Colocado em 13. Outubro 2018 In obras de misericórdia, Projetos

O coração de ouro da cadeia de menores de Itauguá

PARAGUAI, María Fischer

Não se cancela por causa da chuva. Nem sequer se cancela pela chuva torrencial que transformou em minutos, caminhos em riachos e que fez suspender muitas outras conferências e reuniões. Ao meio-dia em 16 de setembro, o primeiro dia após o 50º aniversário da morte do Padre Kentenich, como todos os domingos, o Padre Pedro Kühlcke saiu de Tuparenda caminho a cadeia de menores em Itauguá para visitar aos jovens e celebrar a Missa dominical na humilde capela da prisão. Cristo, o Senhor, saiu à periferia, para fazer-se presente no pão e no vinho entre os mais abandonados. Que privilégio poder estar onde ele quer estar neste domingo.

Molhados e sujos depois de caminhar por mais de duas horas todos os pavilhões da cadeia de menores, molhados e sujos como os 10 ou 15 jovens que chegam para celebrar a santa missa, nos encontramos na capela. É a minha primeira missa nesta prisão que já visitei quatro vezes, a prisão onde tomei o primeiro tererê da minha vida, e onde neste domingo conheci o tererê russo (feito com algum tipo de suco … e muito amor). Enquanto dois dos jovens, com muito entusiasmo e gentis indicações do Padre Pedro, montavam o altar e vestiam-se de branco, veio à minha mente algo que o Padre Pedro mencionou algumas horas antes em sua palestra para a Juventude Masculina sobre a Pedagogia do Pe. Kentenich aplicada na periferia, isto é, na Pastoral Carcerária e na Casa Mãe de Tupãrenda: a pedagogia da confiança que faz com que nós e os jovens acreditemos que eles têm um coração de ouro, apesar de tudo o que fizeram e apesar de tudo o que as próprias famílias e a sociedade lhes fizeram sofrer. Esses dois servidores do altar, em seus vestidos brancos, que agora se parecem anjos e sorriem como crianças, roubaram telefones celulares para drogar-se e acalmar fome, fome de pão e fome por um pouco de felicidade ou pelo menos esquecer uma realidade muito dura.

Toda a família na cadeia

Lembro-me do primeiro rapaz que abraçamos na chegada, a quem chamaremos de Ali. Chegamos na hora da vista, em cada canto se via jovens com suas namoradas, com seus pais ou irmãos, que levavam suco, pão, doces e um pouco de afeto, acolhimento. “Você não tem visita?”, Perguntou o Padre Pedro. Ali respondeu em voz baixa: “Não, ninguém”. Onde estão? “Meu irmão também está na cadeia após o roubo, Padre … Minha mãe e minha irmã estão no Bom Pastor (prisão feminina). A droga, você sabe … Ninguém pode me visitar, Padre “. Nós visitamos você, Ali. Não levamos nada além de nossa presença, nosso abraço, nossa escuta,umas palavras que parecem tão pobres diante de tanta dor e abandono. “Quantos meses ainda vai estar aqui?”, Perguntou o Padre Pedro. “Seis”, disse Ali. “E o que você quer fazer quando sair?”Trabalhar em Tuparenda e fazer uma vida diferente “.

Nós ouvimos isso muitas vezes mais. Tuparendá, a Casa Mãe de Tuparenda , dá a muitos desses jovens uma perspectiva para o dia em que eles saem da cadeia. “Antes eles não sabiam para onde ir. Padre, como parar a droga se minha mãe é traficante do bairro, me comenta um “, disse o Padre Pedro. “Eles saíram para voltar para a prisão porque ninguém lhes dava um jeito de viver sem drogas ou roubos.”

Oremos pelas vítimas dos nossos crimes

A Santa Missa foi realizada, aqui nesta simples capela, dentro da prisão juvenil. É um pouco de uma missa para crianças com canções simples que podem ser decorados, um pouco de catequese da missa, mas é mais que nada a celebração da saída do Filho de Deus para a periferia. Este domingo, 16 de setembro, houveram missas solenes em templos preciosos, missas com coros maravilhosos, e hinos que te elevam ao céu … mas esta, minha primeira missa em uma prisão, eu achei o mais solene, emotiva e profunda que eu vivi nos últimos anos. Nada de essas petições pré-formuladas. Os jovens pediram pelas mães, pelos pais, pelos irmãos. Eles pediram pelos presos, os doentes, os solitários, e eles fizeram isso com seriedade porque eles os conhecem …

Meu Deus! Eles pediram pela “Tia Maria e aqueles que trabalham com ela para que nossas história se publiquem em sua pagina web”. Eles pediram pelas vítimas de seus roubos, de seus crimes. Um momento quase no poder de respirar.

Jesus veio para estar com eles. A oração de consagração em que se realiza o grande milagre da transformação do pão e do vinho no corpo e no sangue de Jesus; aqui na cadeia, no meio dos mais esquecidos e abandonados. É esse mesmo Jesus que nasceu em uma manjedoura e morreu por nós na cruz. Jesus está presente em sua totalidade; em seu corpo, seu sangue, sua alma e sua divindade. É o coração de ouro desta prisão para menores, o coração de ouro não só para os presentes, mas para todos.

cárcel de menores Schoenstatt Kentenich

A Santíssima Mãe na porta da cela

No final da missa, rezamos à “Mãe que nunca nos abandona” – é o título da Santíssima Mãe aqui neste lugar de abandono. Enquanto os jovens se despediam com abraços para retornar às suas celas, eu pensei que esta cela onde conversei muito tempo sobre cinco jovens, enquanto o Pe. Pedro estava com Manuel que “tinha que falar com o Padre” (confessar).

Na porta, colada com fita, a imagem da Santíssima Mãe.

Ela nunca os abandonará.

cárcel de menores Schoenstatt KentenichTodos os sábados, a equipe da Pastoral Carcerária faz um lanche para os mais de 100 jovens da penitenciária juvenil.

Original: Espanhol. 30 de setembro 2018. Tradução: Glaucia Ramirez, Ciudad del Este, Paraguai

Etiquetas: , ,

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *