Colocado em 2017-06-15 In Vida em Aliança

Somos a nova geração, teu futuro: 70º Aniversário da bênção do primeiro santuário filial em Ulm-Soeflingen, Alemanha

ALEMANHA, Georg Schick •

“Somos a nova geração, teu futuro” é uma canção de Carolin Ankenbauer, que pediu, espontaneamente, a Juventude Feminina depois do concerto“Llévame”, na tarde do fim de semana de celebrações. Foi também a Juventude Feminina, a que nos anos da guerra, iniciou a construção do santuário na cidade alemã de Ulm. O Pe. Kentenich permaneceu nesse tempo, com frequência, em Ulm e disse sobre o terreno do futuro santuário, com vista para a catedral, que a partir desse lugar se escreveria a historia. Assim se abençoou o primeiro santuário filial em solo alemão em 15 de maio de 1947.

Vínculos

Os festejos do 70º jubileu começaram em 15 de maio, porque foi exatamente nesse dia, o dia da bênção do santuário. O espaço dentro do santuário de Ulm é muito maior que nos santuários de  Schoenstatt, construidos como réplicas fiéis, mas ainda assim, não foi suficiente para albergar  todos os convidados. Estiveram presentes amigos do santuário e membros da Família de Schoenstatt de Ulm. O padre Josef Lang celebrou a missa e sublinhou – percorrendo a sua história – a  importância deste primeiro santuário filial para todo o Movimento de Schoenstatt. Duas testemunhas da época evocaram as suas memórias sobre a construção do santuário. A seguir, brindou-se com champanhe pelo jubileu e a suave tarde de primavera convidou ao encontro. A Juventude Masculina manifestou espontaneamente a sua ligação com “a capelinha” mediante uma pirâmide humana, incluindo uma pedra da construção do santuário.

Nesse dia começou também a novena, que se fez todas as manhãs, pela primeira vez também por WhatsApp, devidamente musicada. Martina Gruel relacionou textos históricos sobre o santuário da fidelidade de Ulm com os textos das canções do concerto “Llévame” de Wilfried Röhrig. Este concerto abriu o fim de semana de celebrações na tarde de 27 de maio.

Canção do acampamento, hino de Suabia, oração da noite

Começou o concerto ao ar livre com bom tempo, na praça do santuário de Ulm, onde nem uma cadeira ficou livre. Wilfried Röhrig, Carolin Ankenbauer e Armin Jan Sayed cativaram os assistentes e, como se disse ao princípio, “Somos a nova geração, teu futuro” pôs toda a gente a cantar.

Depois do pedido da Juventude Feminina, foi a Juventude Masculina a que cantou a “canção do acampamento”, de Winfied Röhrig “Sede luz e construi juntos”. Os músicos tocaram frente ao santuário iluminado com luz cálida e muitos dos assistentes não resistiram e dançaram e cantaram com energia. Houve bis fora do recital atual “Die Trumpbahn” (o comboio de Trump). A sessão terminou com o refrão “Crescer juntos”.

Na tenda, instalada, como sempre pela Juventude Masculina, continuou o festejo no bar da Juventude Feminina junto aos convidados. Alguns vinham de longe e outros de mais próximo. Todos os convidados desfrutaram no bar da Juventude Feminina de um delicioso flammkuchen (uma espécie de pizza com bacon e cebola) e bebidas.

À meia-noite cantou-se o hino de Suabia (região ao sul da Alemanha) antes de que o sino convidasse à oração. Perante o santuário iluminado com cores, encontrava-se o círio pascal com o novo logotipo da região, rodeado com uma corda de escalada. Durante a oração fez-se alusão de novo aos textos históricos do Santuário da Fidelidade e aprofundou-se na metáfora da confiança de escalar com corda de segurança. Como recordação, cada um recebeu um pequeno utensílio que se usa no alpinismo e um pedaço de corda. Depois da bênção continuaram a cantar em frente ao santuário o famoso  “cancioneiro azul”, antes de que os jovens começassem as suas próprias celebrações junto ao fogo durante a vigília noturna.

Demasiado grande …

No domingo celebrou-se a festa jubilar do santuário. A Missa foi acompanhada por um coro e o diretor diocesano, Pe. Rennermann saudou, entre vários concelebrantes de distintas comunidades, também o Pe. Güthlein, o diretor do Movimento na Alemanha. Na homilia, o Pe. Güthlein falou da família da região de Suabia como pilar importante na historia da fundação da Obra de Schoenstatt Internacional.

O padre recebeu um aplauso espontâneo, quando falou da“dor” do não reconhecimento do santuário de Ulm –demasiado grande– e clarificou: maior, porque é melhor! Porque o santuário de Ulm, conscientemente, não se construiu como réplica exata do original e por isso não se incluiu na lista dos santuários de Schoenstatt (o primeiro santuário réplica exata da Alemanha construiu-se em 1950. Noutros países construiram-se réplicas exatas desde 1944). Isto foi uma dor para a geração fundadora de Ulm, porque inclusive o Pe. Kentenich intuiu para este santuário filial algo grande. Mas quem sabe, se o diretor do Movimento na Alemanha o reconhece e resultará a inclusão na lista dos santuários mais importantes?

A cerimonia festiva celebrou-se com temperatura de verão, sob o toldo na praça do santuário, não ficou nem um espaço livre. O Pe. Güthlein estruturou a  sua homilia em três imagens. Sobre este santuário e esta Família de Schoenstatt há muito que dizer, disse, e conquistou os ouvintes, apesar da sua longa homilia. Depois aludiu a algo muito atual. A irmã de José Engling está enterrada em Ulm-Soeflingen. A sua lápide foi refeita e foi colocada pouco antes do jubileu junto à pedra Engling, outra singularidade do santuário de Ulm.

Pegadas do fundador

Depois da missa, continuou na tenda a “festa da capelinha” com café e biscoitos. Instalou-se um castelo insuflável e começou o programa para as crianças. Este ano a Juventude Feminina pintou na cara das crianças o logotipo da região. Houve um concurso de perguntas sobre o santuário e a região. Esse concurso deu muito que falar, pois ninguém respondeu bem à pergunta chave: Em que Santuário esteve primeiro o Padre Kentenich? O Pe. Kentenich visitou primeiro o Santuário da Vocação, en Ehingen. A maioria pensava que tinha sido o Santuário da Fidelidade, em Ulm ou o Santuário do Pai, em Ennabeuren. Falou-se novamente sobre as pegadas do fundador na região de Ulm.

Um detalhe veio da parte de dois jovens músicos. Durante a Jornada de Delegados em Schoenstatt, publicitou-se o canto “Kennste Kentenich” (conheces Kentenich), que foi criado para a noite do santuário pela Juventude Masculina de Ulm. Todos juntos cantaram a canção de Kentenich na tenda e os dois jovens compositores mostraram o melhor do acampamento com textos de canções compostas por eles.

A oração final foi acompanhada musicalmente pela “Käpellesfest-Band” (banda da festa da capelinha) e depois da queima do capital de graças, os padres presentes ofereceram a possibilidade de receber a bênção individual.

Com salsichas e mais flammkuchen (espécie de pizza), foi terminando a festa até ao entardecer

Ajudando

A comprometida geração fundadora de Ulm replicou-se 70 anos depois, já que só assim se pôde realizar este programa festivo: através de voluntários. A Juventude Masculina com a sua tenda e mãos fortes esteve disposta para qualquer tarefa que aparecesse até à noite. A Juventude Feminina colaborou à noite no bar e à tarde maquilhando as crianças. O Conselho Regional, a Associação Regional e a Equipa organizadora do Festejo, puderam confiar nos ramos de Schoenstatt da região de Suabia, tanto para o planeamento, como para o desenvolvimento e o acolhimento. Assim tudo ficou ordenado em redor do Santuário uma vez finalizados os festejos no domingo à noite, um santuário cheio de história, que pode começar de novo o seu dia a dia. Visite o ponto culminante do Santuário da Fidelidade em Ulm…

 

Olhar retrospetivo – 70 anos do santuário de Ulm (pdf)

Original: alemão. 31.05.2017. Tradução: Maria de Lurdes Dias, Lisboa, Portugal

Etiquetas: , , , , , , , , ,

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *