Colocado em 27. Agosto 2019 In Santuário Original

O Santuário é uma missão, sempre

SANTUÁRIO ORIGINAL, Maria Fischer •

“O Santuário é uma missão, sempre” – a frase do Padre Juan Pablo Catoggio, Superior Geral dos Padres de Schoenstatt, na introdução, permanece no ar e no coração durante uma celebração multilíngue e simples, que reuniu uma pequena multidão de muitos países e línguas sob a chuva suave do verão alemão na tarde de 15 de Agosto, festa da Assunção da Santíssima Virgem. O Santuário é sempre uma missão – e é-o, especialmente, quando se trata do Santuário Original, cujo novo Reitor, Padre Pablo Pol, assumiu o seu cargo e missão durante esta celebração.

Nesse momento esteva acompanhado, não só por muitos irmãos e irmãs da sua comunidade, da sua terra natal na Argentina e da sua amada Nigéria, do Congo e Burundi, mas também, pela sua mãe e pelo seu irmão mais novo, e por muitos schoenstatteanos do Chile, Paraguai, Alemanha, Espanha e Brasil.

A transição, entre a surpresa e uns presentes especiais

É um momento de trânsito. Depois de cinco anos, o Pe. Antonio Bracht, do Brasil, membro do Conselho Geral dos Padres de Schoenstatt e Assistente Espiritual da União Feminina, deixou o cargo de Reitor do Santuário Original, e o Pe. Pablo Pol, da Argentina, tesoureiro geral de sua comunidade, assumiu o cargo. “Encontrar-me aqui neste momento é uma surpresa para mim, não esperava chegar à Alemanha há alguns meses“, admitiu na sua breve saudação pronunciada em espanhol e inglês.

Houve um momento de sincera gratidão ao Pe. Antonio Bracht, com palavras, gestos e um presente especial: uma telha do Santuário Original (sim, uma dessas famosas renovações de telhado há muitos anos – foi em 2001 N.T – que na época foram enviadas a tantos Santuários em construção); e uma pedra do interior da parede lateral – onde estava a lareira e onde, noutra renovação, milhares de cartas foram depositadas em papel e milhares mais foram guardadas numa pen.

O Santuário é uma missão, uma missão para aqueles que têm o dom de viver na sua proximidade, um dom que se faz tarefa para tantos que, nem sempre ou nunca, chegam até ele. “Estavas no Santuário Original”, pergunta Catalina Hutt, da Costa Rica, ao ver uma foto do momento no Instagram. “Sim, uma visita fugaz, directamente do escritório em Colónia… – Não te esqueças de rezar por nós”, respondeu. Como tantos e tantos outros. “Apresentei o meu telemóvel à Mãe Santíssima, dentro dele tenho-vos a todos vocês”, disse-lhe eu. “Vou contigo no teu telemóvel…”, respondeu. O Santuário é sempre uma missão.

Todos juntos pelo Santuário Original

Simbolicamente, o Pe. Antonio Bracht entregou a chave do Santuário Original ao Pe. Pablo Pol. É uma pequena chave para um pequeno Santuário. Tão pequeno que é sempre pequeno; tão pequeno que já entre os primeiros Congregados havia quem pensasse em demoli-lo para dar à Mãe de Deus uma igreja maior; tão pequeno que, às vezes, é preciso lembrar que é a coisa mais santa e importante que temos em Schoenstatt. Portanto, a nossa colaboração para o Santuário Original é mostrar e demonstrar, vitalmente e apostolicamente, que este pequeno lugar é a nossa casa comum e a nossa fonte específica de graças. Sem o Santuário não somos nem podemos agir como Família do Pai, nem como Movimento Apostólico ao serviço da Igreja e da sociedade.

O Pe. Pablo Pol expressou claramente o seu desejo de que todos nós colaboremos para fazer brilhar o nosso Santuário Original, neste lugar e em todo o mundo, entre aqueles que o visitam como peregrinos, fisicamente, e aqueles que o fazem espiritualmente. “Vou contigo no teu telemóvel…”.

Depois da celebração, todos foram convidados para um encontro com alguma coisa para jantar na Casa dos Peregrinos. Antes disso, o Pe. Pablo cumprimentou muitos pessoalmente ; o mesmo foi feito pelo Pe. Pablo. A seguir, houve uma saudação e partilha entre os presentes, que foi aumentando, quando apareceram pessoas da Argentina e da Alemanha, que se encontraram há alguns meses na JMJ no Panamá, os participantes da Jornada de Hoerde, da Espanha, e uma peregrinação do Paraguai que chegou justamente naquele momento.

O Santuário Original é uma missão, uma missão internacional, uma missão para todos e para sempre, assim como foi gravado, novamente, no coração, esta tarde, ao ouvirmos as palavras do Acta de Fundação, no Santuário:

 

 

Não seria possível agora a capelinha da nossa congregação tornar-se como que o nosso Tabor, no qual se revele a glória de Maria? Não podemos, sem dúvida, realizar uma ação apostólica maior, não podemos legar aos nossos sucessores uma herança mais valiosa do que levar Nossa Senhora e Rainha a estabelecer aqui, de maneira especial, o seu trono, a distribuir os seus tesouros e a operar milagres da graça. Imaginais aonde quero chegar: gostaria de transformar este lugar num lugar de peregrinação, num lugar de graças para a nossa casa, para toda a província alemã e talvez para mais além. Todos os que aqui vierem para rezar devem experimentar as glórias de Maria e confessar: «Que bom é estar aqui». Queremos construir aqui tendas, este deve ser o nosso lugarzinho predileto! Uma ideia ousada, talvez ousada de mais para o público em geral, mas não ousada de mais para vós. Quantas vezes, na história mundial, as coisas pequenas e insignificantes foram fonte de coisas grandes e maiores? Porque não poderia acontecer o mesmo no nosso caso?” Quem conhece o passado da nossa congregação não terá dificuldade em acreditar que a Providência Divina tem planos especiais a seu respeito.”

 

Peregrinos do Paraguai chegando a Schoenstatt, 15/08/2019

Original: espanhol (16/8/2019). Tradução: Lena Castro Valente, Lisboa, Portugal

Etiquetas: , , , , , , ,

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *