Valencia

Colocado em 2021-09-19 In Igreja - Francisco - movimentos, Schoenstatt em saída

“Que a todos acompanhe sempre no caminhar de cada um e no de todos em conjunto”

ESPANHA, Ambrosio Arizu/María Fischer •

“Seremos visitados por esta imagem da Imaculada Conceição, Padroeira de Espanha, por ocasião da pandemia como mãe de esperança para nos ajudar. Já que somos tão atreitos ao esquecimento e à negligência, que a nossa Mãe nos recorde isto todos os dias e nos diga, como em Caná da Galileia: “Fazei tudo o que Ele vos disser”, para antecipar a hora do supremo amor e misericórdia do Seu Filho, a hora da alegria. Que maravilha que Ela esteja connosco”, escreveu o Cardeal Antonio Cañizares, Arcebispo de Valência, numa carta dirigida à Diocese alguns dias antes da chegada da “Madre, ven”. —

 

“Valência tem sido muito especial”, diz um dos organizadores de “Madre, ven”, enquanto a peregrinação já passou por Maiorca e está a aproximar-se de Barcelona. “O Arcebispo quis ser pessoalmente o anfitrião e organizador, tem estado presente todos os dias e tem estado connosco em visitas inesperadas. Tivemos o privilégio de viver em estreita colaboração durante estes três dias com a sensação de ter estado com alguém muito próximo da santidade.

A verdade é que tudo tem sido muito especial, as igrejas cheias, o clima de oração, as comunidades visitadas, o Cotolengo, a prisão, os pequenos presentes de Nossa Senhora.

A verdade é que a peregrinação tem sido uma emocionante aventura de fé desde que começou a ser intuída e, sobretudo desde que começou a materializar-se a 13 de Novembro com a visita aos Bispos, aos Carmelitas de El Cerro e o discernimento”.

Valencia Madre ven

“Precisamos de coragem, fé e esperança para voltar a evangelizar”

“Não a desgostemos. Aproveitemos para pedir a Sua ajuda porque escutamos a Palavra de Deus e A cumprimos, porque somos fiéis servos de Deus”, diz o Cardeal Cañizares nesta carta que de bom grado partilhamos convosco:

Carta do Cardeal Cañizares antes da visita
“Amigos leitores, gostaria de me unir a todos vós e voltar-me para a amada Virgem Maria”.

A minha oração a Maria é por todos. Que Ela abençoe e proteja todos; que Ela acompanhe sempre todos no caminhar de cada um e de todos em conjunto e conduza todos a Cristo, que é o Caminho, a Verdade e a Vida. Diante dela, com toda a certeza, lembro-me de todos e rezo por todos. Gostaria de conhecer as vossas vidas, esperanças, preocupações, tristezas e sofrimentos, a fim de os apresentar à Senhora, toda santa e imaculada, cheia de graça, tão próxima de todos. Faço-vos meus e apresento-vos a Ela. Gostaria também de recordar de forma especial aqueles que nos precederam: a sua memória enche-nos de gratidão e de emoção. As suas memórias e a sua presença viva evocam as nossas raízes, inseparáveis da devoção e protecção da Santíssima Virgem Maria, Mãe de Deus, Mãe da Igreja, Mãe de cada um de nós.

No meio desta pandemia que todos sofremos, a imagem de Nossa Senhora chega a Valência e a outras partes de Espanha como uma Mãe compassiva que, chora com os Seus filhos aflitos que A recebem em casa, como o discípulo amado, João; e Ela espera sempre que os Seus filhos venham ao seu coração materno para lhes dar a esperança, força e amor de que precisam, sejam quais forem as suas misérias físicas e morais.

Além disso, a visita desta imagem da Virgem Imaculada no Ano de Compostela, que nos lembra aqueles momentos da primeira evangelização do Apóstolo Santiago e em carne mortal, segundo a venerável tradição hispânica do Pilar em Saragoça, para encorajar e dar esperança ao Apóstolo Santiago, um pouco desesperado perante a obra missionária evangelizadora de Espanha, até aos confins da terra.

Esta visita tem lugar poucos dias após a publicação da situação religiosa em Espanha pela CEI, o que indica um aumento triplicado em dez anos na percentagem de agnósticos, descrentes, entre nós. E, isso faz-me pensar nesta Diocese valenciana, decididamente embarcada após o Sínodo Diocesano, na nova evangelização das nossas terras valencianas e do resto de Espanha, não isenta de dificuldades que precisam de encorajamento, fé e esperança para voltar a evangelizar. E também me faz pensar em Valência depois das Fallas em Setembro e na oferta de flores a Nossa Senhora dos Desamparados, para ir além da formalidade e ir até ao coração do significado desta oferta, tão colorida e tão emotiva.

Temos tudo isto em mente antes da visita de Nossa Senhora a Valência, enquanto cantamos a Nossa Senhora dos Desamparados, que “por Ela, a fé, não morre em terras valencianas” e que, também nos vamos colocar imediatamente perante a comemoração do primeiro centenário da Coroação litúrgica de Nossa Senhora dos Desamparados, a nossa adorável Padroeira. As nossas raízes, inseparáveis das de Espanha, são cristãs e radicam na proximidade do que é a nossa história, que é amassada com a protecção, a honra e a devoção filial a Maria. Os nossos anseios e as nossas esperanças, as nossas orações e as nossas esperanças não podem ser separadas da nossa Mãe.

Ela também aponta para aquele que é o princípio e o fim de tudo: Jesus Cristo. Os nossos antepassados, aos pés de Nossa Senhora, confiaram no Senhor e compreenderam a verdade. Tal como Pilatos, temos a verdade diante de nós e somos incapazes de a reconhecer, e precisamos tanto dela! Maria, porém, mostra-nos isso: Vamos ter com ela! Fiquemos de guarda, esperando ansiosamente a visita-peregrinação da Virgem Imaculada, e dizemos-lhe, aclamando-a: Ven!

+ Card. Antonio Cañizares
Arcebispo de Valência”

Instantâneos da visita a Valência

En la entrada de la cárcel de mujeres

Na entrada da prisão de mulheres

Não lhes era permitido ter telemóveis, por isso só há uma fotografia à entrada: a prisão feminina de Picasent, no sul de Valência, foi a primeira prisão onde foi possível entrar. “Uma visita cativante e muito reconfortante”, comenta Ambrosio. “O Padre Santiago esteve muito inspirado pelo Espírito Santo com elas e as reclusas assistiram à Eucaristia no pátio e foram abençoadas uma a uma diante da Virgem, depois levaram-na a passear pelo pátio e despediram-se com lágrimas e muito consoladas. No entanto, não conseguimos impedi-los de tirar as flores naturais da Virgem, que agora está sem nenhuma, porque todas elas foram deixadas na prisão. Os funcionários também ficaram muito emocionados, uma bênção de uma visita”.

Por desejo expresso do Cardeal Cañizares, estiveram no Mosteiro de Puig. É aqui que a Santa Padroeira do reino de Valência tem estado desde o tempo de Jaime I.

Uma primeira experiência: um autocarro para “Madre, ven”.Mons. Cañizares acompanhava Nossa Senhora no Seu passeio de autocarro.

Talvez a coisa mais impressionante seja a sua passagem pelas ruas de Valência. Uma noite, acompanhada pelo Cardeal, pelas ruas de Valência a caminho do porto… “A nossa Mãe com o Cardeal a abençoar Valência! Com Ela não há surpresas, Ela torna tudo simples para nos levar ao Seu Filho”, comentou Ambrosio.

Mas uma surpresa maior aguardava-os no porto.Valencia Madre ven

Ambrosio conta:

“Amigos, no porto, no meio de dois camiões que nos encurralavam, depois de termos recebido de joelhos no meio da rua a bênção de Monsenhor António (juntamente com um dos dois camionistas da Bulgária, que tinha sentido que algo importante estava a acontecer e que tinha saído do seu camião e estava a tirar fotografias com Nossa Senhora), eu e o Quique levámos a velha e “quebrada” coroa da Virgem, ela tinha resistido a milhares de quilómetros e graças a corações generosos a sua substituta tinha chegado. Após um impulso dos nossos corações em admiração pela sua paternidade, abordámos novamente Mons. António e dissemos: “não podemos deixar-lhe o Terço da Madre Lourdes, mas podemos deixar-lhe esta coroa que a Santíssima Mãe levou de Saragoça a Valência. Para que possa discernir o que Ela quer”. Ao que ele respondeu: “OK, obrigado. Eu sei o que Ela quer: é para a Imaculada da minha cidade. Há muito tempo que a quero coroar!” Obrigada, Mãe, por este pastor! Essa Rainha sabe onde quer deixar a sua coroa: na aldeia de Mons. António, seguindo o seu sonho de A coroar! Ela conhece cada coração”!

“Obrigado por tornar isto possível, que pai e pastor! Um dos maiores dons que a Mãe de Deus me deu nesta viagem em conjunto: conhecê-lo”, comentou Ambrosio. “Não sei como conseguiu encontrar a força e o tempo, mas esteve presente em tudo e foram quatro dias intensos”.

Madre ven Valencia

Ambrosio (à direita) com o Cardeal Antonio Cañizares

“Agora, no fim da nossa estadia na Tua casa em Valência, como em Éfeso, dizemos-te: MADRE, QUÉDATE!!!!”. (MÃE, FICA)

Tal como a “convidou”, o Cardeal Cañizares também escreveu uma carta de despedida que é como uma crónica comentada do vivido durante estes quatro dias em Valência.

Carta do Cardeal Cañizares depois da visita
“Como é público e bem conhecido, no fim-de-semana passado uma imagem da Imaculada Conceição, trazida de Éfeso, da casa de Maria, onde São João Evangelista A recebeu como sua Mãe, depois de Jesus lha ter dado na Cruz, visitou Valência. Esta imagem, na sua viagem para Espanha, foi levada para Loreto (Itália) para onde a pequena casa da Virgem Maria foi transferida de Nazaré.

Quando chegou a Valência, na emblemática paróquia de San Miguel e San Sebastián, foi uma explosão de alegria e felicidade, de profundo amor pela Mãe de Deus e Mãe de todos, fluindo de uma fé sincera e de uma confiança filial indizível. Tal é o verdadeiro ardor dos filhos pela Mare de Déu (Mãe de Deus). Rezámos-Lhe, e, acompanhando-A, cantámos o Terço da Aurora pelas ruas de Valência, estivemos na Catedral, igreja matriz da Diocese de Valência e sinal e símbolo de toda a Diocese, na Santa Missa a que presido todos os Domingos, Visitou um mosteiro de vida contemplativa, com muitas vocações de raparigas jovens, esteve com os mais pobres dos pobres no Cotolengo e, com as freiras da Casa Cuna e, com as que lá são cuidadas como as que vão ser ou foram mães merecem, Esteve com os idosos que são atendidos pelas Irmãzinhas dos Idosos Desamparados, visitou e entrou na prisão de Picasent, onde com grande emoção as reclusas deste Centro Penitenciário A levaram aos seus ombros, aproximou-se para estar num convento de freiras dominicanas, o de Santa Catalina, em Paiporta, especialmente castigada pela pandemia, encontrou-se, em Adoração Eucarística, na basílica da Mare de Déu els Desamparats (Mãe de Deus dos Desamparados) com os jovens…

Em suma, foi como a sua visita à sua prima Isabel, e tudo se encheu de júbilo e alegria, porque com Ela vimos a salvação de Deus que, chega até nós através de Maria: o Seu Filho Jesus. Uma simples visita, sem triunfalismo ou alarido e, com esta simples visita, sem triunfalismo ou alarido, como convém à fiel serva do Senhor que, se colocou inteiramente às Suas ordens e as cumpriu como alguém que, se considerava Sua escrava, em admirável humildade e com plena e total fé e confiança, e assim trouxe a alegria e a esperança que, aqueles de nós que, estiveram com Ela aqui em Valência, em apenas alguns dias, puderam desfrutar verdadeiramente.

Além disso, Valência, embarcada na implementação de um novo Sínodo Diocesano, para responder às necessidades e desafios do nosso tempo, pôde ver através dela que o horizonte do mundo inteiro, da Igreja universal, da Conferência Episcopal, da Igreja em Espanha, da Igreja em Valência e da Comunidade Valenciana não pode ser diferente de Deus, Deus só, Deus acima de tudo, em quem temos tudo e só Ele basta. Deus que Se entregou inteiramente a nós na Cruz, cuja festa de Exaltação celebrámos ontem (14/9), está com aqueles que te dizemos: os Homens. Ele é inseparável dos Homens, dos crucificados do nosso tempo, dos descartados, dos desprezados e das vítimas do ódio, da violência injusta, da mentira, do domínio e da manipulação dos outros.

Conhecer Deus, adorar a Deus, obedecer a Deus, tornar Deus conhecido, como Jesus Cristo crucificado nos foi dado, esta é a verdadeira sabedoria que salva o mundo, onde jaz o futuro e a esperança. Esta visita da imagem da Imaculada Conceição de Éfeso, uma cópia exacta daquela venerada na capela do Arcebispo de Toledo – coincidência ou providência ou sinal? -, ensina-nos tudo isto, e diz-nos, e repete, como em Caná da Galileia: “Fazei tudo o que Ele vos disser”. A água foi transformada em vinho, a amargura e as trevas, tão presentes nos nossos dias devido a muitas circunstâncias, serão transformadas em luz, em verdadeira alegria, que é o nosso programa: o programa de Deus, aquele que Ele realizou em Maria e através de Maria, Mãe de Deus, Mãe da Igreja e nossa Mãe, de todos os Homens, em favor de todos, para recriar o mundo e fazer um mundo novo.

Oh, e não esqueçamos que o sinal de Maria está consagrado na bandeira da Europa, com um fundo azul e uma coroa de doze estrelas. E, além disso, não esqueçamos que esta imagem nos visitou no ano de Compostela, pois apareceu junto ao rio Ebro, em Saragoça, ao apóstolo Santiago, encorajando-nos e dando-nos coragem para continuarmos sem temor nem medos, sem vergonha nem timidez, o trabalho de evangelização, a missão da Igreja que a identifica.

Ontem à tarde, quando alguns de nós nos despedíamos desta imagem da Virgem, enquanto Ela continuava a sua viagem até Palma de Maiorca, no barco que a levaria até lá, eu disse-lhe: Mãe, durante alguns meses dissemos-te: MADRE, VEN; agora, no final da Tua estadia na tua casa em Valência, como em Éfeso, dizemos-te: MADRE, QUÉDATE!!! (MÃE, FICA!)

Paraula


Mais:
Página oficial «Madre, ven» com documentos, fotos e vídeos de cada etapa: www.madreven.es

 

Original: espanhol (18/9/2021). Tradução: Lena Castro Valente, Lisboa, Portugal

Etiquetas: , , , , , , , , , , , , , ,

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *