Colocado em 26. Setembro 2016 In Vida em Aliança

Com Maria, uma Igreja nova e dinâmica: encontro anual da Família de Schoenstatt italiana em Belmonte

ITALIA, Roma – Belmonte, Maria Fischer •

“Na verdade, deveríamos ter adiado a data e todos nós deveríamos estar na praça São Pedro”. Os organizadores se deram conta muito tarde de que o primeiro domingo de setembro, data tradicional do encontro anual da Família de Schoenstatt italiana, coincidiria este ano com a canonização da Madre Teresa de Calcutá. Um sentimento de certo pesar em muitos deles e menos participantes que em outros anos, especialmente dos habituais convidados da igreja a nível mundial em Roma, foram os sinais visíveis do erro de ser no dia 4 de setembro. “Futuramente, imagino que aqui em Belmonte acompanharemos e celebraremos de forma mais ativa estes acontecimentos”, assim disse o futuro superior Pe. Marcelo Adriano Cervi, “sentir, celebrar, agradecer, sofrer com a Igreja: Belmonte também está para isso! ”.

img_9940

Toscana chegou com bandeira

O encontro, com o qual iniciou o trabalho de Schoenstatt depois da pausa do verão, teve neste ano alguns momentos especiais: esteve presente a Auxiliar da Europa, a que a partir deste domingo novamente visita a Itália; o futuro superior de Belmonte – Pe. Marcelo Cervi – que deu uma palestra; pela primeira vez participaram pessoas do norte da Itália, de Trento; estiveram presentes Terezinha e Nivaldo Abram, do Brasil, a primeira “Família Custodia” de Belmonte e Davide Russo transmitiu ao vivo, através do Livestream do Facebook todo o evento.

E logo chegaram os participantes vindo de muitos lugares da Itália. A delegação da Toscana se destacou, pois trouxeram uma linda bandeira com a imagem da MTA. Muitos chegaram de Roma e região, e um considerável grupo chegou desde Apulia. Mais de uma dúzia de imagens da Mãe Peregrina foram colocadas sobre pedestais, no hall de entrada da Domus Pater Kentenich e formaram um lindo telão de fundo para as palestras e testemunhos que ali foram dados.

img_0009

Internacional e com muitas histórias

Roma é o centro da Igreja mundial e os encontros da Família de Schoenstatt italiana têm se caracterizado sempre por sua internacionalidade. Pela primeira vez, participaram Gisela Ciola com seu esposo Paolo. Ela é argentina que emigrou há muitos anos e desde sua pátria trouxe Schoenstatt e a Mãe Peregrina. E agora surge Schoenstatt em Trento e Gisela buscou neste encontro pessoas que lhe ajudassem a preparar a Aliança de Amor a outras pessoas. O Pe. Valentino, do Uruguai, que atualmente está estudando em Roma: ele selou sua Aliança de Amor no Santuário da Nova Helvecia. Conheceu Schoenstatt quando começou a trabalhar em uma paróquia onde havia um grupo muito vital da juventude schoenstattiana. “Me convidaram para celebrar com eles a missa da aliança, a abençoá-los quando selaram sua Aliança de Amor, presentearam-me livros de Schoenstatt… e me convenceram e me ganharam para Schoenstatt!”. Também estava presente uma senhora do Equador que vive por muitos anos na Venezuela e pediu orações por seu país que tanto sofre. Estava entre eles também o Pe. Rolando Montes, cubano e sacerdote da União de Sacerdotes Diocesanos de Schoenstatt, que esteve na parte da tarde – assim que chegou na porta de entrada lhe pediram para escutar confissões. “É a primeira confissão que escuto em italiano”, disse meio inseguro. Tinha acabado de chegar em Roma há duas semanas. “Não se preocupe”, disse-lhe a pessoa que queria se confessar. “Eu sim falo italiano e realmente quero me confessar”. O Padre Rolando não saiu do improvisado confessionário por um bom tempo, já que rapidamente correu a notícia de que neste dia tinha a possibilidade de se confessar.

No final do encontro houve um simples “envio missionário” no santuário. O Pe. Rolando havia deixado sua Peregrina em Cuba, pois as pessoas estavam precisando dela ali. Um missionário da Mãe Peregrina dos pés à cabeça sem a Peregrina? Durante a missa, a Mãe Peregrina tocou tão forte o coração de uma missionária que a pequena Peregrina, que há alguns dias se encontrava no santuário (da modalidade de bebês em risco de vida), mudou de dono (ou seja, de missionário) durante os próximos três anos.

img_9928

A missão de Belmonte

O Pe. Marcelo Adriano Cervi, futuro superior de Belmonte, falou na sua palestra sobre o convite do Santo Padre para ser uma Igreja em saída, de encontro às pessoas, e que Belmonte também vê aqui sua missão. E isto tem a ver com o Padre Kentenich, com Belmonte e com a Igreja.

  • O Padre Kentenich, como disse o Pe. Cervi, ele presenteou à Igreja não só o amor a Maria, mas também uma nova visão de uma ativa fé na Divina Providência. Hoje em dia não basta simplesmente crer: deveríamos crer em Deus misericordioso e pessoalmente, que tem relação concreta com minha vida. O fato o que José Kentenich experimentar não ter pai, isto lhe deu a missão de vida de ser pai para muitos: e não só uma ideia de paternidade, mas sim um pai de verdade, um pai espiritual, real. No campo de concentração de Dachau, ele possibilitou que os sacerdotes chegassem a sonhar, sonhar com um novo mundo ali, justo ali, fundou a Família Internacional de Schoenstatt, já que Schoenstatt deveria ser um movimento não só para a Alemanha, mas para todo o mundo. A Igreja não o entendeu durante muito tempo, inclusive lhe enviou durante 14 anos ao exílio e mesmo assim, ele queria que em seu túmulo fossem gravadas só duas palavras: Dilexit Ecclesiam, amou a Igreja.
  • Belmonte é um presente de todo o Movimento de Schoenstatt ao Padre Kentenich depois de seu regresso do exílio. Mas não se trata só de um santuário e uma linda casa, mas do símbolo da missão de Schoenstatt para a Igreja, da tarefa de oferecer à Igreja a originalidade de Schoenstatt e de servi-la desta maneira. Neste ponto, é impressionante a visão de Kentenich sobre a Igreja: uma Igreja mais simples, mais humana, mais solidária, uma Igreja que sai da sua zona de conforto, que quer estar onde as pessoas vivem, na miséria material e humana. Mas como que a Igreja fica sabendo sobre o que Schoenstatt pode oferecer? Com certeza não é através de anúncios comerciais. Mas ao experimentar a atitude, livre da inveja e ânsia pelo poder que se vive nas comunidades, e como o trabalho das diferentes comunidades de Schoenstatt funciona e cria sinergias, dando uma ideia de como realizar uma Aliança Apostólica Mundial, ou seja, trabalhar em conjunto com todas as forças apostólicas para o bem das pessoas
  • Uma Igreja para o homem de hoje, com o homem de hoje, foi o grande desafio que o Pe. Kentenich já identificou neste tempo e é o mesmo desafio que tem o Papa Francisco. Hoje em dia, a sociedade já não é, com certeza, cristã. Alguns reagem frente a isso com uma tendência de se isolar e com atitudes rígidas. Esta não é a atitude de Schoenstatt, mas sim a de oferecer às pessoas a verdade de Deus com alegria e com uma nova linguagem e novas formas. A Aliança de Amor é a medicina das pessoas: para aqueles que não encontram um sentido é oferecida a fé prática na Divina Providência; para aqueles que constroem muros e que não vivem a solidariedade ou não a experimentam, está a cultura da aliança; e para aqueles que se afundam no materialismo, a verdadeira alegria de viver.

Um ideal muito elevado para nós? Não, de forma alguma, disse o Pe. Marcelo, e fez referência à Madre Teresa de Calcutá e sua grandeza na escuridão da fé, e a Dom João Pozzobon, que recebeu a “graça de compreender a origem”.

img_9969

Uma Missa radiante

Depois do almoço e durante a oração do terço que foi feito na casa devido ao calor sufocante, chegou cada vez mais gente. Muitos deles estiveram de manhã na canonização e compartilharam um pouco deste acontecimento radiante, um dos aspectos mais destacados deste Ano Santo da Misericórdia. O breve testemunho do casal Abram e do vídeo em italiano sobre Joao Pozzobon fizeram parte do outro programa.

A Missa foi concelebrada por cinco padres pertencentes às quatro comunidades sacerdotais de Schoenstatt, vindos de cinco países, acompanhados por um coral e um grupo de música dirigido pela Irmã Giulia: o Pe. Daniel Lozano, celebrante principal, o Pe. Marcelo Cervi (Instituto), Pe. Rolando Montes (União), Pe. Heinrich Walter (Padre de Schoenstatt) e Pe. Valentino (Liga). Argentina, Brasil, Cuba, Alemanha e Uruguai.

“Somos instrumentos que Deus utiliza como Ele o necessita, especialmente com nossa fraqueza humana”, explicou o superior Pe. Daniel Lozano no sermão e lembrou que a Rainha de Belmonte nos ajuda no santuário a sermos discípulos e apóstolos do Senhor.

Ali, no santuário, o encontro terminou com a bênção e a renovação da Aliança de Amor… apesar de não ter finalizado por completo, pois ainda viria algo importante: este prolongado e relaxado momento de conversar e trocar experiências, que se chama “despedida”.

img_0005

Video

 

Mais fotos

160904 Roma Belmonte

Fotos: Maria Fischer, Davide Russo

Original: alemão. Tradução Isabel Lombardi, Guarapuava – PR, Brasil

Etiquetas: , , , , , , , ,