Misiones Familiares pandemia

Colocado em 2021-12-21 In Missões

Missões Familiares 2022 – no contexto da pandemia

CHILE, Denise Ganderats •

O Verão está a chegar, as viagens, as férias, e as missões? Há vários meses que nos colocamos esta questão… e não é uma questão de “chegar e programar”. Todos nós sabemos quantas coisas, quantos acontecimentos, quantas reuniões caíram no esquecimento e, não puderam ter lugar por causa da pandemia de coronavírus. Em 2020, foi cedo tomada a decisão de suspender as Missões Familiares 2021 porque as condições não estavam asseguradas; mas este ano, à medida que avançamos com o Plano Passo a Passo, as expectativas e as possibilidades estão a abrir-se para as podermos fazer… – O que significa isto? —

O que é que isto implica? Claro que já não é uma questão de chegar, organizar e convidar. Agora temos de ter em conta uma série de condições, protocolos, capacidade, fases em que se encontram os locais a serem missionados, etc. Além disso, há sempre a questão: “Estarão as pessoas para quem vamos em missão dispostas a abrir-nos as suas portas, a acolher-nos, a participar nos workshops e nas actividades? Esta resposta está ainda pendente. Talvez possamos contar-vos estas experiências num futuro próximo. Por agora, dar-vos-emos uma sinopse do que tem sido o trabalho deste tempo.

Ir em missão é ser Schoenstatt em saída

Falámos com Cristián Recabarren, que se coordenou com os chefes dos diferentes grupos de Missões Familiares no Chile antes da pandemia, para nos conhecermos e para nos ajudarmos uns aos outros. Puderam conhecer as vivências uns dos outros, enriquecer-se mutuamente nas experiências, nas dificuldades e nos desafios que, encerram as missões nos diferentes lugares e, ao mesmo tempo, reconhecer que todos os grupos são diferentes e que são chamados, na sua originalidade, a ser missionários.

O encontro que tivemos antes do início da pandemia, em 2019, foi uma resposta à necessidade que, surgiu no Movimento de ser um Schoenstatt em ‘saída’. Neste sentido, as missões são uma contribuição muito concreta. A ideia é que os diferentes grupos de Missões Familiares estejam em contacto – existe um grupo WhatsApp – e pode ser gerado um diálogo que permita partilhar experiências e vivências comprovadas, coisas práticas sobre as próprias missões, e desta forma enriquecer o trabalho dos diferentes grupos, respeitando o estilo próprio de cada um”.

Os grupos das Missões Familiares no Chile são: Santiago, La Serena, Valle Hermoso (Colina), Buin, Curicó-Talca, Puerto Montt, Agua Santa, Los Pinos, Instituto de Familias. O número de pessoas é muito variável e depende de cada grupo. Existem alguns grupos com cerca de 120 missionários (com 10 ou 12 famílias naturais) e outros com cerca de 40 missionários (5 famílias naturais).

O que são as Missões Familiares?

O que são as Missões Familiares, como estão organizadas, o que é que fazem? Cristián Recabarren explica: “As Missões Familiares são um apostolado que reúne um grupo de famílias que se deslocam a um determinado lugar (cidade, povoação, sector, etc.) para desenvolver um programa de trabalho de acordo com o que foi discutido com o pároco e as necessidades pastorais do lugar a ser missionado. Os missionários permanecem em escolas e liceus, pelo que, geralmente, há coordenação com os Municípios locais. Geralmente, vão em missão durante dois ou três anos para o mesmo local”.

“As Missões Familiares estão organizadas em famílias naturais, que são os casais que, vão com os seus filhos e os amigos dos seus filhos, e as famílias missionárias, que são as famílias que trabalham juntas durante as missões. Normalmente, as famílias missionárias não vão em missão com os seus próprios filhos, excepto os mais novos”.

Misiones Familiares pandemia

Missão para dentro e para fora

Nas missões há uma missão interna e uma externa. A missão interna é aquela que é realizada no seio do grupo missionário, sob um lema que anima a missão e são realizadas diferentes actividades de formação, especialmente dedicadas aos jovens, com temas do seu interesse e temas fraturantes: há palestras, testemunhos, momentos de oração, reflexão, trabalho de grupo, jogos e dinâmicas, etc.

A missão externa, por outro lado, é o trabalho organizado para a comunidade a visitar: missão porta-a-porta, workshops para jovens e adultos, procissão da Virgem Maria, espectáculo de teatro-bingo-show de talentos, etc. “Tudo isto tem lugar com uma intensa vida litúrgica e de oração, bem como dinâmicas lúdicas que, animam e vitalizam os diferentes momentos das missões. Isto permite-nos gerar uma atmosfera muito semelhante a um cenáculo, que nos encoraja a sair para entregar a boa nova do Evangelho”, diz-nos Cristián.

“A ideia é que as missões possam ser uma porta de entrada para outras iniciativas apostólicas, tais como a campanha da Mãe Peregrina, os seminários de Alégrate Mujer, FORTA, entre outras. Desta forma, este ‘Schoenstatt em saída’ pode chegar a outros lugares no Chile e permite que o trabalho da missão esteja presente noutras alturas do ano”, acrescenta Cristián Recabarren. 

Desafios para 2022

Durante o Verão de 2021 não pudemos realizar missões presenciais devido à pandemia, mas mantivemos contacto com muitos locais e, como todos aprendemos a utilizar melhor a tecnologia, realizámos diferentes actividades virtuais, tais como Missas online, apoio durante os diferentes Tempos Litúrgicos, tais como a Semana Santa, o Mês de Maria, a Novena de Natal, etc. Tudo isto nos permitiu manter a ligação com as diferentes comunidades que, foram missionadas em 2020, conhecer as dificuldades que tínham, encorajá-las e apoiá-las durante o difícil 2020 e este 2021.

Este 2022 também não é fácil para todos os grupos de Missões Familiares. Ainda não há clareza devido ao aumento do número de contágios, algumas escolas já avisaram que não podem receber missionários e alguns grupos decidiram não ir em missão, presencialmente, neste Verão .Por outro lado, outros grupos estão a trabalhar “normalmente” para regressarem aos seus locais de missão, estão a desenvolver e a rever protocolos para tornar as missões o mais seguras possível, reduziram o número de missionários, adaptarão actividades e workshops, locais de encontro e convivência, etc. Desta forma, a consciência dos cuidados pessoais será reforçada.

A Mãe quer sair ao encontro! Que as máscaras e o distanciamento físico não signifiquem distanciamento social! Que a alegria e a esperança se reflictam no nosso olhar e na forma como nos relacionamos e nos aproximamos dos outros!

Misiones Familiares pandemiaFonte: Vínculo, Dezembro 2021. Com autorização dos editores

Original: espanhol (20/12/2021). Tradução: Lena Castro Valente, Lisboa, Portugal

Etiquetas: , , ,

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.