Colocado em 2019-01-27 In JMJ Panama 19

Cumpriu a sua promessa: o Papa Francisco visita os jovens de Cuba na JMJ Panamá 2019

JMJ2019, Maria Fischer e Pe. Jorge Andrés Rubido, com material da Sala de Imprensa da Santa Sé e ACIprensa•

“O Papa Francisco visitou os jovens cubanos”, comenta o Pe. Jorge Andrés Rubio. O Papa cumpriu a sua promessa. Na sexta-feira, 25 de Janeiro, os cerca de 450 peregrinos que vieram de Cuba para participar na Jornada Mundial da Juventude (JMJ) foram surpreendidos pelo Papa Francisco que, os foi visitar à escola onde estão hospedados para, os cumprimentar e convidar a que, quando regressarem ao seu país, o façam “com alegria, como peregrinos”.—

Os jovens cubanos participavam numa Missa nas instalações da Escola das Escravas do Sagrado Coração, onde se hospedam estes dias no Panamá e que, fica muito próxima da Nunciatura. A Eucaristia estava a ser celebrada pelo Bispo de Bayamo- Manzanillo, Mons. Álvaro Beyra; que acompanha a delegação com Mons. Silvano Pedroso.

O Papa chegou no fim da Missa, deu a bênção e, fez uma breve saudação aos presentes. No encontro que durou cerca de 10 minutos, participaram, para além dos jovens, também dois Bispos cubanos.

A experiência deste encontro foi partilhada por Manuel Alejandro Rodríguez, membro do SIGNIS e da Pastoral Juvenil de Havana (Cuba). “Nós sempre albergámos a esperança de que, estando tão próximos, quem sabe, o Papa chegasse e assim foi”, afirmou.

Quando estava a terminar “o momento da Comunhão, o Papa chegou e deu a Bênção Final”, contou. O Manuel disse que, os jovens se emocionaram e que “as próprias monjas da Escola estavam agradecidíssimas pela visita do Papa”.

Depois da Missa, todos se aproximaram para cumprimentar o Papa que, partilhou com eles uma mensagem de paz, lembrando, também, a alegria com que foi recebido pelo povo cubano durante as suas visitas. Antes de se ir embora, deu-lhes a Bênção Apostólica e exortou-os a “não terem medo e a sonharem”.

Viemos ao Panamá para sermos confirmados na fé

A delegação que participa na JMJ Panamá 2019 é a mais numerosa na história da Igreja em Cuba. “Como Igreja particular em Cuba, é claro que, é um momento histórico, porque no Canadá (JMJ Toronto 2002) que foi a delegação maior, foram 200. Hoje, estamos a falar de mais de 500 cubanos e é uma imensa alegria em todos os sentidos”, afirmou.

No diálogo com a ACIprensa, o peregrino disse que, alguns membros da delegação, participaram nas anteriores JMJ, “mas para a imensa maioria é a primeira Jornada que vivem”.

São muitas emoções que são vividas por muitos que, pela primeira vez saem do país, mesmo que para participar numa JMJ. Então, para muitos tudo é novidade do ponto de vista cubano, vivencial mas, também, se sente esta carga espiritual profunda que, é o viver a universalidade da Igreja”, afirmou.

Nesse sentido, o Manuel assegurou que, quando regressarem a Cuba, partilharão as suas experiências com a comunidade à qual cada jovem pertence.

“De nada vale receber muito se não se partilha. Por isso, é um compromisso. Viemos ao Panamá para sermos confirmados na fé” e, ao regressarmos a Cuba “é chegar a cada uma das comunidades para se partilhar o que foi vivido, porque levamos histórias lindas das pessoas com quem convivemos aqui no Panamá que, são pessoas muito solidárias, muito simpáticas”, expressou.

Estas experiências também serão partilhadas na Jornada Nacional da Juventude que, terá lugar em Agosto, em Santiago de Cuba, “ onde, muitos mais jovens vão poder estar presentes e que não puderam estar aqui no Panamá”.

Em Aliança de Amor

Entre os jovens, estavam também 4 schoenstatteanos: dois rapazes e duas raparigas de várias Paróquias de Cuba que, tinham selado a sua Aliança de Amor dois dias antes na Paróquia de S. Francisco da Caleta.

 

Fotos: P. Jorge Andrés Rubido, Manuel Alejandro Rodríguez (Twitter).

Original: espanhol (26/1/2019). Tradução: Lena Castro Valente, Lisboa, Portugal

Etiquetas: , , , ,

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *