Hospital de campo

Posted On 2022-03-21 In Francisco - iniciativos e gestos, Francisco - Mensagem, Igreja - Francisco - movimentos

A Igreja, um hospital de campanha

FRANCISCO •

A palavra do Papa Francisco sobre a Igreja como hospital de campanha está a tornar-se mais actual com a sua visita ao hospital “Bambino Gesu”, o “Menino Jesus”. Desde o início da guerra, 50 crianças da Ucrânia chegaram ao hospital do Papa. A 19 de Março, o Papa Francisco visitou os 19 que ainda precisam de tratamento. —

É a verdadeira face da guerra: duas raparigas sofreram a amputação de um braço ou mão, duas outras têm um traumatismo craniofacial muito grave. São 4 raparigas de Bucha, uma aldeia a 50 km de Kiev. Estavam a tentar sair com as suas famílias através de um corredor humanitário que não foi respeitado e foram alvejados por soldados russos, segundo um dos seus pais, que explicou ao hospital italiano. Uma ambulância voluntária levou-os numa viagem de 48 horas até Roma.

Na mesma manhã de sábado, o Papa recebeu dois grandes coros infantis italianos com as suas famílias. O Papa pediu-lhes que rezassem pelas crianças ucranianas no Hospital do Menino Jesus. “Rezem por eles. Gostaria de dedicar este encontro às crianças e jovens da Ucrânia, OK?”, propôs Francisco aos seus pequenos visitantes.

O Papa rezou espontaneamente com os estudantes, como se segue: “Senhor Jesus, rezo pelas crianças, pelas raparigas, pelos jovens, pelas jovens mulheres que vivem sob as bombas, que vêem esta guerra terrível, que não têm comida, que têm de fugir das suas casas, tudo. Senhor Jesus, olhai para estas crianças, estes jovens: olhai para eles, protegei-os. Eles são as vítimas da arrogância de nós os adultos. Senhor Jesus, abençoai estas crianças e protegei-as”.

hospital de campo

Um massacre sem sentido

Depois de rezar o Angelus, Francisco recordou novamente que “a terrível agressão contra a Ucrânia não pára”, que ele definiu como “um massacre sem sentido, onde todos os dias vemos atrocidades. Não há justificação para isto. Acima de tudo, apelo à comunidade internacional para que ponha fim a esta guerra repugnante”.

“Esta semana, caíram mísseis e bombas sobre civis, velhos, crianças, mulheres grávidas… Fui visitar as crianças feridas aqui em Roma. Falta um braço a algum, outro tem um golpe na cabeça… Penso nos milhões de refugiados ucranianos que têm de deixar tudo, e não têm possibilidade de escapar, tantos idosos separados das suas famílias, tantas crianças e pessoas frágeis deixadas a morrer debaixo das bombas, sem sequer encontrarem refúgio e protecção nos abrigos”, reflectiu ele.

“Isto é uma crueldade desumana e sacrílega”

“Isto é sacrílego, vai mais além e ataca a vida humana. Acima de tudo, aquela vida humana indefesa que já protegida, e não eliminada, e que tem prioridade sobre qualquer estratégia. Não esqueçamos, é uma crueldade desumana e sacrílega”, disse o Papa, que saudou os sacerdotes e especialmente o Arcebispo de Kiev, que “acompanhou o povo mártir da Ucrânia”. “Não nos habituemos à guerra e à violência”, gritou ele. “Não nos cansemos de acolher com generosidade, como está a ser feito, não só na emergência, mas nos meses vindouros, porque sabem que no início todos nos preparamos para ajudar a todos, mas depois os nossos corações arrefecem um pouco, e esquecemos”.

“Convido todas as comunidades e todos os fiéis a participar no dia 25 de Março, Solenidade da Anunciação, pelo Acto de Consagração da Ucrânia e da Rússia ao Coração Imaculado de Maria, pela paz na Ucrânia e no mundo inteiro”, concluiu.

 

“Vejo claramente o que a Igreja mais precisa hoje em dia: a capacidade de curar feridas e de aquecer o coração dos fiéis, o calor e a proximidade.Vejo a Igreja como um hospital de campanha após uma batalha.É inútil perguntar a uma pessoa gravemente ferida se tem colesterol ou açúcar elevado no sangue! Temos de curar as suas feridas. Depois podemos falar sobre o resto.

Curar as feridas, curar as feridas….E temos de começar a partir de baixo”.

Papa Francisco, 19/3/2013

 

Original: espanhol (20/3/2022). Tradução: Lena Castro Valente, Lisboa, Portugal

Tags : , , , , ,

Leave a Reply

Your email address will not be published.