Beby Asensio

Colocado em 2021-03-19 In Schoenstatteanos, Vida em Aliança

Beby Asencio de Gómez: Uma grande mulher, com Schoenstatt em sua alma… e em suas mãos

ARGENTINA, Claudia Echenique •

Na noite de quarta-feira, 10 de março de 2021, Beby Asencio de Gómez viveu sua Páscoa. No dia seguinte, um de seus filhos, Pe. Martín Gómez Asencio presidiu a missa no Santuário de La Loma, na qual familiares e amigos, jovens, adultos e idosos celebraram na Eucaristia “sua entrada na Vida”. “Neste lugar – disse o Pe. Martín – que ela amou de modo especial e pelo qual se consagrou e entregou toda a sua vida: neste Santuário, ela ofereceu tantas orações, capital de graça e de um modo especial, a cruz de sua doença que a afligiu em seus últimos anos… Neste lugar sagrado nos reunimos como Família da Providência para nos despedirmos e para confiá-la ao Pai eterno”. —

O que me impressionou quando conheci Beby Asencio

Beby Asencio de Gómez foi uma dos fundadoras do ramo feminino do Movimento de Schoenstatt no Paraná, Argentina, em 17 de agosto de 1959. Dois dias antes, seu irmão Quitito Asencio e seu futuro marido Hugo Gómez haviam fundado, com Elvio Gómez, o primeiro grupo de Schoenstatt no Paraná, com os famosos “ranchinhos”.

Ouvi esta história na casa de Beby e Hugo, quando em 2005, Ceferino Sain me convocou para gravar entrevistas com os quatro fundadores de Schoenstatt no Paraná. Naquela tarde, eles nos contaram sem pressa e com muitos detalhes, como a família de La Loma surgiu nos anos 50 e como cresceu a partir deste pequeno grupo de leigos que se apaixonaram pela proposta do Pe. Kentenich (que veio da corrente do Chile e de Córdoba) até se tornar uma aliança, vida e compromisso na grande Família da Providência que La Loma é hoje.

Desde aquele dia, vi Beby novamente em alguma festa de Sião acompanhando os Padres de Schoenstatt, em Novo Schoenstatt quando participou dos encontros de Mães e a última vez, em La Loma, em 2012. Cada vez que nos encontrávamos, eu via seu grande sorriso, seu tratamento caloroso e seu olhar transparente, tão cheia de Deus.

Ela e Hugo Gómez tiveram seis filhos homens. Dois deles são Padres de Schoenstatt, Martín Gómez Asencio (atualmente no Paraguai) e Beltrán Gómez Asencio (na Paróquia Santi Patroni em Roma).

Beby era uma mulher forte, comprometida, calorosa e maternal que tinha a aliança de amor e a mensagem de Schoenstatt tão profundamente gravadas que as irradiava para todos que se aproximavam dela. Sempre foi muito comprometida no Ramo das Mães, no Círculo Vocacional e com a Família de La Loma desde sua fundação.

Agradecemos a Deus pela vida de Beby, por sua entrega generosa e por sua fidelidade à Aliança de Amor e à missão de Schoenstatt a partir do Santuário de La Loma.

Beby y Hugo Gomez llevando ofrendas en la Fiesta de Sion

Beby e Hugo Gomez levando ofertas na Festa de Sião

Outro filho, o Pe. Beltrán, disse “Adsum” de Madri

A missa foi transmitida por YouTube para que muitos pudessem acompanhar a família Gómez Asencio e a família de La Loma de diferentes partes da Argentina e de outros países.

Um deles era seu filho, Pe. Beltrán Gómez Asencio, que viajava de Roma para a Argentina e pôde compartilhar a Eucaristia durante uma escala em Madri. Assim que a transmissão começou, escreveu no chat do YouTube: “Adsum! (Aqui estou). Também enviou uma mensagem que foi lida durante a missa, que dizia: “Damos graças a Deus por sua imensa força, coragem e integridade, um exemplo para todos nós. Fiel filha e esposa, irmã, mãe e avó sempre alegre, disponível e atenta a tudo. Agora continuará a tecer nossas vidas como até agora, deixando uma bela família, que é o melhor tecido que conseguiu, mesmo tendo que amarrar e desamarrar tantas vezes”.

Beby con su hijo el P. Beltrán Gomez

Beby com seu filho, o Pe. Beltrán Gomez

Vale a pena ler ou ouvir a homilia do Pe. Martin

Beby Asencio recibiendo la Comunión de su hijo P. Martin Gomez

Beby Asencio recebendo a Comunhão de seu filho Pe. Martin Gomez

As leituras bíblicas escolhidas para a missa também falaram muito sobre a Beby. A primeira foi tirada do livro de Provérbios (Prov 31,10-31) sobre a mulher forte; no salmo, todos cantaram a antífona “Como te retribuiremos por todo o bem que fizeste por nós? Em seguida, o texto do Apocalipse (Ap 21, 1-5) sobre o novo céu e a nova terra, e finalmente o Evangelho de São Mateus (Mt 5, 1-12) na passagem das Bem-aventuranças.

Eu os convido a dedicar alguns minutos para ler ou ouvir (abaixo) a homilia do Pe. Martin. Vale a pena! Não é apenas tocante ouvir um filho descrever “sua mamãe”, mas também a honra como uma mulher de fé profunda, coração puro, filha fiel e nobre servidora. E o fez a partir de “algumas frases da Palavra de Deus que, creio, ela viveu especialmente, nos transmitiu e deu testemunho com sua pessoa e sua vida”.

  • “Se não vos converterdes e não vos fizerdes como criancinhas, não entrareis no reino dos céus” (Mt 18,3). Mamãe foi uma criança, uma filha de Deus durante toda a sua vida. Viveu essa filialidade até o fim. (…) Sempre foi uma “filha fiel”: desde criança; desde jovem, quando se apaixonou pela Mãe de Deus e
    Beby y Hugo Gomez con un hijo en el Ranchito de la Mater

    Beby e Hugo Gomez com um filho no Ranchinho da Mã

    por Schoenstatt e ao longo de seus quase 56 anos de casamento e de maneira especial, experimentando a dureza de sua doença neste último trecho de sua peregrinação”.

  • “Bem-aventurados os puros de coração, porque verão a Deus” (Mt 5,8). Era uma mulher pura e nobre. Pura em seus pensamentos, sentimentos, intenções, atos. Era uma mulher diáfana e transparente e nessa pureza refletia a luz da bondade de Deus”.
  • “Bem-aventurada és tu que creste” (Lc 1,45). Esta fé que ela viveu toda sua vida, e junto com o papai, ela transmitiu a todos nós, sobretudo com sua vida, em gestos, em ações, em atitudes. (…) Eles nos ensinaram como crianças a rezar, a amar a Deus e a nosso próximo. Devemos a eles o dom de ter a Mãe de Deus em nossa casa no Santuário Lar e de ter recebido o carisma de Schoenstatt. De ambos recebemos um amor especial por São José (todos os seis filhos têm o segundo nome de “José”) e estou convencido de que a Mãe de Deus e São José vieram buscá-la neste ano dedicado a São José, no mês de São José e ontem, quando começou sua novena”.
  • “Alegrai-vos no Senhor sempre, repito, alegrai-vos” (Fil 4,4). Beby era uma mulher alegre, irradiava aquela alegria que a caracterizava. Sentiremos falta do seu sorriso, da sua alegria, das suas gargalhadas, aqueles olhos luminosos que mostravam a alegria de sua bondade interior”.

O Pe. Martin terminou sua homilia “com aqueles versos da bela canção que ela tanto cantava, como todos os da geração fundadora, e acredito que resumem toda a sua vida:

“Na vida e na morte
sou todo seu.
Tudo o que me pede,
Mãe, eu lhe dou.

Se quiser que eu caminhe por caminhos de luz,
ou marche carregando uma cruz dolorosa,
eu entrego tudo, alegrias e tristezas,
desde que seu Schoenstatt
floresça no meu lar”.

Obrigado, mamãe, por tudo; obrigado, Beby… até a eternidade!

Depoimentos e mensagens que refletem uma grande mulher

Durante a missa, houve muitas saudações e mensagens via chat no YouTube, do Paraguai, Alemanha e várias cidades da Argentina. Entre elas também estavam mensagens de Tita Rodríguez, Malusi Nin Mitchel, Maride e Ricardo López Naon, cujos filhos também são Padres de Schoenstatt. Houve também vários anúncios fúnebres no jornal ABC Color do Paraguai (ES), expressando condolências ao Pe. Martin.

Desde quinta-feira, tenho reunido vários desses testemunhos e mensagens que brotaram espontaneamente daqueles que conheceram a Beby. Compartilho alguns deles aqui.

<strong>Depoimentos</strong>
Conheci a Beby entre 1990 e 1994, quando fui irmão de curso de seu filho, Martin. Durante a prática do noviciado, tive a oportunidade de viver por seis meses ao redor do Santuário de La Loma, e descobri nela uma mulher extraordinária. Tinha um dom impressionante, era muito maternal. Éramos três seminaristas e nos recebeu como uma mãe, cuidou de nós, preocupava-se conosco. Com ela e Hugo conhecemos a história de La Loma, uma história de fidelidade permanente à Mãe de Deus, ao Santuário e eles a contaram com tanta felicidade! Beby era uma mulher de Deus, muito dedicada a Ele. Tinha uma presença sobrenatural muito grande, vivia muito profundamente na força da Aliança. Ela e Hugo eram dois pilares muito fortes do Santuário de La Loma. Estou muito certo de que Deus abriu as portas do céu imediatamente no momento de sua partida, pois esta mulher já tinha ganho seu “passaporte” para o céu. Sua vida é um belo e grande testemunho da perspectiva de Schoenstatt e como ser humano e em sua própria vida. Lembro-me dela com muito carinho e fiquei muito triste com a notícia.
Manuel Huapaya – Peru

O Pe. Beltrán está morando em Roma e o Pe. Martín também viveu conosco há alguns anos. No grupo da família italiana, estamos todos acompanhando-os com nossa oração e proximidade, apesar da distância.
Pamela Fabiano – Italia

Realmente ela era como o princípio materno em La Loma. Uma grande mulher, com Schoenstatt em sua alma… e em suas mãos.
Pe. José María García S. – Espanha

Querida Beby: obrigado por sua entrega fiel e generosa. Um grande abraço ao Hugo, Pe. Martín, Pe. Beltrán Luciano, Quitito e a toda querida Família Gómez.
Susana López – Buenos Aires, Argentina

Beby querida… Você já está na presença de Deus. Suas visitas com seu marido Hugo e seu irmão Quitito, durante muitos anos nas férias de agosto para semear sementes da Aliança, as sementes de Schoenstatt nas comunidades recém-nascidas de Corrientes e Chaco foram inesquecíveis. Muito obrigado por tanto! Que Deus console sua família.
Melba Ruiz e Pedro López – Corrientes, Argentina

Minhas condolências, Pe. Martin, pela partida de sua mãe. Belas palavras sobre sua vida e exemplo. Ela já desfruta da presença de nosso Pai celestial e da Mãe de Deus.
Sonia Zaracho – Paraguai

Artesã de tramas na terra e no céu

Dizem que Beby adorava tricotar, sempre tricô em suas mãos. Quero concluir esta coleção de testemunhos com um pequeno verso escrito por uma sobrinha, que compartilhava com ela sua paixão pelo tricô.

Para Beby:
Artesã incansável (desafiando pontos desafiadores, lançadas, voltas e reviravoltas…), doou a vida….
Teceu na terra os fios da trama famíliar, dos amigos e da comunidade.
Abraçou com seus olhinhos brilhantes cada detalhe, cada filho, cada neto, cada sobrinho… sempre atenta ao crescimento de cada um.
Leva estes fios ao mundo de cima… tece, imagina novas redes, faz desta nova forma um tecido de re-união entre o céu e a terra!
Voa alto, artesã de alma, desdobre os fios invisíveis das almas livres!
Nossos antepassados há muito tempo começaram este belo tricô.
Sustentada por esta confiança, permaneço com a força da vida.
A trama do amor continua…
                        – Tati, outra artesã de alma –

 

Texto da Homilia do Pe. Martín Gómez Asencio em PDF

 

Vídeo da missa: Santuário de La Loma

Misa en La Loma por Beby Asencio

Missa em La Loma por Beby Asencio

Original: Espanhol (14/2/2021). Tradução: Luciana Rosas, Curitiba, Brasil

Etiquetas: , , , , , ,

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *