18 de octubre en Tuparenda

Colocado em 2021-10-24 In Vida em Aliança

Um 18 de Outubro diferente em Tupãrenda

PARAGUAI, redacção •

Houve pouco mais de mil peregrinos em Tupãrenda ao longo deste dia 18 de Outubro. O 18 de Outubro no Santuário Nacional do Paraguai é normalmente como um romance, com milhares e milhares de pessoas. Mas a pandemia mudou tudo. No ano passado, houve apenas uma celebração virtual. Devido às restrições sanitárias que, impedem a presença maciça dos fiéis em Tupãrenda, neste 18 de Outubro 400 pessoas assistiram a cada uma das Missas da manhã e do meio-dia, que foram celebradas no interior da Igreja de Santa Maria de la Trinidad.

Assim foi celebrado o 40º aniversário da bênção do Santuário. O lema da celebração deste ano é: “Do Santuário, forjando a Nação de Deus”, e as Missas foram celebradas por Monsenhor Joaquin Robledo, Bispo da Diocese de San Lorenzo, Padre Pedro Kühlcke, Padre Oscar Saldivar e Padre Martin Gomez Asencio.

A segunda Missa foi especialmente dedicada aos jovens. Foi presidida pelo padre Pedro Kühlcke, capelão do Centro Educativo de Itauguá e director do Centro de Reintegração pessoal e laboral “Casa Mãe de Tupãrenda”, situado nas mesmas instalações, que alberga jovens dos 16 aos 20 anos que foram encarcerados. Nesta instituição, durante nove meses, os jovens aprendem a melhorar a sua qualidade de vida e a realizar trabalhos de soft skills, horticultura, alfaiataria industrial e padaria.

A projecção social da Aliança de Amor

Durante a Homilia, o Pe. Pedro disse que “a juventude como o futuro de uma nação deve ser cuidada, educada com elevados valores e princípios morais, de acordo com a palavra de Deus”. Só assim poderemos desenraizar a violência, a corrupção e os males que afligem a nossa sociedade de hoje, porque os jovens são o futuro”.

Queremos que o Paraguai se torne cada vez mais “nação de Deus”. Se olharmos para a realidade do nosso amado Paraguai, vemos alguns sinais de esperança. Por exemplo, nesta última campanha para as eleições municipais, fiquei feliz por ver muitas caras novas, muitas pessoas empenhadas que, realmente queriam arriscar-se e querem arriscar-se por este novo Paraguai. A questão das listas desbloqueadas, um símbolo de mais democracia, de mais poder para o povo. Houve mudanças muito positivas em algumas cidades”, disse ele.

Mas também mencionou a outra realidade, a negativa, afirmando que as nossas campanhas políticas eram sempre sujas, mas esta última impressionou-o porque não só era suja mas também sangrenta. “Nos meus 16 anos de vida neste solo abençoado, nunca tinha registado que, literalmente, eles lutam até à morte pelo poder, que há candidatos mortos. Não me lembro disso. Havia sempre rios de dinheiro sujo, agora também há rios de sangue”, disse ele.

Também manifestou que “dói muito” ver pessoas corruptas serem novamente eleitas como se nada tivesse acontecido e perguntou: “De onde vem todo o dinheiro que é usado para pagar os votos? Aquele que paga para ganhar, rouba para continuar… ou algo do género, diz um ditado que anda muito por aí. Koa piko ñande paraguái jaipotáva? Ou será que queremos uma nação de Deus?” perguntou ele.

Fez então referência à forma de ver o poder e a política que muitas autoridades têm. Conhecemos várias pessoas que acreditam que são os donos do Paraguai, que acreditam que o Paraguai é sua propriedade privada. Há algo muito humano nesta luta pelo poder, estar nos primeiros lugares, mas há também algo muito demoníaco porque o poder perverte e o poder absoluto, absolutamente, como dizia um filósofo”, disse ele.

O padre lembrou aos fiéis que, para Jesus, poder é igual a serviço, o primeiro é igual ao último e tudo o resto vem do diabo.

Grande atenção dos meios de comunicação

Como todos os anos, os media estiveram presentes com entrevistas e reportagens, antes e depois do dia 18 de Outubro na imprensa nacional e em vários canais de rádio e televisão.

Embora seja uma sensação estranha ver os grandes terrenos do Santuário de Tupãrenda quase vazios a 18 de Outubro, esta “celebração em modo Covid-19” dá esperança. Os peregrinos regressaram, ainda não em grande número, mas voltaram. E que os meios de comunicação social destacassem a projecção social, especialmente da pregação do Pe. Pedro, é um sinal ainda melhor de esperança.

Original: espanhol (24/10/2021). Tradução: Lena Castro Valente, Lisboa, Portugal

Etiquetas: , , , ,

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *