Colocado em 2020-03-22 In Vida em Aliança

Em Santa Cruz de la Sierra cantamos: Santuário somos hoje!

BOLÍVIA, Roberto Henestrosa e Alexandra Kempff •

Quando estamos a pouco mais de 60 dias da bênção do nosso Santuário, a Irmã Silvia Beltrán, a nossa Assessora que vem do Chile, ofereceu-nos um fim-de-semana inspirador: com uma conferência onde cantámos ao Pai dizendo: Santuário somos hoje! e a celebração da Santa Missa onde foi colocada a Primeira Pedra do Santuário.—

Workshop conduzido pela nossa Assessora e reflexão sobre a nossa identidade.

No sábado, 8 de Março, tivemos um workshop emocionante dirigido por Irmã Silvia, com a organização impecável do grupo de casais Arcoiris e a colaboração de algumas Mães. O workshop começou cantando-se e dançando a bela canção que foi composta para a bênção do Santuário por um grupo formado pela Juventude Feminina, a Juventude Masculina e os casais. É uma canção alegre e dançável que sentimos que nos representa muito bem. Depois de nos recarregarmos de energia, Irmã reflectiu sobre o que significa ser “Jenecheru, um fogo vivo de esperança”, a identidade da nossa Família.

Um pequeno pedaço de cada um ficou para sempre dentro do Santuário.

A breve conversa foi seguida de um momento de reflexão individual, onde cada um recordou quem tinha sido essa interrogante irresistível que nos conquistou em Schoenstatt e como nos comprometemos para o futuro com o Santuário. Esta reflexão pessoal foi partilhada em grupos mistos entre as Mães, jovens e casais, partilhando como uma grande família. Também escrevemos cartas pessoais que ficaram entre os fundamentos da construção durante um momento de muita emoção, sabendo que algo de nós permanecerá para sempre como parte do Santuário.

Analogia entre o Monte Tabor e Schoenstatt

No Domingo 9 de Março, Monsenhor Estanislao Dowlaszewicz, Bispo Auxiliar de Santa Cruz, presidiu a Santa Missa para a colocação da Primeira Pedra do Santuário. Na celebração, o Monsenhor fez uma analogia com o Evangelho entre a palavra Schoenstatt e a Transfiguração que teve lugar no Monte Tabor – um belo lugar. Ele também nos chamou a descermos do nosso Schoenstatt ou lugar bonito e a partilharmos com os nossos irmãos e irmãs aflitos e isolados, os migrantes do interior do nosso país e/ou os venezuelanos que chegaram em massa fugindo das injustiças.

O Monsenhor mostrou-nos o seu afeto, dando-nos algumas relíquias para deixar no altar do Santuário dos mártires Miguel e Zbibigniew, franciscanos conventuais e mártires do Peru e outra de São João Paulo II. Ele também abençoou o sino que será colocado no Santuário.

Colocação da Primeira Pedra .

No final da Missa, fomos em peregrinação desde a capela até ao Santuário em construção para a colocação da Primeira Pedra. Essa Pedra foi-nos dada pela igreja missionária de San José de Chiquitos, a igreja onde Santa Cruz foi fundada pela primeira vez em 1561, e agora faz parte dos fundamentos do nosso Santuário, um verdadeiro privilégio.

A cerimónia de colocação e de entrega dos símbolos das contribuições ao Capital de Graças, que foram trabalhados durante vários meses, foi realizada com cânticos. Até a Família de Schoenstatt de La Paz nos enviou as suas contribuições ao Capital de Graças e também enterrámos o anel de Millie Maldonado, do Instituto das Famílias de Porto Rico, que ela nos deixou durante uma visita que fez há alguns meses com o marido e os filhos. Sentimo-nos imensamente privilegiados pelos dons que temos recebido de tantas pessoas que estão pendentes da Família de Santa Cruz.

 

Fotos: Luico Egüez

Original: espanhol (13/3/2020). Tradução: Lena Castro Valente, Lisboa, Portugal

Etiquetas: , , , , , , ,

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *