Colocado em 14. Julho 2016 In Vida em Aliança

Obra das Famílias se reúne em Congresso Internacional

BRASIL, Karen Bueno •

Começa nesta sexta-feira, 15 de julho, o Congresso Internacional da Obra das Famílias de Schoenstatt, realizado no Brasil. O encontro acontece em Londrina/PR, até o dia 17, reunindo representantes da Liga, da União e do Instituto de Famílias. Em tempos de uma Igreja pós-sinodal, que lança um olhar terno e afetuoso para as famílias, a proposta é refletir, como tema do Congresso, sobre “A beleza da vocação matrimonial”.

São 232 participantes, entre casais e filhos, Padres e Irmãs de Maria, da Alemanha, Argentina, do Paraguai e Chile, além do Brasil. “Juntos queremos, a partir do pensamento de nosso Pai e Fundador e da Igreja, contemplar a beleza da vocação matrimonial”, escrevem os superiores da comunidade no Brasil, José Roberto e Bernadete Nassif.

Resgatando uma herança preciosa

Um dos enfoques desse encontro internacional é conhecer mais de perto a vida de Helene e Friedrich Kühr, o primeiro casal a ingressar no Instituto de Famílias e, consequentemente, na Obra Familiar.

Dr. Kühr conheceu o Pe. José Kentenich no campo de concentração de Dachau e captou profundamente os ideais e aspirações de Schoenstatt. Assim, em 16 de julho de 1942, ele faz sua consagração e se torna o primeiro noviço do Instituto, a primeira vocação da comunidade consagrada.

Helene, por sua vez, viajara ao Brasil para conhecer as terras que haviam comprado. No contexto de guerra, ela não pôde voltar para a Alemanha e ficou separada do marido por dez anos, enquanto ele estava preso. Em 1947, Dr. Kühr consegue viajar ao Brasil para encontrá-la. Eles permanecem juntos até 1950, quando ele falece.

“O objetivo é realizar um Congresso para a Obra Familiar, vinculando a vida matrimonial com o amor conjugal da família Kühr. Eles são um exemplo para o tempo de hoje; ficaram dez anos separados fisicamente, estiveram numa guerra, tiveram todas as privações e, mesmo assim, mantiveram o amor entre eles, se mantiveram unidos”, diz Paulina Lawand, do Instituto de Famílias. “Hoje nós vivemos grandes desafios na família, principalmente da relação homem-mulher, do amor conjugal. O Papa, com o sínodo, retoma de novo o valor e importância da família. Para nós, os Kühr são uma resposta para o tempo atual. Hoje, por muito menos as pessoas se separam, desistem do casamento, então que possamos tê-los como modelo”.

Momento histórico

Uma das vivências desse Congresso será o translado dos restos mortais da Sra. Helene Kühr para junto do marido, ao lado do Santuário Tabor Esmagadora da Serpente, em Londrina/PR.

“Nós pensamos: os dois viveram a vida com um amor conjugal tão grande, eles não podem ficar separados. Esta é a hora de unirmos o casal. A partir daí teve toda uma corrente de vida em cima desse translado”, conta Paulina.

Palestras

O Congresso terá entre os palestrantes o casal Luis e Pilar Jensen, do Chile, que fez parte da comissão para o Sínodo das Famílias. Outra palestrante será a Ir. M. Fernanda Balan, que atuou por vários anos na Pastoral Familiar junto à Conferência Nacional dos Bispos do Brasil. Os assistentes nacional e internacional do Instituto de Famílias de Schoenstatt, respectivamente, Pe. Ivan Simicic e Pe. Marcel Mouras, também serão facilitadores do Congresso, assim como o casal de argentinos Pepo e Patricia Kostner, membros da direção geral do Instituto.

“Será um momento de fortalecimento dos vínculos da Obra das Famílias de Schoenstatt, uma oportunidade de valorizarmos e proclamarmos a beleza da vocação matrimonial e vivenciarmos o translado de Helene Kühr para junto de seu esposo Fritz Kühr, à sombra do Santuário da Esmagadora da Serpente, em Londrina”, escreve o casal superior no Brasil.

O evento será transmitido no canal “Schoenstatt TV”, para acompanhar acesse: schoenstatt-tv.de

Etiquetas: , , , , ,