Colocado em 2020-06-28 In A Aliança de Amor Solidaria em tempos de coronavírus, Vida em Aliança

Que felicidade voltar a ver-Te, Mater!

MÉXICO, Eduardo A. Shelley •

Passaram 15 domingos, 105 dias, desde que a última Missa foi celebrada no Santuário “Maria, Caminho para o Céu” em Monterrey, México. Entretanto, a tecnologia tem sido muito útil, uma vez que temos estado em contacto com os padres e a comunidade através de video chamadas e da transmissão das Missas e Terços a partir da Casa do Movimento, mas nada substitui a recepção presencial das graças do Santuário, especialmente a do acolhimento. É por isso que a Missa do Domingo, 21 de Junho de 2020 foi tão importante e comovente. —

Não foi uma tarefa fácil retomar as Missas presenciais depois do governo federal ter anunciado o “Dia Nacional da Distância Saudável” a 16 de Março. Agora, pouco a pouco, o confinamento começa a ser relaxado e o Estado de Nuevo Leon permite, a partir de 20 de Junho, as Missas presenciais, mas com muitas exigências e limitações.

 

Monterrey

Com todos os protocolos e precauções

Clarita, da comissão organizadora da Missa, comenta: “Senti-me um pouco nervosa para que todos os protocolos do Secretário da Saúde se cumprissem, pois para podermos começar como ministros tínhamos de fazer um curso online de duas horas e obter um certificado, mas graças a Deus estavam todos muito ordeiros”.

O espaço foi limitado a 50 pessoas, através de um rigoroso sistema de reserva electrónica e verificação da temperatura corporal à entrada. Os espaços entre assentos eram os prescritos pelo protocolo e a “distância saudável” de um metro e meio para comungar (na mão, claro, não na boca), sem negligenciar o uso abundante de gel desinfectante, entre muitas outras precauções.

 

Sentimentos mistos

Certamente que foi uma Missa diferente das que estamos habituados a ter no Santuário, que normalmente têm um calor que reflecte os fortes vínculos que partilhamos. É assim que Jorge o expressa: “Por um lado, senti muita alegria por estar no Santuário, por receber a Eucaristia e por ver os meus irmãos de Schoenstatt, mas o ambiente era frio, havia poucas pessoas e faltava ver e ouvir as crianças a correr, a falar e a chorar, ver as pessoas mais velhas, as pessoas que iniciaram Schoenstatt em Monterrey“. Apesar das restrições e medidas de controlo que foram tomadas, o sentimento geral era de alegria e de reencontro. Ricardo diz: “Após quase quatro meses sem vir ao Santuário, senti-me novamente em casa, em família e com a minha família, com uma paz e tranquilidade espiritual que há tempo não sentia”.  A sua esposa, Rosalba, confirma: “Senti-me muito feliz e emocionada porque regressei a casa para ver a Mater e recebi novamente a comunhão sacramental”.

Os Padres Guillermo Múzquiz e Carlos Padilla concelebraram a Missa, que também foi transmitida ao vivo no Zoom e no YouTube, enquanto o Pe. Andrés Espinoza administrou o sacramento da reconciliação, tão em falta em tempos de confinamento. Este reinício das Missas presenciais coincidiu com a celebração do Dia do Pai, e o Padre Carlos, na sua Homilia, falou da importância de confiar no Pai, especialmente quando nos sentimos receosos de uma ameaça desconhecida que pode afectar a nossa saúde, o trabalho, a economia, e sem dúvida as nossas vidas e as dos nossos entes queridos.

 

 

 

O ponto alto, é claro, foi a Eucaristia. A emoção insubstituível de receber Cristo no Santíssimo Sacramento foi enorme, como confirmam os testemunhos dos presentes. Clarita comentou novamente: “Não posso explicar-vos a alegria de poder receber novamente a Comunhão sacramentalmente”. Daniella diz: “Ter sido ministro da Comunhão  tornou-me mais próxima da cerimónia. Estou com o coração cheio, emocionada, feliz”. Jimena, que ajudou Daniella a administrar a Eucaristia, diz: “Fiquei emocionada ao ver as pessoas à beira das lágrimas quando receberam a Comunhão!

Quando a Missa terminou, todos queriam entrar no Santuário para saudar a Mater e isto foi feito sob rigoroso controlo, distanciamento e desinfecção. Alguns minutos com a nossa Rainha e Mãe recarregaram as nossas almas e deram-nos a força para continuar a lutar contra esta pandemia. Edgar resume o que muitos de nós falámos com a Mater durante estes momentos a sós com ela: “Entrar no Santuário e encontrar-me com a Mater foi um momento muito significativo, pois pude agradecer-lhe por tudo o que Ela cuidou e protegeu durante esta pandemia, assim como rezar-Lhe pelas pessoas que infelizmente adoeceram ou morreram“.

Podemos resumir o sentimento dominante entre os presentes com as palavras de Marimar: “Senti nostalgia e emoção quando recebi a comunhão, ao entrar no Santuário e saber que a Santíssima Mãe esteve sempre connosco”.

 

Original: espanhol (23/6/2020). Tradução: Lena Castro Valente, Lisboa, Portugal

Etiquetas: , , , , ,

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *