Colocado em 8. Agosto 2019 In Vida em Aliança

Os nossos lugares de trabalho, um lugar onde Cristo volta a nascer

COSTA RICA, Amparo Ruiz, Maria Fischer •

“Vamos construir o «Santuário semparedes», onde florescem as rosas no arame farpado da competência, da crítica negativa, dos ciúmes, da pressão, do medo, da dor de tantas pessoas… A ideia de que os nossos lugares de trabalho possam ser um lugar onde Cristo volte a nascer animou-nos muito». Uma frase de Gabriele Sudermann, Alemanha, da Liga Apostólica Feminina (LAF), pronunciada quase há 20 anos e encontrada num artigo de Schoenstatt.org, hoje comove e motiva Amparo Ruiz da Obra Familiar de Schoenstatt na Costa Rica, “ángel” da fundação da Liga Apostólica Feminina no seu país, que conta com um primeiro grupo de 12 mulheres e se formou em outubro de 2018. —

Todas as integrantes do grupo são profissionais, trabalhadoras ativas em postos de altos cargos algumas, outras profissionais liberais como odontólogas, engenheiras industriais, outras em tarefas de educação…

É um grupo alegre, com um anseio de ter um lugar, um grupo que lhes dê oxigénio católico, um ambiente de fé onde nutrir-se para viver a vida num mundo demandante, competitivo e exigente.

Encontraram isso nos braços da Mater. Muitas são católicas praticantes nas suas paróquias, mas Schoenstatt abriu-lhes a perspetiva da vida, do ser mulher, da sua missão e do seu contributo feminino e profissional para o mundo.

No meio do mundo do trabalho

Tal como fizeram os primeiros congregantes de Schoenstatt, em formação militar em Berlím, ao encontrarem-se numa cervejaria (encontro que se converteu na primeira reunião de grupo “fora das paredes de Schoenstatt”), as integrantes da LAF esta semana foram a um restaurante para jantar e partilhar as coisas da vida. Convidaram o Pe. José Luis Correa (o melhor correspondente de Schoenstatt.org e razão da apresentação deste grupo ao resto de Schoenstatt, através deste artigo). “Foi muito bonito este encontro informal para falar de várias coisas e jantar”, comentou Amparo.

São mulheres que acabaram de entrar em Schoenstatt. Contudo, estão a assumir a missão de levar o chamamento de Deus Pai de cada mulher – explicado também pelo padre Kentenich-, o ser feminino no meio do mundo do trabalho.

Ao falar vía whatsapp sobre a Liga Apostólica Feminina e ao ler alguns artigos sobre a missão de “santuarizar” o mundo do trabalho, acende-se um fogo.

Comenta Amparo: “Nos artigos encontro material valioso para trabalhar e deixar inclusive propósitos. A ideia der  ser rosa no arame farpado – ser rosa no meio de um mundo laboral às vezes tão duro, onde se descartam as pessoas, fez-me pele de galinha. Que lindo e que forte ao mesmo tempo. Que a Mater seja eternamente mãe para todas estas mulheres valentes e decididas a cumprir a sua parte no plano de Deus”.

 

Original: espanhol. 02.08.2019. Tradução: Maria de Lurdes Dias, Lisboa, Portugal

Etiquetas: , , ,

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *