Colocado em 2020-09-11 In Schoenstatteanos

Faleceu o Pe. Antonio Arbulú, do curso fundador da União dos Sacerdotes Diocesanos de Schoenstatt no Peru

PERU, Pe. Alberto Celis com Maria Fischer •

Na véspera da Natividade de Maria, dia 7 de setembro, faleceu o Pe. José Antonio “Toño” Arbulú Atoche, membro do curso fundador da União dos Sacerdotes Diocesanos de Schoenstatt no Peru. “Padres em Maria, em fidelidade à missão”. A fundação da União dos Sacerdotes Diocesanos foi um anseio de muito tempo e que se concretizou no final do ano de 2017 com a consagração deste primeiro curso. Agora, o primeiro deles, entregou sua vida “em fidelidade à missão”. —

Primeiro curso no Peru

Já tendo a saúde delicada há algum tempo, o Pe. Antonio Arbulú Atoche foi internado com um possível quadro de COVID-19 no início do mês de setembro, sendo sempre acompanhado pela oração confiante de seus irmãos da União e de muitos schoenstattianos no Peru.

“Schoenstatt estará sempre muito agradecido ao padre Toño. Ele levou o movimento ao Callao e sempre esteve generosamente disposto a acompanhá-lo e a servi-lo, com Missas no santuário. Apesar da grande distância, ele sempre as assumia inumeráveis vezes”, diz o Pe. José Luis Correa, quem durante muitos anos reuniu sacerdotes diocesanos interessados em Schoenstatt. “No sótão do santuário, na ‘sala do pai’ temos dois presentes dados ao movimento por Toño: os quadros da Mãe e de São José assinados por seu autor, o pintor Luigi Crosio.

José Antonio pertenceu ao curso fundador da União dos Sacerdotes Diocesanos de Schoenstatt do Peru. Inumeráveis vezes participou em encontros para sacerdotes diocesanos na casa de retiros no Santuário da Mãe em Bellavista em Santiago do Chile.

Generoso e sempre entregue aos jovens e aos adultos, aos irmãos sacerdotes e às religiosas, foi um grande pastor. Ordenado sacerdote por são João Paulo II em sua visita pastoral ao Peru, o querido Toño Arbulú viveu o seu ser sacerdote de Jesus Cristo inspirado no padre Kentenich. Como ele, também sofreu no corpo e na alma. De saúde frágil e no outono de sua vida, não foi bem tratado por quem foi bispo por pouco tempo (graças a Deus) em sua querida diocese de Chalaca, da qual foi Vigário Episcopal.

Posso atestar sua amabilidade, fraternidade e humildade, pois fui acolhido muitas vezes em sua casa paroquial em Bellavista, Callao”.

Santuário de Schoenstatt, Lima, Peru

“O Pe. Antonio foi um sacerdote santo”

“O Pe. Antonio foi um sacerdote santo. Sempre preocupado pelos seus”, escreve a Irmã M. Amelia, de Bellavista, Chile. Ela o conhecia desde o seu trabalho no Peru. “Foi um sacerdote que viveu sua entrega fiel à sua igreja, que compreendeu Schoenstatt profundamente e consagrou sua vida fecunda à Maria. Foi uma alegria conhecê-lo e compartilhar alguns momentos. No Cenáculo rezo por ele”.

“Compartilhamos esperançosos a Páscoa de nosso irmão José Antonio Urbulú, com a certeza serena que nos dá a Aliança de Amor com Maria: “Servus Mariae nunquam peribit”! Que a Mãe receba sua Paixão e sua Páscoa como um capital de graças para atrair os corações sacerdotais ao mundo de Schoenstatt e à nossa comunidade da União. Pe. José Antonio Urbulú, Cruz Negra do Callao!”, escreveram os padres Maximiliano Bartel, presidente da região Padres del Plata e Martín Aversano, delegado para o acompanhamento da Pro-Região Peru.

No dia 8 de setembro foi oferecida a Santa Missa por ele no Santuário de Schoenstatt em Lima, seu santuário.

Original: Espanhol (10/9/2020). Tradução: Luciana Rosas, Curitiba, Brasil

Etiquetas: , , , , ,

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *