Colocado em 4. Novembro 2012 In Jubileo 2014

As “Tendas de Cultura de Aliança”, o núcleo dos festejos de 2014

CHILE, María José Prado R. No triénio de peregrinação espiritual rumo ao Jubileu 2014, celebrámos o ano da corrente do Pai e da corrente do Santuário que terminou há pouco. Neste 18 de Outubro demos início ao ano da corrente missionária no qual todos estamos chamados a participar ativamente, quer seja como promotores, revitalizadores ou colaboradores de algum dos muitos projetos apostólicos que foram surgindo ao longo destes 100 anos como fruto da fecundidade da Aliança de Amor com Maria.

Imaginamos que alguém que ouça um schoenstattiano falar com entusiasmo de “2014”, poderá pensar que nos preparamos para comemorar um feito que aconteceu há 100 anos na Alemanha da primeira guerra quando um grupo de jovens liderados pelo nosso Pai Fundador, refugiados numa modesta capelinha, se encomendava à proteção de Maria.

Para nós, contudo, o 2014 é muito mais que uma festa para recordar o nascimento do Movimento de Schoenstatt. O 2014 é para os schoenstattianos um jubileu; o prazer de constatar a abundância dos frutos que essa singela e profunda Aliança de Amor com a Mater colheu no mundo inteiro ao longo de um século, e sobretudo o privilégio e a alegria imensa de poder contribuir hoje mediante a nossa missão apostólica plasmada em diversos projetos, atividades ou instituições concretas do nosso país, a multiplicar os frutos que se seguirão durante os próximos 100 anos.

Pondo em prática o ensinamento recebido do Pai Fundador: “Com a mão no pulso do tempo e o ouvido no coração de Deus”, chegou-se à convicção de que os âmbitos da nossa vida através dos quais podemos tornar visível em obras concretas o nosso selo apostólico e missionário são: o Matrimónio e a Família, a Juventude, a Igreja a Educação e a Sociedade.

Assim, as frases “Nada sem nós” e “Dilexit Ecclesiam” com as quais durante tantos anos recordámos o Padre Kentenich, são mais importantes que nunca, pois materializam-se no que oferecemos como dádivas de Aliança que plasmam o compromisso rumo a uma cultura de Aliança expressa em toda a atividade apostólica e missionária nos distintos âmbitos em que participamos.

“Tendas de Cultura de Aliança”

No marco desta celebração internacional, os projetos – que serão mostrados nas chamadas “Tendas de Cultura de Aliança” que têm como lema “Tua Aliança, nossa missão – constituem o núcleo das festividades de 2014 pois são a expressão concreta da riqueza dos frutos de cada país, de acordo com a sua realidade e originalidade, surgiram como uma oferta que Schoenstatt faz à Igreja, pois muitas das iniciativas foram iniciadas por pessoas ou grupos de algum Ramo do Movimento ou foram fruto do chamamento ou da inspiração da Mater ou do Santuário a favor de quem mais necessita. Estes projetos serão compilados num documento e entregues no dia 25 de Outubro de 2014 ao Santo Padre em Roma como a oferta de Schoenstatt à Igreja, simbolizando a marca deixada pelos primeiros 100 anos de vida do Movimento e o fecundo caminho que, pela Mão de Maria, esperamos percorrer durante os 100 anos vindouros.

Os projetos, fruto da atividade apostólica e missionária, plasmam-se em cinco âmbitos da nossa vida.

1. Matrimónio e Família

“Tudo o que alcançarem em benefício da família, mostrará a sua eficácia movendo muitos homens e o interior da sociedade. O futuro da Igreja e do mundo passa pela família”, João Paulo II ao Movimento de Schoenstatt.

O trabalho com os matrimónios e as famílias – célula germinal da sociedade – é o essencial para o Movimento de Schoenstatt pois dá vigor às relações familiares contribuindo para o fortalecimento de cada ser humano e o conjunto da sociedade, levando ao desenvolvimento de uma personalidade madura que vive com responsabilidade as suas relações com o mundo que o rodeia. Definitivamente, trata-se de chegar a descobrir, cultivar e formar o casamento como uma vocação de vida.

2. Juventude

“A geração fundadora de Schoenstatt era integrada por um grupo de jovens e pelo próprio Padre Kentenich, que tinha apenas 28 anos de idade em 18 de Outubro de 1914. Ele acreditava na força dinâmica e criadora da juventude para impulsionar o desenvolvimento de Schoenstatt ante os desafios do tempo”.

Os jovens encontram-se numa etapa da vida que lhes impõe grandes mudanças e desafios, ao mesmo tempo que assumem diversas responsabilidades em âmbitos como a política, economia, religião e ação social, a partir dos quais contribuem eficazmente para a criação de uma nova ordem social.

Neste contexto, Schoenstatt acompanha-os e oferece-lhes apoio e orientação para cultivar uma personalidade livre e sacerdotal que favoreça uma espiritualidade vivida e um mundo de vínculos no qual descubram e desenvolvam o seu próprio potencial para realizar as suas atividades com amor, compromisso e autonomia, usando as suas forças físicas, intelectuais e espirituais na planificação e implementação de projetos para a promoção de valores cristãos na sociedade.

3. Pedagogia

“Educar significa servir desinteressadamente os outros” (P. José Kentenich)

O P. Kentenich foi um sacerdote pioneiro na arte de unir a teologia, a psicologia e a pedagogia num conceito integral que une fé e vida, selo da pedagogia kentenikiana. O seu profundo amor paternal e a sua confiança na pessoa humana, fizeram com que ao longo do seu trabalho apostólico desenvolvesse um estreito vínculo com a comunidade que se formava graças às suas pregações, conferências, jornadas pedagógicas, escritos e acompanhamento espiritual, quer se tratasse da educação de crianças, da formação de adultos, da criação de comunidades ou de qualquer outro campo da pedagogia abrangendo também temas de política, economia e outras disciplinas.

4. Igreja

Como movimento de renovação de Schoenstatt vê como tarefa principal a proximidade à Igreja local e universal, para poder frutificar nela com o seu carisma e ao mesmo tempo deixar-se fecundar por ela mesma.

Para o Movimento é de vital interesse atender e participar ativamente nas propostas da Igreja mundial pois o trabalho conjunto com as paróquias, outras comunidades religiosas, laicos, casais e funcionários públicos de todos os níveis, têm um elevado valor e combina forças e carismas permitindo um crescimento enriquecedor que se propaga como uma corrente de amor entre as famílias, crianças, jovens, idosos, trabalhadores, doentes, desamparados, imigrantes, mulheres donas de casa, e todos aqueles que anseiam ou estão abertos a experimentar Deus de umas maneira pessoal. Assim, Schoenstatt é um instrumento evangelizador através dos seus Santuários, ermidas e capelas, onde Maria de derrama as suas graças com abundância, e onde se geram e desenvolvem profundas experiências de fé.

5. Uma nova ordem social

“O cristianismo é uma força transformadora da realidade. Se não se compromete com a história, é uma devoção inócua”. P. Horacio Sosa (+ 2007) numa Jornada Social.

O P. Kentenich dizia: “Não pode existir uma educação verdadeira sem o reconhecimento dos grandes problemas sociais do nosso tempo e sem o manobrar dos meios idóneos para os superar. Devemos ter um pensamento com atitude social, que consiste na consideração pelos demais, em ter compaixão pela miséria alheia para dar uma pronta e oportuna resposta, baseada no amor e na bondade.

A renovação religiosa e moral do mundo deve conduzir à solução da questão social que Schoenstatt – procura edificar uma Cultura de Aliança que representa a nossa forma original de expressar o nosso estilo de vida e de trabalho: a nossa vinculação a Deus, às pessoas, à natureza e à cultura, à Igreja e ao mundo, sempre fundada na Aliança de Amor (Documento de Trabalho 2014) – trabalha pela construção de uma nova ordem social baseada em personalidades renovadas em Cristo. Homens e mulheres com uma profunda vida interior que os leve a assumir com responsabilidade a problemática concreta da época, pois não se trata apenas de obras sociais mas de um espírito social de virtude como o respeito, a dignidade, o amor, a paz, a solidariedade, a alegria. Porque acreditamos no bom que cada pessoa tem, na sua missão, na sua dignidade e no seu valor como filho de Deus.

Convite

Os distintos Ramos do Movimento, de acordo com a sua originalidade e circunstâncias e motivações particulares, ofereceram ao Chile muitas bênçãos através de instituições e projetos emblemáticos como Maria Ajuda, Editorial Nova Patris, missões familiares, colégios, pastoral para noivos, Madrugadores e tantas outras que esperamos possam ser dadas a conhecer através destas publicações e de outros meios de comunicação massiva.

Fonte: Vinculo, revista do Movimento de Schoenstatt do Chile – Outubro 2012. O texto foi redigido com material de schoenstatt.org (Cultura de Alianza) y www.schoenstatt2014.org (documentos del 2014) – Documento sobre las carpas de la cultura de alianza

Convida-se a apresentar os projetos nas tendas virtuais da cultura de aliança:
Guía/cuestionaria (pdf).
Enviar a: [email protected]