Colocado em 2017-04-29 In Vida em Aliança

O Dia de Belmonte em Wiesbaden

ALEMANHA, Cordula-Maria Leidig •

Tal como ficou combinado no Conselho Diocesano da Família de Schoenstatt de Wiesbaden, no dia 8 de cada mês (excepto nas férias de verão) celebra-se no Santuário da Fidelidade ao Pai, o “Dia de Belmonte”.

No sábado, dia 8 de Abril tudo estava preparado:

A seguir à Missa e à renovação espiritual no Santuário, reunimo-nos na Casa Padre Kentenich, para saborear um longo e copioso pequeno-almoço.

Na troca de impressões comprovámos que percebemos o que significa Belmonte, mas para o poder comunicar e difundir, ainda devemos aprender a expressá-lo mais claramente.

Uma imagem da Igreja, como a definiu o Concílio Vaticano II

Em 8 de Dezembro de 1965, durante a Bênção simbólica da Pedra Fundamental do futuro Santuário, o Pe. Kentenich definiu, com clareza, a nova imagem da Igreja. Belmonte existe para pôr à disposição de toda a Igreja a herança do Pe. Kentenich, a sua concepção da Igreja e a sua pedagogia.

Realmente, o Pe. Kentenich adiantou-se ao seu tempo. Quando, hoje, se descreve aos teólogos como o Pe. Kentenich descreveu a nova Igreja ao terminar o Concílio, muitos se admiram com o que o nosso Fundador definiu, então, com tanta precisão. “Na época do seu exílio (1951-1965) caracterizou, nitidamente, a transformação da Igreja, como a mudança de um cristianismo por herança para um cristianismo por escolha; de um cristianismo que faz finca-pé na lei para um que assenta no amor; de um cristianismo que procura o amparo das paredes para um cristianismo conquistador; de um cristianismo clerical para um cristianismo de leigos.

(Peter Wolf, Erneuerte Kirche)

A nossa imagem da Igreja dá forma ao nosso agir

Durante a troca de impressões no Dia de Belmonte, partilhámos testemunhos sobre, como tentamos impregnar os nossos encontros, para dentro e para fora, com esta nova imagem da Igreja:

Aos jovens que fizeram o Crisma há um ou dois anos, incentivámo-los a escolherem um texto bíblico para darem testemunho aos Crismandos actuais sobre o que é a Igreja, o que é a fé, o que significa Deus para eles. Assim, os leigos jovens se habilitam  para falarem da sua fé.

O nosso trabalho nos Ramos, oferece um espaço para que, não somente os chefes de grupo trabalhem segundo os seus programas mas, que todos os membros do grupo abordem um intercâmbio vivo sobre a fé, a sua relação com Deus e com Nossa Senhora.

Finalmente, acontece que a compreensão da nova Igreja dá forma à nossa identidade e tratamos de deixar que este espírito flua de maneira natural, onde quer que estejamos.

Os “Dias de Belmonte” ajudam-nos a animarmo-nos e a fortalecermo-nos mutuamente.

Para terminar o encontro, renovamos a nossa Aliança de Amor e marcamos os próximos encontros.

Encontramo-nos, de novo, no dia 8 de Maio, começaremos com o Terço e a Missa Vespertina (a partir das 17 h 30 m) no Santuário de Freudenberg. No dia 8 de Junho encontrar-nos-emos em Mittelheim, Rheingau, às 17 h 15 m, com a Adoração do Santíssimo e a seguir a Missa e a troca de impressões. Depois da pausa de verão, o primeiro encontro será no dia 8 de Setembro, de novo, em Freudenberg, começando com a Missa às 18 horas.

Mais sobre Belmonte: www.roma-belmonte.info

Foto: Domingo de Ramos em Belmonte, Procissão dos Ramos da Paróquia

Original: alemão (23/4/2017). Tradução: Lena Castro Valente, Lisboa, Portugal

 

Etiquetas: , , , , ,

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *