santa cruz do sul

Colocado em 2022-09-18 In Santa Cruz do Sul, Vida em Aliança

E tu, pequeno Santuário, de modo nenhum és o menor no Reino de Deus

BRASIL, María Fischer/ Ruy Kaercher •

“Ajuda-me a compreender o que é difícil como um apelo a continuar a construir o Santuário”, cantaram milhares de mulheres em 1995, no 75º jubileu do Ramo das Mulheres Profissionais, motivadas pela ideia que marcava o caminho para este jubileu: o Santuário de Dachau, ou concretamente, transformar os Dachau de hoje em Santuários, “santualizar” o mundo do trabalho. O seu ansiado “Santuário” era um sem telhado e paredes, era o desejo de facilitar a experiência do Santuário no mundo real. A porta de vidro do Santuário da Santa Cruz, este Santuário que vive o seu próprio “Dachau” desde Outubro de 2020, faz eco a esta canção e a este anseio. —

Santa Cruz do SulNo dia 12 de Setembro, a festa do Doce Nome de Maria, o Santuário encheu-se de fiéis para a Missa. “Reunimo-nos para a Missa no ‘antigo Santuário’… agora, a ‘Capela da Mãe Rainha’, a capela da Mãe e Rainha”, diz Ruy Kaercher, advogado do Santuário desde aquela noite de Outubro de 2020, quando as então proprietárias legais do terreno tentaram expulsar a Mater do Seu Santuário, retirando o altar, a Imagem de Graças, os bancos, as estátuas de São José e São Miguel, o Símbolo do Pai…. Mas Ela, que canta ao Deus Poderoso que faz descer os poderosos dos seus tronos e exalta os humildes, mostrou que não dependia de todos estes elementos para estar presente onde Lhe foi pedido para estabelecer a Sua morada. Podiam tê-la deixado numa morada vazia, numa morada que no fim já nem tinha porta nem janelas… mas Ela ficou. Ela ficou, pois a única coisa que faz de um lugar um Santuário não lhe faltou: o amor real, concreto e de facto dos Seus aliados, dos Seus peregrinos.

Para preservar a fecundidade deste abençoado lugar santo”

“Não é assim? Não é este pequeno Santuário, literalmente, o foco em que valorizamos hoje o nosso pensamento e o nosso sentimento? E porque este lugar abençoado deve ser, por evidente desígnio divino, frutuoso, abençoado, superabundantemente abençoado, é por isso que vemos inúmeras pessoas, nobres em espírito, reunidas em torno deste lugar. Pessoas que no último ano ofereceram corpo e vida ao Deus eterno (…) para preservar a fecundidade deste abençoado lugar santo”, disse o Pe. Kentenich em 1941. Parece falar destes schoenstatteanos e peregrinos de Santa Cruz do Sul.

“Agimos por conta própria”

Há algumas semanas atrás, o Santuário foi “oficialmente” rebaptizado “Capela da Mãe e Rainha”, porque, segundo a ideologia das Irmãs de Maria de Schoenstatt locais, não pode haver dois Santuários de Schoenstatt na mesma cidade, ou mais precisamente, não pode haver um Santuário onde elas não estejam. O que importa o nome. Durante anos, os primeiros schoenstatteanos só falavam da “pequena capela”. O que era importante era a convicção do agir da Mãe Três Vezes Admirável dentro e fora deste lugar. As “asas” desta capela espalharam-se sobre as trincheiras da guerra, sobre nações e povos… A história do Santuário de Schoenstatt começa com a fé dos primeiros e com o seu testemunho.

“E tu, Belém, terra de Judá, de modo nenhum és a menor entre as principais cidades da Judeia…(Mt 2,6)

O que acontece com Belém é que move o nosso coração inconscientemente para o nosso pequeno Santuário: Tu, pequeno santuário, lá em baixo, no vale, lá em Santa Cruz do Sul, não és, de modo nenhum, o menor no Reino de Deus, do qual o Espírito de Deus quer irradiar para renovar o mundo no Espírito Santo”.

Desde há algumas semanas, com a abertura da escola que agora funciona na antiga casa do Movimento e na antiga casa das Irmãs de Maria, o Santuário recebeu pintura, janelas simples, um pequeno altar, alguns bancos, uma porta de vidro.

O mais importante: mais uma vez acolheu os seus peregrinos. “Estamos a agir por conta própria”, diz Ruy, “as Irmãs tentam de todas as maneiras impedir-nos de fazer “outro” Schoenstatt local, mas será impossível… elas podem até tentar, mas “lá a Mater cuidará disso perfeitamente”.

Olhando para as fotografias desta Missa de 12 de Setembro, ouvimos o Pe. Kentenich dizer nas palavras desse discurso de 9 de Março de 1941:

“Quantas pessoas rodeiam e se reúnem à volta do nosso Santuário! O Santuário é para elas o símbolo do divino, do que é verdadeiramente cristão”.

Viva o Santuario!

Santa Cruz do Sul

Santa Cruz do Sul. Peregrinemos ao Santuário, em Aliança Solidária

Tradução do discurso do Pe. Kentenich: Paz Leiva, Madrid, Espanha @schoenstatt.org

 

Original: castelhano (18/9/2022). Tradução: Lena Castro Valente, Lisboa, Portugal

Etiquetas: , , , , , , , ,

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.