Colocado em 9. Setembro 2018 In Missões

“Deus nos queria cúmplices e não atores”

COSTA RICA, Rafael e Jessica Pérez de Araya / Michelle Ramirez •

Missão de Monterrey 2018: Toda nova ação gera medo, incerteza e questionamentos internos por não saber o que Deus quer de nós e qual é sua vontade. No entanto, isso nunca diminuiu nosso desejo de servi-lo. —

Com entusiasmo, nos preparamos espiritualmente para essa importante tarefa, depois que recebemos a primeira ligação em fevereiro passado. Apesar disso, dias antes de começar a missão, começaram a atravesar no caminho situações para complicar nossa participação, mas nunca perdemos a esperança, muito menos pensar que não poderíamos comparecer. Tudo estava nas mãos de Deus e da nossa Mãe do Céu e, pouco a pouco, sem muito esforço da nossa parte, tudo foi resolvido. Começamos nossa primeira missão, a Monterrey de San Carlos, a três horas da capital, San José, onde moramos. Também visitamos cidades próximas, como La Garita, a mais distante, a uma hora de Monterrey.

Em barraca …

Por muitos anos, queríamos ir acampar com nossos filhos e nunca pudemos fazê-lo. Mas a Mãe Rainha usa muitas maneiras de nos agradar e, graças às Missões, conseguimos realizar o nosso sonho. Deus sempre concede os desejos de nosso coração se confiarmos em sua proteção.

 

Seja como crianças para entrar no reino dos céus

Sabemos que quando damos um serviço, acabamos recebendo mais. Sem dúvida, nesta ocasião, Deus nos impressionou com as ações das crianças e jovens que nos acompanharam.

No primeiro dia da missão, Fiorella (14 anos) e Eber (21 anos), vizinhos de San Miguel e La Garita, respectivamente, se apresentaram e descobriram neles dois jovens desapegados e seviciais. Fiorella fez a missão conosco, casa por casa, guiando-nos e nos dando informações sobre as famílias antes de visitá-las.

Eber, que colaborou na cozinha para o nosso almoço, perdeu a mãe em 24 de dezembro e seu irmão em 31 de dezembro do mesmo ano, quando ele tinha dez anos de idade, ficando sozinho com um de seus irmãos. Graças às deliciosas sobremesas preparadas com tanto carinho por  Eber, nós nos encontramos Francini, uma menina de cerca de oito anos, encantadora e glamorosa, que com todos os seus amigos, comeram toda a sobremesa que restou.

“Cúmplices e não atores”

Ao anoitecer, eles nos pedirram e fomos visitar o que achávamos que seria a última casa, onde uma viúva e seu filho moram. No entanto, como graça das missões, sentimos em nossos corações assim como os outros quatro missionários, a necessidade de visitar mais uma última casa. Nós não sabíamos que uma experiência que marcaria nossas vidas nos aguardava.

Lá fomos recebidos por Joselyn, uma menina de seis anos, cheia de vida. Enquanto todos nós rezamos juntos para as necessidades da família, ela timidamente levantou a mão, querendo dizer alguma coisa. Quando perguntamos o que ela queria pedir a Deus, ela nos disse: “Uma bíblia”. Sem hesitar, respondemos que Ele iria conceder seu desejo,que não se preocupe. Imediatamente começamos as orações para que Deus nos usasse como instrumentos e para que Joselyn pudesse ter sua Bíblia.

A Providência não se fez esperar, e no dia seguinte chegou uma Bíblia de San José com linguagem adequada para crianças, cujos donos já haviam decidido doar por já há algum tempo. Sem pensar, queríamos entregar o presente que a Divina Providência nos trouxe, apesar do tempo de viagem (duas horas, entre ida e volta).

Quando voltamos para a casa de Joselyn, eles não estavam lá, eles haviam saido. Apesar de não poder  ver seu rostinho cheio de vida, deixamos sua Bíblia para Crianças em uma cadeira ao lado de seus sapatos. Regressamos cheios de alegria por podermos deixar-lhe o que tanto ansiava e pensávamos que “Deus nos queria cúmplices e não atores” deste presente descido do céu …

Quem é ela? E sua resposta foi: Mamãe

Como se não tivéssemos vivido intensamente no primeiro dia de missões, começamos por visitar uma casa onde havia um menino de dois anos. Ao entrar com a imagem da Mãe Santíssima, a irmã pergunta: Quem é Ela? E a resposta dele foi: “mamãe”. Cheio de alegria, ficamos sem ar! Como quando o padre Alexandre Awi perguntou ao papa Francisco: “Quem é a Virgem para você?” E ele respondeu: “Ela é minha mãe”, que foi o título do livro.

Nós levamos em nossos corações todas essas experiências e outras mais, acreditando firmemente na passagem bíblica que diz: “Em verdade vos digo, se não vos tornardes como crianças, não entrareis no reino dos céus” – Mateus 18: 3

Original: Espanhol. 06 de Setembro  2018. Tradução: Glaucia Ramirez, Ciudad del Este, Paraguai

Etiquetas: , , , ,

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *