Zeit

Colocado em 2021-08-14 In Vida em Aliança

Perder tempo, gastar tempo, ganhar tempo

H3M, Maria Fischer •

“Compreendo que existe uma diferença entre perder tempo e gastar tempo. Tal como desperdiçar dinheiro e gastar dinheiro não é a mesma coisa”. Estava a pensar nesta frase de uma História de Três Minutos da minha colaboradora e amiga Paz Leiva, ao relaxar no Domingo à tarde, na A3 vazia de carros, sob um sol radiante, “voando” em direcção a Würzburg. Voar, porque o tempo ganho em conversa com a minha companheira de viagem voou e, até o permanente engarrafamento de uma via, devido a obras na estrada, que o meu navegador me aconselhou a evitar, nem sequer existia.

Esta longa viagem tinha começado de forma completamente diferente, com chuvas torrenciais e engarrafamentos de trânsito de menos para mais e, novamente, engarrafamentos mais pequenos, de modo que, a hora de chegada calculada com escala em Würzburg e, depois para minha casa foi sendo cada vez mais atrasada, assim como a pausa para o café e a conversa com a minha passageira e o seu marido se iam reduzindo a zero.

E depois pára e os primeiros condutores saem. O meu sistema de navegação extrapola astronomicamente o alegado atraso … 190 minutos, 200 minutos, 360 minutos … “Um incidente”. O rádio de trânsito está silencioso. E agora? A minha companheira de viagem está ao volante desde o último intervalo, procuro no meu telefone, atrás e à direita passa, um carro ou outro em direcção à área de serviço, cuja entrada é apenas a 20 metros à nossa frente. “Inés, o túnel à nossa frente está fechado em ambos os sentidos devido a um alarme de incêndio. A auto-estrada está completamente fechada em ambos os sentidos”.

Agora dá a volta

Há algumas semanas atrás, o meu colega de trabalho disse-me que na área de serviço perto da nossa empresa por vezes vira-se para a estrada da granja … Não é realmente permitido, mas… A Waze vai encontrar a nossa posição imediatamente. Olho para o mapa. Há uma maneira de o fazer. Aqueles que dão a volta aqui, provavelmente farão o mesmo. No entanto, não são muitos. Devemos? Estamos a assumir o risco? Pensando melhor, a minha passageira diz: “E se não funcionar, voltaremos para a auto-estrada. Não terá mudado nada, mas pelo menos tentámos.

Por vezes, há apenas um momento para dar a volta. 20 metros mais à frente, e paramos sem qualquer perspectiva de continuidade.

Pronto, vamos. Descobrimos a estreita estrada agrícola. Um carro passa à nossa frente, nós atrás. Aterra numa estrada nacional. O navegador não sabe onde. Nós apenas conduzimos. Estrada estreita, muita superfície, e após alguns quilómetros voltamos a receber sinal GPS. Os carros que vêm na nossa direcção com placas numéricas de todo o país falam-nos de túneis bloqueados e dão a volta como nós. Após meia hora e mais de três horas de tempo ganho, estamos na já mencionada A3 vazia de carros e com mais tempo para boas conversas em Würzburg, onde café, bolo e outra breve conversa nos esperam.

Tempo ganho

E nós falamos. E continuamos a falar porque é o momento, porque nos sentimos bem, porque algo surge, porque Ele está no meio de nós nesta escuta e neste perguntar, dizer e pensar. Passamos todo o tempo que ganhámos e um pouco mais falando. Tempo ganho, tempo dado, tempo bem gasto. O último e mais pungente tema: mesmo que o que fazemos não mude nada, pelo menos tentamos. Nós tentamos. Uma e outra vez.

O dia seguinte é um dia de trabalho e é um pouco difícil. Não só devido à falta de sono, mas porque todas estas conversas continuam a ter impacto em mim, causando-me algo. Algo realmente bom. Uma rede nova e sólida. Uma confirmação de dar a volta na altura certa. Por vezes contra todas as regras.

 

Original: alemão (7/8/2021). Tradução: Lena Castro Valente, Lisboa, Portugal

 

Etiquetas: , , , , , ,

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *