Colocado em 2015-10-16 In Vida em Aliança

Ordenado o primeiro Padre Schoenstatiano brasileiro do novo século – Júlio Fabiano Rodrigues Afonso

BRASIL, Karen Bueno e Nikolas Oliveira Garcia •

Senhor tu sabes que eu te amo. A frase do evangelho de São João (21, 15) inspira e norteia a vida sacerdotal do mais novo Padre de Schoenstatt brasileiro, Júlio Fabiano Rodrigues Afonso, ordenado nesse sábado, 10 de outubro. Com grande alegria e a Família de Schoenstatt se reúne para celebrar esse momento único para toda a Obra no Brasil e render graças ao Bom Deus por mais uma vocação que se consagra a serviço da Igreja por meio de Schoenstatt.

Participam representantes dos vários e comunidades do Movimento, de diversas cidades e estados do país, que formam uma só Família em unidade, presente na Paróquia São João Batista, em Atibaia/SP, para a solenidade. Além desses, alguns chilenos viajaram de Santiago para acompanhar a ordenação e, pela internet, pessoas do mundo todo assistem ao vivo a cerimônia.

De início Pe. Afonso Wosny dá as boas vindas a todos em nome da Paróquia local, da Família de Schoenstatt de Atibaia e do Instituto Secular dos Padres. A procissão de entrada é composta por todos os Padres de Schoenstatt do Brasil, também por sacerdotes da Diocese de Bragança Paulista/SP, seminaristas, diáconos e sacerdotes do Instituto dos Padres de Schoenstatt, tanto do Brasil como da Argentina e do Chile. O último a entrar é o bispo diocesano, Dom Sérgio Aparecido Colombo, que preside a Santa Missa.

12068951_935417889828259_7089325177057788479_o

“Nunca se canse de ser misericordioso”

Após a liturgia inicia-se o rito de ordenação, com um diálogo entre o bispo e o superior dos Padres de Schoenstatt no Brasil, Pe. Vandemir Meister. O bispo questiona se o candidato ao sacerdócio é digno deste ministério e o superior confirma e dá testemunho de sua vocação.

Em seguida acontece a homilia, quando Dom Sérgio dá conselhos ao diácono e futuro Padre sobre a vida ministerial e o cuidado com os sacramentos. As palavras do Santo Padre são a base para sua reflexão: “Permita-me agora falar ao seu coração, como falou o Papa Francisco ao ordenar um grupo de presbíteros, nunca se canse de ser misericordioso. Por favor, busque sempre a capacidade de perdão que o Senhor deu, ele não veio para condenar, mas para salvar”. E acrescenta: “Não se esqueçam, só amamos porque ele, Deus, nos amou primeiro. Não com um amor abstrato, mas um amor criativo, que leva ao encontro com o outro, para a experiência da solidariedade, da misericórdia, um amor capaz de superar o ódio, a mentira, um amor que salva”.

Da leitura do Evangelho (Jo 21,1-19), de onde é retirado o lema sacerdotal do Pe. Júlio Fabiano, o bispo ressalta a figura de São Pedro: “Consciente de sua infidelidade, pequenez e fraqueza, Pedro com certeza ama Jesus com seu pobre amor. Sabe-se indigno do seu Senhor, mas é assim que o Senhor o quer. Quer que lhe entregue a sua pobreza, e Pedro compreende que a Jesus basta o seu pobre amor, o único que ele é capaz de dar. É assim que Jesus quer Pedro, confia nele, confirma sobre ele o chamado primeiro”.

Segundo Dom Sérgio Colombo, é esse espírito ousado do apóstolo que deve contagiar o coração do sacerdote: “Como Pedro, seu ministério seja vivo na gratuidade, na pobreza, a ser entregue cada dia àquele que o chamou, e é na pobreza e na gratuidade que você será capaz de ir até o fim. Seja de verdade servo de Jesus, escolhido para anunciar o evangelho para além do Instituto Secular dos Padres de Schoenstatt e, como Maria, cultive a espiritualidade do abandono e da entrega confiante da vida e do ministério nas mãos de Deus”.

12087320_935420343161347_7910536704880150405_o

Um pequeno instrumento

Seguindo com o rito de ordenação, Dom Sérgio interroga o diácono Júlio, que livremente manifesta o desejo de assumir o ministério sacerdotal, em seguida faz a promessa de obediência e se prostra no chão numa demonstração de confiança plena e entrega total a Deus. O momento é de profunda oração por todos os presentes, que acompanham de joelhos essa hora sagrada.

Após a imposição das mãos, quando o bispo comunica o Espírito Santo ao Diácono e reza consagrando-o como sacerdote, acontece a paramentação. Os pais do Pe. Júlio levam ao altar a túnica e os paramentos, entregando-os ao bispo. Pe. Pedro Cabello e Pe. Clodoaldo Kamimura são os escolhidos para vestir o novo Padre com as vestes sacerdotais, pois foram eles os primeiros assessores de Júlio quando ele ingressou no Movimento Apostólico de Schoenstatt.

Com a unção das mãos do novo Padre e a entrega do pão e do vinho encerra-se o rito de ordenação do Pe. Júlio Fabiano Rodrigues Afonso, o primeiro brasileiro ordenado neste novo século.

12079932_935423593161022_5648863135047790865_o

“Sião é a minha família, Sião é a nossa família”

As primeiras palavras do neo-sacerdote são de gratidão. Ele diz o quão importante é ter seus amigos, familiares, conhecidos, irmãos na Aliança de Amor presentes nesta ocasião. As falas de agradecimento aos Padres de Schoenstatt saem emocionadas: “Sião é a minha família, Sião é a nossa família, somos filhos da promessa, filhos da Providência, filhos amados do Pai; me enche de orgulho e de esperança o sacerdócio partilhado com vocês”. O momento mais forte é quando rende graças a Deus e à Mãe Três Vezes Admirável, com profunda emoção: “Senhor, tu sabes tudo, tu sabes que eu te quero e desse amor quero dar meu testemunho”.

Para o Instituto Secular dos Padres de Schoenstatt e para toda a Obra no Brasil esse é um momento de gratidão e louvor: “Esperamos que o Júlio seja um Padre bastante carismático, amplo para captar a vida, para se entregar nas mãos de Deus e também para transmitir as graças de Deus, ofertando-as nas mãos e nos corações das pessoas”, diz Pe. Vandemir.

Muitos sentimentos se despertam nesse momento para o novo sacerdote, e deles o que ressai é a gratidão: “O coração está transbordando de alegria, de gratidão ao Deus de amor que foi fiel comigo, foi fiel a tantas pessoas. Eu acho que o Padre do novo século tem que ser o Padre de Jesus Cristo – como foram aqueles do século primeiro – esse Jesus que nos ensinou a estar atento à realidade alheia, a olhar como Deus olha o mundo, a vida e as pessoas, e assim transmitir a sua bênção”.

12095009_935445399825508_5600197972832802398_o

Um pouquinho da história do Pe. Julio Fabiano

Júlio Fabiano Rodrigues Afonso nasceu em Atibaia no dia 11 de maio de 1979. Seus pais são Júlio e Emília. Ele é o caçula de três irmãos. Juliano, seu irmão mais velho, está casado com Maria Aparecida, eles tem dois filhos: Guilherme e Thiago. Seu irmão Marcos está casado com Maria Oxana, eles tem duas filhas: a pequena Luisa e a recém nascida Helena.

O primeiro contato do Júlio com o Santuário de Schoenstatt foi na catequese, mas foi só alguns anos mais tarde que começou o primeiro grupo dos Pioneiros de Schoenstatt em Atibaia, do qual o Júlio fez parte quando tinha 13 anos. Seus anos de juventude estiveram marcados pelos encontros, acampamentos e atividades do JUMAS, assim como por seu interesse pela música: por tocar violão e cantar. Por essa razão, Júlio deu aulas de violão antes de ingressar na Unicamp, onde se graduou em Tecnologia em Informática. Estes 4 anos de universidade estiveram acompanhados por muito estudo, monitoria de aulas, experiências laborais e pelo discernimento vocacional ao sacerdócio.

Em 2005, decidiu-se e postulou aos Padres de Schoenstatt e, no ano seguinte, ingressou no noviciado Ibero-americano em Tuparenda, Paraguay. Com seus irmãos, formou o curso DILECTIO PATRIS VIVENS EX SION, que significa: Amor Vivo do Pai desde Sião. Em 2007, realizou seu estágio de noviciado no Centro Providencia em Montevidéu, Uruguai.

Em 2008, foi ao Chile para viver no seminário Colegio Maior Padre José Kentenich. Começou os estudos de Filosofia e Teologia na PUC de Santiago, e realizou um apostolado com o JUMAS do Santuário de Nuevo Belén. Em agosto de 2010, chegou ao Jaraguá, São Paulo, para realizar seu estágio pedagógico-pastoral com o JUMAS do Regional Sudeste. Em 2012, fez o Terciado em Schoenstatt e alguns estudos mais profundos sobre Schoenstatt e o Padre Kentenich em Florencio Varela, Argentina. No segundo semestre de 2012, retornou a Santiago do Chile para terminar seus estudos de Teologia, realizando um apostolado com os enfermos do Hospital Sótero del Río. No ano de 2014, fez uma experiência de inserção morando em uma comunidade carente na região metropolitana de Santiago, chamada Puente Alto, acompanhado por outros 3 irmãos de curso. Aí realizou diversos atividades no bairro e na capela El Señor de la Misericordia.

Em março de 2015 recebeu o título de Teólogo pela PUC de Santiago, e no dia 25 de abril, foi ordenado diácono em Santiago do Chile. Atualmente, realiza seu trabalho apostólico na paróquia Nossa Senhora da Conceição, no bairro de Jaraguá, São Paulo, onde continuará atuando depois da ordenação sacerdotal.


Mais fotos

Fonte: www.maeperegrina.org.br e jumasbrasil.com.br

Fotos: Cristian Rebolledo

Etiquetas: , , , , ,

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *