Colocado em 2. Dezembro 2018 In Projetos

Um hino de louvor à obra de Schoenstatt-TV

ALEMANHA, Mary Cole •

Há alguns meses me convidaram a ajudar Schoenstatt-TV para a comemoração da morte de nosso pai e fundador há 50 anos na Alemanha, e aceitei com muita alegria. Schoenstatt-TV foi o filho de Agathe e Hildegard Hug em 2008. Hildegard morreu repentinamente no final de janeiro de 2015, porém sua irmã, irmãos e sobrinha continuaram trabalhando com a ajuda de alguns amigos. Sem dúvida é um projeto familiar.—

Até agora não sabia realmente o que implicava a transmissão ao vivo destes eventos, e pensei que seus telespectadores no exterior gostariam de ver as celebrações desse ponto de vista.

Um coração para o Santuário Original

Minha primeira tarefa foi para o esforço de arrecadação de fundos para a renovação do Santuário Original, realizado por Schoenstatt-TV. Depois de duas grandes inundações, a estrutura do santuário necessitava secar por completo e ser impermeabilizada. Também se devia instalar proteção contra as inundações. Afinal, o santuário está no ponto mais profundo de um vale estreito cercado por montanhas. Os bancos também precisavam ser renovados após danos causados pela água e ao longo dos anos.

No entanto, o maior gasto seria a instalação de nova tecnologia para permitir que os schoenstattianos de todo o mundo visitem o santuário de onde quer que estivessem. Devido à profundidade do vale, inclusive o link com o satélite não é perfeito, por isso os cabos devem ser colocados entre o Santuário Original e a sacristia, onde a infra-estrutura necessária já foi instalada. A iluminação também precisa ser melhorada. Portanto, entende-se bem por que a Schoenstatt-TV está empenhada em angariar fundos para a equipe técnica.

Assim a senhora Hilde Hug e eu (as idosas) ficamos com a tarefa de pedir doações únicas de todos os visitantes do Santuário. Os cartões foram impressos em alemão, inglês e espanhol, com os dados bancários de um fundo especial para este fim. Os que doaram receberam um pequenos broche para a roupa com um pequeno coração: Um coração para o santuário.

Se alguns de vocês queiram dar uma doação maior para a renovação do Santuário Original, os dados bancários estão no cartão.

Quilômetros de cabos na Igreja dos Peregrinos e na Igreja da Adoração

Para as 9 a.m, da quarta-feira 12 de setembro, os carros haviam sidos carregados com o que pareciam quilômetros de cabos e equipamentos e estacionaram junto a Igreja dos Peregrinos. O “centro de controle” havia sido instalado em um dos confessionários, e todos os cabos tinham que sair dali. Para evitar que as pessoas tropeçassem, os cabos tinham que ser colocados o mais longe possível da passagem ao longo das paredes, e depois através das cadeiras até os pontos onde as diferentes câmeras eram colocadas. Cada câmera tinha um cabo de som e um cabo elétrico. Uma vez que estivessem em seu lugar e fossem testados, tivemos que prender os cabos com fita adesiva no piso, cobri-los com tapetes nos corredores.

A missa das 10:30 a.m parou todo o trabalho e tornou-se nossa missa para o feriado. Nos alegramos com o descanso! Quando tudo estava no lugar e pronto, era hora do almoço. Imediatamente após o almoço, as equipes de câmera e técnicos tiveram que retornar à igreja para testar todo o sistema. Os principais problemas foram se resolvendo ate a entrada da noite.

Na quinta começamos inclusive mais cedo. Os carros estavam já estacionados junto a Igreja da Adoração as 8 a.m e começamos a levar tudo para a Igreja. O “centro de controle” foi estabelecido perto do painel elétrico principal em um canto fora da Capela do Pai. De lá, cabos foram colocados nos quatro cantos da igreja e na Capela do Fundador, incluindo cabines à prova de som para os tradutores. Você consegue imaginar o comprimento desses cabos? Mais uma vez, teria que ter muito cuidado para garantir que ninguém tropeçasse nos cabos. Dei-me conta o quanto devia custar toda esta equipe e me perguntei como a família Hug poderia ter financiado isso (Nota do Editor: Através de doações). Os homens estavam ocupados colocando suportes para os grandes monitores fora da igreja e também tivemos que instalar cabos lá. Bem na frente da grande imagem da MTA na igreja havia uma floresta de suportes para os microfones do coro. Todos esses cabos estavam conectados a um enorme painel de controle bem em frente ao primeiro banco. Naquele dia fizemos um piquenique fora da igreja, mas depois o trabalho e os testes continuaram até tarde da noite. As “velhinhas” foram para casa, já que nosso trabalho estava terminado no meio da tarde. Os profissionais puderam dormir muito pouco.

Na sexta surgiu outro problema, porque a antena parabólica que se comprou para 2014 não pode ser utilizada. Não estou certa de como se resolveu esse problema, porém deve ter sido solucionado, porque todos puderam acompanhar o que estava ocorrendo na Igreja dos Peregrinos. Meus amigos voltaram a trabalhar até muito tarde.

Não deu tempo nem sequer para fotos

No dia 15 de setembro tomamos café da manha pouco depois das 5 a.m, porque as câmeras e outros equipamentos tinham que estar colocados para a missa as 7 a.m. com o bispo auxiliar Gerber na Igreja da Adoração. Inicialmente, os organizadores pensaram que não haveria tanta gente ali, porém a Igreja encheu completamente e os que não couberam foram enviados ao auditório abaixo da igreja. Tudo se transmitiu ali também. Podia-se ouvir cair um alfinete. A missa em si se celebrou na mesma hora em foi celebrada a missa dia 15 de setembro de 1968. Até depois descobrimos que isto foi possível porque em 1968 não estava vigente o horário de verão.

Imediatamente depois da missa pegamos as câmeras, os computadores e os tripés, e corremos até a igreja de Peregrinos, onde a equipe de televisão se acalmou novamente e descobriu que estava tudo bem. Nós, as “velhinhas”, fomos tão rápidas como pudemos ao santuário Original e começamos nossa tarefa de recolher dinheiro para o Santuário Original. Uma vez que todos começamos a chegar na igreja, guardamos nossas caixas de coleta, mantemos elas seguras na sacristia e nos dirigimos à igreja para a missa com o arcebispo emérito Zollitsch. No momento em que chegamos, inclusive a área da frente da igreja estava cheia e não pensei que encontraríamos um assento, porém Hilde encontrou ao seu marido dirigindo uma das câmeras e ao lado dele havia dois assentos marcados “Schoenstatt-tv”. Todos os trabalhos têm seus benefícios!

Após a missa, voltamos para nossas caixas de coleta e fizemos um almoço rápido, enquanto a equipe de filmagem trouxe câmeras, computadores e o restante da equipe para a Igreja da Adoração para a celebração da noite. Uma vez que as multidões em torno do santuário diminuíram, subimos a montanha e encontramos nossos lugares para a celebração da noite. Mais uma vez, a igreja estava cheia até a borda, e as pessoas que não se encaixavam eram acomodadas no auditório e fora da igreja, de onde podiam seguir tudo nos monitores. Rezamos continuamente para que nada de errado acontecesse e, de fato, nossa mãe cuidou de tudo perfeitamente.

Quando a multidão deixou a igreja, nosso trabalho começou. Tivemos que recolher todos os cabos e equipamentos. Aprendemos que cada cabo, 50 metros ou mais, tinha que ser enrolado com cuidado para que pudesse ser usado imediatamente na próxima vez, sem emaranhados ou problemas. Cada cabo tinha que ser protegido e os cabos emprestados eram colocados separadamente para serem devolvidos. Naquela noite, chegamos em casa depois das nove da noite, cansados demais para falar, mas também felizes e gratos por tudo ter corrido tão bem. Agathe conseguiu o jantar! Descobrimos que as equipes de câmera não tinham comido desde o café da manhã.

Para o domingo, houve apenas a grande missa pontifícia com o cardeal Marx, presidente da Conferência Episcopal da Alemanha, que veio especialmente de seu encontro na Polônia. Enquanto as equipes de câmeras foram instaladas na Igreja dos Peregrinos, continuamos a coletar para o Santuário Original. Para minha surpresa, o cardeal chegou sozinho e passou muito tempo esperando em pé na porta do Santuário, porque estava sendo realizada uma missa para um grupo português que ia a Gymnich. Em seu sermão, ele nos lembrou que ele havia sido bispo de Trier antes de ser transferido para Munique e se tornar cardeal, então ele conhecia bem Schoenstatt.

Depois da missa, a equipe de filmagem teve que correr até a casa Kentenich para receber o cardeal e disseram as “veteranas” que voltassem para casa e almoçassem. Os Irmãos de Maria pegaram cordialmente os cabos da Igreja dos Peregrinos. O Sr. e a Sra. Hug tiveram que ir para casa no sul da Alemanha naquela tarde, porque na segunda-feira tiveram que começar a colher as uvas para o novo vinho. Isso me fez mais consciente de que Schoenstatt-tv é o trabalho de voluntários que têm suas vidas ocupadas trabalhando o resto do tempo. Depois dessa experiência, apreciarei muito mais o que vem de Schoenstatt-tv. É uma obra de amor e só Deus e sua mãe podem recompensar os envolvidos.

 

Site Schoenstatt-TV

Os registros das transmissões ao vivo estão disponíveis na chamada “mediateca” em schoenstatt-tv.de. Há também contas de doação para Schoenstatt-TV.

 

Foto: Schoenstatteanos na África do Sul após a transmissão das celebrações na Alemanha. Foto: Sarah-Leah Pimentel

Original: Espanhol, 10.10.2018. Tradução: João Pozzobon, Santa Maria, Brasil

Etiquetas: , , ,

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *