Colocado em 2017-10-26 In Vida em Aliança

Don Roque: o amor a Maria que quero imitar

PARAGUAI, Adriana Cardozo •

Um dia depois do 18 de outubro consigo sentar-me a escrever. Realmente o meu coração estava ainda muito inquieto para descrever tudo o que senti e vivi no dia em que renovámos a nossa Aliança de Amor com a Mater ter Admirabilis e recordámos aquela primeira vez que o Padre José Kentenich e um grupo de jovens selaram, numa antiga Capelinha de São Miguel, no vale de Schoenstatt.

Essa Aliança foi atualizada em Tupãrenda, nessa Terra Santa situada na cidade de Itauguá, que acolhe a todos sem distinção, com o mínimo e o máximo requisito de entregar totalmente o nosso coração a Maria.

Sós ou em grupos, todos querem chegar a Tupãrenda

Os rostos refletiam tantos sentimentos, mas sobretudo uma imensa alegria. Como o Pai Fundador disse: “A Aliança de Amor oferece-nos uma ilimitada segurança perante a vida, uma vida ilimitadamente plena e uma marcada alegria de viver”.

Corriam as horas e o Santuário Nacional de Tupãrenda enchia-se. Em grupos grandes ou pequenos, missionários, devotos fiéis e agradecidos à Mater, juntavam-se para ouvir a missa e levar para sempre essa mensagem da palavra do nosso Pai Celestial.

aaaa

 

Primeiro o terço, depois o cultivo na quinta

Don Roque Santacruz, chega com a sua Imagem peregrina nas mãos e disse que a Mater lhe deu demasiado. Com os seus 75 anos é um assíduo visitante de Tupãrenda. Cada ano renova o seu compromisso como missionário. Sabe que todo o seu bem-estar deve-o à Mãe e Rainha Vitoriosa. . “A minha saúde, a minha força para continuar a trabalhar na quinta, o bem-estar da minha família, o facto de estarmos unidos, tudo o devo à nossa Mãe, tudo o que lhe peço Ela me dá: por isso, poder estar aqui faz-me feliz, vir com todos os meus irmãos em Cristo enche-me de emoção”. Refere.

Na sua cidade natal, Nueva Colombia, também é muito ativo. Faz parte do Terço dos Homens Valentes, com os quais participa nas atividades da sua paróquia e em celebrações especiais da igreja. “Desde muito pequeno que rezo o terço, é um hábito que nunca deixei, pelo contrário, todos os dias, sem falta, entrego o terço a Maria”, expressa.

Don Roque tem o costume de rezar muito cedo, é a sua primeira ocupação ao acordar; depois dedica-se ao cultivo da sua terra.

A firme convicção de que não será defraudado

Ele é um exemplo que quero imitar, esse amor de tantos anos a Maria que não diminui; o agradecimento e a esperança que deposita n´Ela, com a firme convicção de que não será defraudado.

Assim como Don Roque, chegaram milhares a Tupãrenda, dispostos a selar e a renovar a Aliança de Amor com Nossa Senhora. Essa aliança simboliza um intercâmbio de corações, entregam dores, preocupações; mas também é uma entrega de paz, de alegria inigualável, de gozo, ou seja, a própria vida. É ajudá-la, a acrescentar o seu Capital de Graças, sendo homens e mulheres novos que caminham no plano perfeito de Deus.

 

 

Fotos: Johana Goodacre, Horacio Chavez

Original. Espanhol. 21.10.2017. Tradução: Maria de Lurdes Dias, Lisboa, Portugal

Etiquetas: , , , ,

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *