Colocado em 2020-05-02 In Vida em Aliança

A coragem de sonhar

ITÁLIA, Pamela Fabiano •

Em tempo de pandemia, o Presidente Mattarella conferiu o título de “Alfiere”  a Maria Lucrezia Rallo, dirigente das Apóstolas de Maria na Sicília.—

Como todos os anos, também este ano em tempo de pandemia, o Presidente da República Italiana, Sergio Mattarella, conferiu 25 certificados de honra de “Alfiere della Repubblica” (IT) a jovens que se distinguiram como construtores comunitários, através do seu testemunho, do seu empenho, das suas acções corajosas e solidárias.

São jovens que representam modelos positivos de cidadania e são exemplos dos muitos jovens dignos que há no nosso país.

Entre os homenageados deste ano, com emoção e enorme gratidão, encontramos uma jovem da Juventude Feminina Italiana, Maria Lucrezia Rallo, de Marineo, na Sicília.

Maria Lucrezia, que é a dirigente das Apóstolas de Maria, recebe o Certificado e o título de Alfiere da República por este motivo:

Maria Lucrezia Rallo, 17 anos, residente em Marineo (PA) – Pelo talento demonstrado na escrita e na poesia, um talento que conseguiu combinar com um compromisso de cidadania activa e acções concretas de voluntariado e solidariedade. 

Após um momento inicial de alegria, surpresa e mil telefonemas e mensagens de felicitações, Maria Lucrezia encontrou tempo para responder às nossas perguntas e contar-nos as suas emoções e a sua história.

Maria Lucrezia, diz-nos como recebeste a notícia e como te sentiste quando leste sobre a honra concedida.

Foi uma surpresa mágica. Na manhã de 22 de Abril, uma chamada do Quirinal deu-me uma imensa alegria! O meu pai respondeu a este número bastante estranho e quando lhe deram a notícia, por causa da grande emoção, pediu que a repetissem duas vezes! O problema foi então fazer-me compreender que não se tratava de uma brincadeira, mas sim da realidade. Quem poderia acreditar que, de repente, me tornaria “Alfiere“?  Ser Alfiere da República Italiana só pode ser uma honra, mas também uma grande responsabilidade. Fui reconhecida como um “exemplo positivo” para a comunidade e isto só pode ser um motor interior que espero que me leve sempre a uma melhoria pessoal e a um compromisso crescente com a minha comunidade.

As razões para o prémio são “Pelo talento demonstrado na escrita e na poesia, um talento que conseguiu combinar com um compromisso de cidadania activa e acções concretas de voluntariado e solidariedade”.  Na tua opinião, quais são os talentos dos jovens italianos de hoje e o que achas que lhes podes dizer com base na tua experiência?

A motivação descreve-me completamente e é muito agradável poder ler estas palavras que tão simplesmente descrevem tantos sacrifícios mas também, tantos momentos bonitos feitos de paixão e amor pelos outros. Nós, jovens, temos tantas qualidades bonitas mas, acima de tudo, ainda temos a coragem de sonhar. Alguns adultos descrevem-nos como “nada fazendo”, mas não é esse o caso. Queremos melhorar o nosso mundo porque o amamos e porque ainda conseguimos maravilhar-nos com as pequenas coisas. O que me apetece dizer a todos os jovens é que cada um de nós é diferente, mas na sua diversidade é especial. Há algo dentro de nós que brilha e nos faz brilhar, mas isso só acontece se aprendermos a afirmarmo-nos e a amarmo-nos uns aos outros. Só se aprendermos a amar-nos uns aos outros poderemos permitir que os outros nos amem e nos respeitem.

A tua vida está firmemente entrelaçada com a experiência cristã, no caminho do Movimento de Schoenstatt. Como cristã italiana e schoenstatteana, como se vive estes meses de isolamento devido à pandemia de Covid-19?

É um momento de grande provação, mas, mais do que nunca, sinto Deus e a Mater perto. Os meus dias estão cheios de estudo e tento manter-me comprometida juntamente com a minha família e estou a redescobrir uma nova espiritualidade. Foi muito emocionante ver a Praça de São Pedro no silêncio de uma tarde chuvosa e um homem vestido de branco com uma grande fé no coração a atravessá-la: estávamos todos com ele, independentemente de tudo. Sendo responsável pelo primeiro grupo de Apóstolas em Itália, procurei com elas métodos alternativos para continuarmos a nossa missão. Vemo-nos por video-chamada e estamos mais unidas do que nunca! O Senhor faz milagres. Rezamos intensamente para que tudo acabe em breve e para que um dia (espero que não muito longe) possamos voltar a abraçar-nos novamente.

Original: italiano (28/4/2020). Tradução: Lena Castro Valente, Lisboa, Portugal

Etiquetas: , , ,

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *