#Ucrania

Colocado em 2022-02-27 In Aliança solidária

Guerra na Ucrânia: “Também é solidário ver as notícias ainda que nos doa muito”

Em Aliança Solidária com a Ucrânia, Equipa editorial •

Apenas horas após o início da invasão russa à Ucrânia, membros da equipa de schoenstatt.org começaram a divulgar nas suas redes o apelo do Papa Francisco à paz e o seu apelo a um dia de jejum e oração pela Ucrânia no dia 2 de Março, Quarta-feira de Cinzas. Pouco tempo depois, já estava também em schoenstatt.org, nas cinco línguas, como artigo em manchete Um gesto de solidariedade com o povo da Ucrânia, com os soldados, as crianças, as mães, os pais mortos, com as crianças, as mulheres e os idosos em caves e estações de metro, as centenas de milhares de refugiados que carregam da sua vida anterior o que podem carregar numa mala, com tanta gente que, devido à ânsia de poder de um ditador, numa hora perderam os seus sonhos, os seus planos para o futuro. —

Donaciones de Caritas llegando a Ucrania

Donativos da Cáritas a chegar à Ucrânia

O que podemos fazer? Muito.

Uma paróquia em Madrid publicou esta manhã o link para o apelo do Papa Francisco em schoenstatt.org. Como o apelo em si, até agora, só aparece nas notícias mais amplas nos meios de comunicação social do Vaticano, parece ter ajudado ter ajudado s ter este texto.

De Espanha, Argentina, Bolívia, Portugal, Chile, Alemanha, Paraguai, Equador… schoenstatteanos unidos em oração e com a divulgação. 

O que podemos fazer? Muito.

Face à invasão russa, a Cáritas está a mobilizar equipas de emergência na Ucrânia. A Cáritas Internacional na Alemanha apoia a ajuda com 150.000 euros e pede donativos urgentes para as vítimas do conflito. Os coordenadores da União das Famílias em Espanha divulgam no website da União o apelo da Cáritas Espanha para donativos urgentes.

A Coordenação de Emergência do Movimento dos Focolares lançou uma extraordinária recolha de fundos para apoiar a população ucraniana. Os fundos recolhidos serão utilizados para fornecer à população ucraniana necessidades básicas tais como alimentação, tratamento médico, habitação, aquecimento e abrigo em várias cidades do país, em colaboração com as Igrejas locais.

O que podemos fazer? Muito.

#Ucrania

Obelisco em Buenos Aires, iluminado com as cores da Ucrânia

Em muitas cidades, edifícios emblemáticos foram iluminados com as cores da Ucrânia, como em Buenos Aires, Berlim, Paris… Foi também feito em Catedrais e Santuários.

Realizam-se marchas, o hino ucraniano é tocado.

O que podemos fazer? Muito.

“Temos e podemos fazer algo que exprima solidariedade. É também solidariedade ver as notícias, embora doa muito. Já conheci pessoas que dizem não ver televisão, para não sofrer”, diz Paz Leiva. Chorar com aqueles que sofrem, sofrer com aqueles que morrem – isto é solidariedade concreta.

O que podemos fazer? Muito.

Uma questão que também preocupa o Papa Francisco, que algumas horas após o início do conflito, visitou a embaixada russa no Vaticano, onde se encontrou com o embaixador Alexander Avdeev, para expressar a sua “preocupação” com a guerra na Ucrânia após a invasão das tropas russas, informou o Gabinete de Imprensa da Santa Sé. Francisco passou pouco mais de meia hora na delegação diplomática. Isto é sem precedentes. Um líder estatal não visita uma embaixada. É considerado humilhante. Francisco não se importa.

O que podemos fazer? Muito.

O Papa Francisco telefonou a Sua Beatitude Sviatoslav Shevchuk, Arcebispo Maior da Igreja Católica Grega na Ucrânia, na noite de 25 de Fevereiro, como anunciado numa declaração do Secretariado da Igreja Católica Grega na Ucrânia.

“Durante o telefonema, o Papa Francisco perguntou sobre a situação na cidade de Kiev e na Ucrânia em geral. O Pontífice disse a Sua Santidade: ‘Farei tudo o que puder'”.

“O Santo Padre interessou-se também pela situação dos Bispos e sacerdotes nas áreas mais afectadas pela operação militar russa e agradeceu à Igreja Católica Grega Ucraniana pela sua proximidade com o povo ucraniano. Em particular, o Papa elogiou a escolha de permanecer entre o povo e ao serviço dos mais necessitados, também através da disponibilização da cave da Catedral Greco-Católica da Ressurreição em Kiev para dar abrigo às pessoas”.

“O Santo Padre assegurou a Sua Beatitude Sviatoslav a sua proximidade, o seu apoio e as suas orações pela amada Ucrânia. No final da reunião, o Santo Padre enviou a sua bênção para o sofredor povo ucraniano”.

Ontem ao fim da tarde, 26 de Fevereiro, o Papa falou por telefone com o Presidente ucraniano Volodymyr Zelenskyi para lhe assegurar as suas orações pela paz e um cessar-fogo. “Sentimos o apoio espiritual de Vossa Santidade”, escreveu o líder ucraniano no Twitter.

O que podemos fazer? Muito.

Nuestra Señora de Kiev

Nossa Senhora de Kiev

Este sábado, 26 de Fevereiro, houve uma oração pela paz na Catedral de Colónia. É muito comovente quando, no final do serviço, um pequeno coro da comunidade católica ucraniana da Arquidiocese canta novamente um hino da sua pátria. É uma oração pela unidade, liberdade e paz. Mas mesmo que não se saiba o que os cantores estão a cantar na sua própria língua, esta música melancólica expressa toda a tristeza, a dor inconfessada sobre os terríveis acontecimentos na Europa de Leste. E um grande anseio de que os conflitos sangrentos que causam tanto sofrimento entre o povo ucraniano cheguem em breve ao fim, que ninguém terá de temer pelas suas vidas ou pelas vidas dos seus entes queridos. Esta melodia, que está no centro da oração do meio-dia na Catedral de Colónia, soa como um lamento. Alguns dos que assistem ao serviço limpam furtivamente as lágrimas dos olhos, as suas expressões são sérias, mesmo que sejam pouco visíveis atrás das máscaras. Mas mesmo assim, é possível sentir a grande simpatia que existe entre os presentes. Os medos que as pessoas trazem consigo estão suficientemente próximos para se tocarem. Muitos procuram consolo na Catedral de Colónia a esta hora do meio-dia, onde o Reitor da catedral Guido Assmann e o padre Mykola Pavlyk, representando os católicos ucranianos, rezam juntos pelo fim da guerra na Ucrânia.

Tal como em Colónia, em muitas Dioceses de todo o mundo, em muitos Santuários, foram rezadas orações pela paz, pelo fim da guerra, pelo povo da Ucrânia. Muitos juntaram-se aos ucranianos orando em frente ao ícone de Nossa Senhora de Kiev.

O apelo de Sant’Egidio

Nestas horas dramáticas para a capital da Ucrânia, Andrea Riccardi e a Comunidade de Sant’Egidio, com um manifesto a que se pode aderir em todo o mundo, lançam a proposta de alcançar um cessar-fogo imediato e de proclamar Kiev como uma “cidade aberta” com carácter de urgência. Todos podem assiná-lo e divulgá-lo para mostrar solidariedade com o povo da Ucrânia e com as pessoas que se movimentam em solidariedade concreta:

O apelo de Sant'Egidio
Kiev, uma cidade de três milhões de habitantes, é hoje um campo de batalha na Europa.

A população civil indefesa vive numa situação de perigo e terror ao procurar protecção em abrigos subterrâneos. Os mais fracos, desde os idosos até às crianças e aos sem abrigo, estão ainda mais expostos. As primeiras baixas civis já ocorreram. Kiev é uma cidade que representa um grande património cultural. Não se pode pensar na cultura europeia, na história da Europa sem Kiev, tal como não se pode pensar na cultura russa, na história da Rússia, sem Kiev.

A cidade, com todos os seus monumentos, é o lar de conjuntos do património mundial. Kiev é uma cidade santuário para muitos cristãos, antes de mais para os cristãos ortodoxos de todo o mundo. A história de fé dos povos ucraniano, bielorrusso e russo começou em Kiev. O monaquismo ucraniano e russo nasceu em Kiev. O grande Mosteiro das Grutas com vista para o grande rio Dnieper desde a colina é um lugar sagrado e antigo de peregrinação e oração. Kiev é uma cidade de grande valor para todo o mundo cristão.

O destino de Kiev não deixa ninguém indiferente, a quem, desde o Oriente até ao Ocidente, observa e experimenta apaixonadamente a cidade e o seu povo. Depois de Sarajevo, depois de Aleppo, não podemos assistir novamente ao cerco de uma grande cidade. O povo de Kiev está a pedir um impulso da humanidade. O seu património cultural não pode ser exposto ao perigo de destruição.

A santidade de Kiev para o mundo cristão exige respeito. Imploramos àqueles que podem, decidir abster-se de usar armas em Kiev que declarem um cessar-fogo na cidade, que proclamem Kiev uma “cidade aberta”, que não ataquem os seus habitantes com a violência das armas, que não violem uma cidade para a qual toda a humanidade olha hoje. Que esta decisão facilite as negociações para a paz na Ucrânia.

Comunidade Andrea Riccardi de Sant’Egidio

Para assinar

Em vários websites de Schoenstatt não há guerra; no website oficial não há nenhuma declaração própria, mas os responsáveis pagam uma taxa pela publicação de um artigo dos meios de comunicação social do Vaticano sobre o assunto.

Mas em muitos corações de Schoenstatt existe a solidariedade da Aliança. Façamos o que pudermos para fazer crescer a corrente de solidariedade da Aliança.

#Ucrania

#OremosJuntos

#Ucrania

Com breves citações de Caritas Espanha, AICA Argentina, Domradio Alemanha.

Original: espanhol (27/272022). Tradução: Lena Castro Valente, Lisboa, Portugal

 

Etiquetas: , , , , , , , , ,

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.