Colocado em 12. Outubro 2018 In Vida em Aliança

A vida schoenstattiana é abundante em Encarnación!

PARAGUAI, Laura Andrea Barrios Paredes •

Em março de 2017, no contexto de uma visita de María Fischer, fundou-se em Encarnación, Paraguai, aquela cidade paraguaia que estava no olhar do P. Kentenich desde Posadas, Argentina, o “Clube do Pai”, um grupo aberto de schoenstattianos e não schoenstattianos – jovens, profissionais, casais de todas as gerações — que se reúne uma vez por mês para fazer uma leitura espiritual partilhada de textos do P. José Kentenich. Entretanto, já são três: em Encarnación, em Fram e em Hohenau. A maneira de ler o P. Kentenich inspira-se na “Vaterlesung” desenvolvida na Academia de Famílias na Áustria e na Alemanha. —

No dia 14 de setembro de 2018, véspera do cinquentenário da páscoa do P. Kentenich, chegou de novo ao Paraguai, de Posadas, María Fischer, encarregada de Schoenstatt.org, e foi recebida pelo casal Zaracho Zárate, como sempre que temos a honra de recebê-la na nossa cidade. Desde a primeira vez que veio, desejou repetir o Olhar do Pai desde Posadas, República Argentina, e para ela é também uma via de acesso válida para ingressar no Paraguai.

Encarnación Schoenstatt

Terreno do futuro Santuário de Encarnación

Uma visita ao terreno do futuro santuário

Depois de uma reunião importante, dirigiu-se ao terreno do futuro santuário no sul da nação de Deus. Era a primeira vez que pisava essa terra, já que na vez anterior ainda não havia nem indícios da noticia que logo se conheceria e se converteria na maior alegria para toda a família. Ficou maravilhada pelo lugar, pensando no que viria a ser este terreno. Fez uma oração em redor de uma plantinha, débil mas erguida, à semelhança do futuro santuário, que quando crescer dará sombra e flores a quem o visitar. Em seguida tivemos um lanche antes da conferência prevista na Casita com o Clube do Pai, como avaliação e encerramento do Ano do Pai.

Encarnación Schoenstatt Kentenich

A surpresa… PK4U

Antes de iniciar o encontro, e com grande expectativa, tirou da sua mala aquilo que nos disse ser uma surpresa e que surpresa! Ao abrir um estojo de câmara fotográfica, tirou do interior um busto em bronze do P. José Kentenich, obra de arte realizada pelo artista Juan Fernández, chileno que vive na Alemanha. A primeira a pegar nele foi Sonia Zaracho, com grande alegria. O busto é bastante pesado e María trouxe-o da Alemanha numa mala de mão. Passou todas as alfândegas e aproveitou para partilhar com os guardas a vida do pai fundador, para que o conhecessem e por sua vez explicar-lhes o valor daquele busto perfeito do P. José Kentenich.

Entrámos então no salão, organizámos a conferência e iniciámos o encontro. As expectativas da conferência com María Fischer eram altas, desejávamos ouvi-la, já que é uma eminência. Deixa-nos sempre tantas lições e mensagens, que também participaram membros do Clube do Pai de Colonias Unidas e Fram. Mas ela iniciou o seu discurso dizendo: “Não vou dar una conferência porque desejo saber como viveram estes um ano e meses desde a minha última viagem e desde a formação do Clube do Pai, que é o primeiro em toda a América. Mas para começar quero explicar-lhes a história deste busto do P. José Kentenich, que não é casualidade que nos encontremos aqui na véspera do final do Ano do Pai e da bênção da estátua no Santuário Nacional de Tuparenda.”

Ela contou-nos: “Esta foi uma inspiração do Espírito Santo, de acordo com o pedido de uma amiga argentina há três anos, fiel aliada do pai fundador, não satisfeita com a imagem do P. Kentenich no santuário, disse que desejava uma estátua do pai para o seu santuário lar. Assim levei o pedido a Juan Fernández com muita emoção, mas a sua resposta foi apenas: “é muito difícil”. Isso, em parte, deixou-me com uma certa tristeza, mas pensei que talvez não fosse uma inspiração do Espírito Santo e assim esqueci-me do assunto, até que há uns dias Juan Fernández convidou-me a fazer uma entrevista em sua casa, porque tinha uma surpresa para partilhar. Ao terminar a entrevista levantou uma toalha que cobria três bustos idênticos, prototipos do PK4U, do P. Kentenich para o santuário lar. A minha surpresa foi enorme, pois já tinha perdido a esperança de que a ideia que lhe tinha apresentado pudesse ter resposta positiva.

A explicação dada pelo artista foi que, assim como conheceu e estudou o pai fundador, não podia fazê-lo pequeno, não poderia ‘reduzi-lo’, porque se perderiam os seus rasgos e ao pai não podemos reduzi-lo. Com as nossas vidas é que devemos mantê-lo vivo, sem o reduzir. Assim fê-lo o mais perfeito possível e só existem, até agora, três exemplares: Um em Espanha, outro em Costa Rica e o terceiro agora aqui no Paraguai. Confiando na Divina Providência, hoje quis estar connosco”. PK4U.

Os Zaracho com Maria Fischer

Ler o P. Kentenich tem o “efeito batata”

María recordou-nos (ou inspirou-nos a ler) o artigo sobre a batata alcunha de Juan Fernández por parte do P. Kentenich. Como a historia da batata, que representa o intercâmbio de corações no qual, como a batata ao ser descascada fica com vestigios da casca e até de terra, também na casca fica algo da batata.

Então a pergunta no seguimento desta explicação é: Como se viveu este ano ao ler o padre José, e quais foram as mensagens que ficaram? O que se sente ao lê-lo e como vamos crescendo nessa leitura Kentenijiana?

Todos concordamos em que a mesma leitura pode dizer diferentes coisas a cada um, inclusive ler o mesmo texto em outro momento pode dar-nos uma mensagem diferente. Também é verdade que ao lê-lo nos é infundido um amor mais profundo a Maria, a MTA, e a necessidade de aprofundar o conhecimento da vida e o carisma do pai.

Sempre algo do pai fica em nós, e sempre, no partilhar, algo de nós fica nas palavras do pai.

Ela quer estabelecer-se na nossa cidade

Neste ano do P. Kentenich, para além dos ateliers de aliança filial próximo a selar aliança, para além de lê-lo para o concurso “Conhecê-lo é amá-lo”, e o Clube do Pai (lemos este ano textos sobre o santuário recompilados por Mons. Peter Wolf no Ano da Corrente do Santuário em preparação do jubileu da Aliança de Amor), temos contribuído para o capital de graças para que seja queimado no dia 15 de setembro no Santuário Nacional como encerramento do Ano do Pai.

Além disso, estamos num momento de muitos presentes da Mater, pois compreendemos que ela quer estabelecer-se nesta cidade, desde o recente acontecimento da alocação do terreno com carácter de empréstimo por 90 anos. Assim é que, com a grande vontade de construi-lo, todos contribuem com capital de graças pela conquista espiritual e material.

Temos o primeiro desafio, que é a bênção da ermida para o 18 de outubro, e a verdade é que estamos muito felizes e esperando o momento de concretizá-lo.

Foi assim que terminámos a reunião, porque a jornada do dia seguinte se iniciaria com a viagem à capital para a festa do encerramento e bênção da estátua do Pai, mas não sem antes María me entregar o cargo de correspondente em Encarnación para Schoenstatt.org. O cargo encheu-me de alegria e temor, mas também de orgulho de poder ser instrumento nas mãos da Mater. Sempre em oração lhe repito, e perante tal oportunidade nem duvidei em dar-lhe o sim.

      Sim, não apenas porque sim,

      Mas porque eu junto a ti

      Encontro paz, sou muito feliz.

      Sim, mesmo que não entenda digo sim,

      Mesmo que não veja digo sim

      Tu elegeste-me, sempre sim…

Com esta canção do sim ¡aqui estou, e sei que a Mater cuidará!

Club do Padre Kentenich

Fotos: Jhonny Zaracho, Maria Fischer

Original: espanhol.05.10.2018. Tradução: Maria de Lurdes Dias, Lisboa, Portugal

Etiquetas: , , , , , , ,

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *