Colocado em 25. Outubro 2017 In Vida em Aliança

Como levar uma adolescente a uma semana familiar e ter sucesso

INGLATERRA, Clare Lyddieth-Barnes •

Preparar a semana familiar deste ano foi semelhante, de muitas maneiras, à preparação para qualquer outra semana familiar, especialmente no Reino Unido:

pacote 13 roupas para cada criança, shorts e sandálias, bem como casacos de lã e camisolas, roupas de fantasia e mais roupas de dança, baldes e espadas e também de galochas [botas de borracha] e impermeáveis, 70 fraldas [fraldas] e um carrinho de bebé com uma capa de chuva. A minha lista completa provavelmente preencheria toda a revista e, enquanto Patty está ansiosa por artigos, não acho que esteja tão desesperada!

Atenção: o pequeno almoço termina às 8h45, não há televisão, nem Wi-Fi

Houve uma grande diferença na nossa preparação deste ano, ou seja, estamos trazendo a minha prima de 15 anos connosco pela primeira vez. Como todos sabemos, a melhor maneira de entender a semana familiar é experimentá-la, mas precisávamos dar a Holly uma ideia do que esperar.

Começando pelas coisas práticas (traga uma roupa agradável para a última refeição), avançou para os problemas mais prementes dos adolescentes (o pequeno almoço termina às 8:45, o que rapidamente fez o seu pai sufocar no seu chá e desejar-nos boa sorte) e, quando estávamos certos de que não a deixávamos, nós embarcámos nos aspetos menos comuns de umas férias em família – “Não há TV. [TELEVISÃO]”

“Está tudo bem, não há mal nenhum. Enquanto eu puder obter Wi-Fi para fazer as minhas marcas em Snapchat. “(Aos 32 anos, eu, talvez com equívocos, ainda me considero” uma das mais jovens “, mas mesmo assim não entendo essa frase!)

Tragédia – fé?

A principal razão pela qual Holly foi incentivada a juntar-se a nós para a semana familiar foi a terrível atrocidade no Manchester Arena. Embora não tenha sido diretamente afetada, Holly teve vários amigos na arena naquela noite, incluindo dois que muito tristemente perderam as suas mães. Um ataque tão terrível na nossa cidade obrigatoriamente afeta todos os nossos jovens, e é compreensível que, consequentemente eles questionem a sua fé. Então, a mãe, assim como a tia e a Madrinha de Holly, assumiram a tarefa de encorajar Holly a vir connosco para Whitby e ajudá-la a sentir-se mais segura na sua fé.

Evangelização 101: Alegria!

Durante as nossas reuniões, ficou-me uma mensagem; não se evangeliza pescando pessoas ou atirando-lhes com citações bíblicas – a melhor forma de as pessoas entenderem a nossa fé é ver a alegria que nos traz. No nosso grupo, Bill contou a história de uma família que foi abordada sobre o segredo da sua felicidade e a sua resposta foi levar o questionador até ao santuário Lar de sua casa. Liz também compartilhou isso, no início da semana, ela esteve alguns minutos a olhar ao redor do grupo e testemunhou todos felizes, sorridentes, rindo e mergulhando na atmosfera, apesar das dificuldades e tristezas muito reais que ela conhecia que determinadas pessoas estavam enfrentando. Ocorreu-me que é isso que fazemos um pelo outro – esta é uma das razões pelas quais amamos tanto as semanas famíliares – partilhamos alegria; a alegria de socializar e compartilhar piadas, a alegria de uma criança de 2 anos e de um adulto com 70 anos participando do mesmo jogo de rounders [um jogo de morcego e bola] e a alegria de compartilhar a nossa fé. Para os adolescentes especialmente, eu acredito que isso é importante – sabendo que têm colegas que pensam como eles e vivem os mesmos ideais. Certamente foi importante para o meu grupo de adolescentes de Schoenstatt.

Foi por isso que a nossa família partiu de Whitby sentindo-se extremamente bem. Holly estava feliz e divertiu-se = sucesso!

Para além da felicidade: SUCESSO!

Mas ultrapassou o espectável. Passada uma hora após regressarmos, ela perguntou-me se poderia vir no próximo ano. Ao longo da semana, ela lutou com muitas ocorrências inesperadas, como a adição aleatória de uma representação na noite do questionário, em que a certo ponto ela me perguntou com uma voz ligeiramente em pânico: “O que é isso? O que eu tenho que fazer? “E a minha resposta igualmente aleatória foi: “Fingir apenas que é um pato e não fazer perguntas”. Embora não conhecesse as letras de nenhuma das músicas da noite cantata, ela educadamente sentou-se e comeu um gelado de Malibu e Coca (grandes prémios). No momento do lendário show da noite final, acho que ela se acostumara com o inesperado e confiou de que cada momento seria agradável, por isso não importava o que estava planeado.

Para completar a semana, o seu amigo secreto escreveu-lhe um cartão, o que, embora fosse simples, quase me levou às lágrimas quando Holly mo mostrou. “Para a mais valente dos turistas, bem-haja por vir por você mesma e se integrar tão bem. Espero que tenha gostado da semana.” Perguntei-lhe se ela tinha gostado, e ela respondeu enfaticamente:” Sim, eu não quero ir para casa. “Eu disse-lhe que eu estava feliz porque é assim que sempre nos sentimos. Ela disse: “Porquê?” Mesmo sem a televisão? – questionei-a. “Sim? E Wi-Fi limitado?” “Sim, eu nem o usei.” – respondeu. SUCESSO!

Quando entrámos em carros separados para sair, ela disse que queria vir todos os anos, e estou confiante de que ela terá uma fé renovada e enfrentará isso no próximo ano com uma visão um pouco diferente da que ela pode ter sem experimentar a nossa semana familiar. Então, agradeço a todos por uma semana completamente agradável e por mostrarmos a Holly o que é a semana da nossa família.

P.S. Ela tomou o pequeno almoço a tempo e horas todos os dias (muito mais do que eu alguma vez consegui numa semana familiar quando tinha 15 anos!)

Fonte: MTA Magazine. A revista das famílias de Schoenstatt na Inglaterra. Outono de 2017

Foto: IStockGettyImages, max-kegfire

Original: Inglês; Tradução: José Carlos A. Cravo, Lisboa, Portugal

Etiquetas: , , , , ,