Colocado em 2020-05-06 In A Aliança de Amor Solidaria em tempos de coronavírus, Vida em Aliança

Um 31 de Maio que coincide com o Pentecostes – em plena pandemia

CHILE, redacção •

Um 31 de Maio, aniversário do Terceiro Marco da História de Schoenstatt, que marca o compromisso do Padre Kentenich e do seu Schoenstatt de pensar, agir e amar organicamente, como fruto de uma profunda conversão e como condição para um novo Pentecostes na Igreja, neste ano de 2020, coincide com o Domingo de Pentecostes. Celebra-se ao mesmo tempo, no momento de uma pandemia mundial e no Chile, onde este Marco ocorreu em 1949, no momento de uma profunda crise eclesial na origem dos abusos e de uma crise social que explodiu precisamente no dia 18 de Outubro. Neste contexto, a Família de Schoenstatt do Chile prepara-se para viver o dia 31 de Maio. —

A pandemia com todas as suas consequências sanitárias, sociais e económicas, com as suas restrições de movimento e reuniões, apanhou o Movimento de Schoenstatt do Chile em plena preparação para uma coroação, concretamente, a coroação no Santuário de Bellavista, onde em 18 de Janeiro de 2018, último dia da visita do Papa ao país, foi roubada a coroa que lhe tinha sido dada no Pentecostes de 1949 pelo Padre Kentenich. A crise da Igreja e a crise social já o tornaram claro: um acto meramente piedoso, um acto que “preenche o vazio de uma coroa que já não existe, para acalmar a dor da perda de algo que deveria existir” não pode nem deve ser uma resposta no espírito do 31 de Maio.

Schoenstatt nasceu para estes tempos e a partir daí projecta-se para o futuro

Numa mensagem da Presidência Nacional chilena, enviada após a Páscoa, lê-se o seguinte:

“No nosso país e em todo o mundo, estamos a sofrer uma grave pandemia com consequências profundas que ainda não fomos capazes de medir. Directa ou indirectamente, todos nós somos tocados por esta experiência, sofremos as dificuldades e vislumbramos um horizonte incerto.

Como Presidência Nacional da Família de Schoenstatt no Chile, queremos manifestar a nossa proximidade, a nossa oração e o convite a reflectir e a enfrentar juntos, procurando a vontade de Deus, neste momento, na situação em que vivemos. Só juntos poderemos responder e colaborar fecundamente com o Senhor e com a Mater.

Todas as situações humanas e sociais, por mais difíceis e terríveis que sejam, representam um apelo de Deus e a possibilidade de se ser fiel, fecundo e criativo nelas. A experiência dos schoenstatteanos durante a primeira hora das guerras mundiais é um exemplo disso mesmo. Schoenstatt nasceu para estes tempos e a partir daí se projecta para o futuro.

Só juntos podemos discernir os sinais dos tempos e colaborar fecundamente com o Senhor e com a Mater na reordenação que esta crise está a causar no mundo: da vida das famílias à sociedade em geral, da vida das cidades à nossa responsabilidade social, do trabalho à economia mundial, dos limites da circulação ao equilíbrio ecológico, da vida pastoral familiar a uma nova forma de ser Igreja. Todo o organismo de vínculos está a ser abalado por esta crise”.

Cinco acções concretas para o “nada sem nós” da coroação

São propostas cinco acções concretas – que emergem da realidade do Chile e do Movimento de Schoenstatt naquele país, com as suas características particulares, mas acções que ao mesmo tempo dão à coroação (no meio de uma coisa que alguns já chamam “uma pandemia de coroações” em Schoenstatt) uma solidariedade distinta e orgânica. A mensagem da Presidência Nacional de Schoenstatt do Chile diz:

1 – Apoiar aqueles que serão mais afectados pela crise económica.

A crise económica dos indivíduos e das famílias é susceptível de se agravar nestes tempos de quarentena. Temos uma responsabilidade humana e religiosa face a esta situação. Faz parte da nossa responsabilidade para com a Nova Ordem Social anunciada pelo nosso Pai. Faz parte da missão associada à nossa Aliança e aos nossos Santuários.

Somos chamados a ser solidários quando membros da nossa família ou comunidade estão a sofrer as duras consequências desta situação.

Se for do nosso âmbito de decisão, somos chamados a ajudar a colaborar na manutenção do rendimento de vida daqueles que não podem exercer a sua actividade profissional devido à quarentena e a fazer tudo o que estiver ao nosso alcance para preservar as suas fontes de trabalho e de rendimento. Convidamos também vivamente todas as famílias que pagam regularmente serviços a pessoas, contratadas ou não, a fazerem um esforço generoso e solidário para continuarem a pagar aqueles salários que são um sustento digno e necessário, especialmente neste momento. Àqueles que podem influenciar as decisões das empresas, pedimos-lhes que se preocupem para que esta questão seja abordada com generosidade. Convidamo-los, como diz São Alberto Hurtado, a “darem até doer”.

Além disso, há sempre oportunidades de se poder ser economicamente solidários através de donativos especiais a pessoas em dificuldade ou a instituições que ajudam os necessitados.

2 – Acompanhar, com os meios permitidos pela quarentena, aqueles que estão mais sós.

Fazendo-lhes presentes, o nosso amor e solidariedade, rezando por eles e unindo-nos às suas necessidades e à sua dor. Telefonar aos outros e ouvi-los, manter o contacto através de mensagens ou transmitir coisas que os exaltem é uma forma de estar com eles, especialmente os mais solitários e nas situações mais arriscadas. É uma oportunidade de nos oferecermos, no espírito da Aliança, para que Deus e a nossa Mãe possam agir a partir do nosso Santuário-Coração.

3 – Crescer em família como uma contribuição consciente para a nossa sociedade.

A quarentena obrigou a maioria de nós a ficar confinada à sua família, o que representa uma grande oportunidade, não sem dificuldades, para crescer no amor mútuo e no desenvolvimento de um estilo de família que dignifica os seus membros e que representa uma contribuição de Schoenstatt para o Chile de hoje e de amanhã. A experiência do Santuário-Lar, como lugar de renovação da nossa Aliança com a nossa Mãe e lugar de oração familiar, permite-nos também construir um mundo novo a partir da simplicidade e da intimidade do lar.

4 – Abrir-se a Deus na oração e dar a si mesmo tempo para O ouvir.

Este tempo de quarentena é, em muitos casos, uma boa oportunidade para meditar, descobrir ou redescobrir os aspectos mais centrais da vida e deixar-se conquistar pela presença amorosa do Senhor e da Sua Mãe. É também uma oportunidade para aprofundar a nossa Aliança de Amor a partir do Santuário-Coração, o que exige que se dê tempo suficiente para isso.

5 – Abrir-se com paz à vontade de Deus.

Isto inclui as dificuldades económicas que, provavelmente, iremos enfrentar, a doença e a morte. O que está para vir não vai ser fácil. A epidemia está a crescer no nosso país e ainda não estabilizou; é possível que muitos de nós adoeçam e que alguns morram. Também a situação económica, especialmente para aqueles que recebem rendimentos directamente da sua actividade diária, é difícil. Mesmo que actuemos de forma responsável, não podemos saber o que irá acontecer. Parece-nos que se trata de um apelo, em aprofundar a nossa Aliança de Amor no espírito da Carta Branca.

Neste contexto, e com material preparado para o trabalho pessoal e comunitário, (ES) a Família de Schoenstatt do Chile está a preparar-se para o dia 31 de Maio. Uma expressão desta conversão será a nova coroa com a estrela do Chile.

Mensagem da Presidência Nacional do Chile – PDF integral  (ES)

Material de Trabalho  (ES)

Mensagem da Presidência Geral  (ES)

Original: espanhol (4/5/2020). Tradução: Lena Castro Valente, Lisboa, Portugal

Etiquetas: , , , , , , ,

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *