do Movimento de Schoenstatt…

Misiones in Paraguay

Missões numa zona rural do Paraguai

Original: alemão (13/2/2022). Tradução: Lena Castro Valente, Lisboa, Portugal

 

 

Tags : , , , , , , , , ,

Leave a Reply

Your email address will not be published.