Colocado em 2016-01-18 In Schoenstatteanos

Faleceu Hernán Krause, da geração fundadora de Schoenstatt na América Latina

CHILE, por Juan Enrique Coeymans •

Na terça-feira, 12 de janeiro, morreu Hernán Krause. Foi um dos que apoiaram a fundação do Movimento de Schoenstatt no Chile, Argentina, Paraguai, Bolívia e Equador. Um dos que levou mais a sério a missão de 31 de maio. Poderíamos quase dizer que foi um apóstolo do 31 de maio.

Pertenceu ao primeiro grupo que assessorou o Pe. Ernesto Durán em 1950, cujo ideal era ser fogo: “Sicut Luminis sui claritatem infundet” (inspirado no Refrão Pascal: “luminis suis claritatem infundens”: “Como a luz, difundindo a sua claridade”), chamado também os “Caballeros del Fuego”, grupo no qual quase todos se decidiram pelo sacerdócio ao serviço de Schoenstatt. Ele foi praticamente o único que permaneceu laico.

Durante os seus 65 anos de pertença a Schoenstatt fez honra ao seu ideal: foi luz e fogo e acendeu muitos corações. Luz pascal e fogo de Cristo e de Maria.

Um médico dos pobres

12509505_1668585686718090_3046106017238049136_nCom ele se iniciaram os primeiros tempos de Schoenstatt no Chile e na América Latina. Foi um laico consagrado: optou pelo celibato oferecido a Deus que o levou a entregar-se às pessoas num apostolado de acompanhamento e proximidade humana muito fecundo. Só que foi feito sem alarido, com fidelidade e mestria.

Era médico especialista em oncologia. Para muitos, em Viña del Mar onde desempenhou grande parte da sua vida profissional, foi um médico dos pobres, porque sem que ninguém soubesse, não cobrava às pessoas de poucos recursos. Ficávamos a saber muito depois por outras pessoas, nunca por ele

Quanto lhe devemos por termos saído de momentos duros com a sua companhia e conselho, quantas conversas para sonhar com a construção de um mundo mais de acordo com o querer de Deus na vida diária, no trabalho, nas vinculações humanas, sem ruído, com o silêncio próprio de Nazaré.

Parte alguém que é símbolo dos fundadores de Schoenstatt no Chile.

“Grava o teu coração na capelinha e conhecerás o segredo de Schoenstatt”

Ele, que foi sempre um fogo ardente acendendo os corações de outros, viveu a cruz de uma profunda depressão nos seus últimos anos, e depois uma agonia crucificada de algumas semanas até morrer.

Agora continuará a ajudar-nos do céu, sem o silêncio e as angustias do seu último tempo, com a alegria de estar no Schoenstatt eterno, junto de Deus Uno e Trino e de Maria, a sua querida Mater, do nosso fundador, o Servo de Deus, Padre José Kentenich e de todos os seus seres queridos e irmãos de Schoenstatt, a quem tanto ajudou e que já partiram. Ali com um rosto transfigurado e resplandecente, é daqueles que sem fazer ruído, num humilde serviço aos outros entram no gozo do seu Senhor, pedirá por nós que ficamos, para que um dia nos reencontremos no coração de Deus que é puro amor e misericórdia.

Hernán, como milhares e milhões de cristãos anónimos no Chile e no mundo, através do seu incansável apostolado em Schoenstatt, foi um construtor da Igreja, às vezes tão vilipendiada pelos seus pecados e delitos de alguns, mas que se edifica dia a dia no amor humano, no serviço aos que necessitam, na generosidade silenciosa e perseverante.

O primeiro presente que recebi foi seu: uma pequena imagem da Mãe e Rainha a preto e branco com uma dedicatória no verso. “Grava o teu coração na capelinha e conhecerás o segredo de Schoenstatt”. Essa frase retrata-o de corpo inteiro: a sua vida de entrega não é senão o fruto fecundo da sua ancoragem na nossa Capelinha, no nosso Santuário de Schoenstatt.

Original: espanhol. Tradução: Maria de Lurdes Dias, Lisboa, Portugal

 

Etiquetas: , , , ,

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *