Colocado em 7. Fevereiro 2010 In Vida em Aliança

Flashes de uma viagem empreendida à Nigéria e a Burundi

Blitzlichter aus Nigeria und Burundi ... NIGÉRIA/BURUNDI, mkf. Por ocasião de uma visita empreendida ao PressOffice, em coesão aos preparativos dos encontros a ocorrer no Ano Sacerdotal, assim quanto do centenário da ordenação presbiteral do Pe. Kentenich, o Pe. Franz J. Brügger – Padre Provincial da Província de Sion dos Padres de Schoenstatt até dezembro derradeiro – deu-nos uma interessante visão a respeito de sua viagem empreendida a Burundi e à Nigéria, em dezembro derradeiro.

 


Heiligtum in Nigeria

Já há muito havia sido planejada a viagem para dezembro de 2009 em coesão ao retiro para a comunidade dos Padres de Schoenstatt aí existente. As conferências ficaram a cargo do Pe. Juan Pablo Catoggio, Argentina, e as celebrações eucarísticas com homilia, assim quanto a organização de períodos dedicados à oração, a cargo do Pe. Franz Brügger.

P. Franz BrüggerEm 8 de dezembro, os Padres, juntamente com seus seminaristas, festejaram em Ibadan-Ijokodo a entrega do cargo de presidente do “Conselho da Nigéria” a Pe. Juan Pablo Catoggio, com a celebração de uma eucarística vespertina. Nos próximos anos, a Nigéria passará a estar sob a dependência da Região do Pai (Argentina, Paraguai, Uruguai, Itália).

“Volvido o jantar festivo, houve, a seguir, no pátio do seminário, uma grande mesa-redonda comunitária com a presença dos filósofos, teólogos e Padres, cuja participação foi viva e inteligente. A condução na história desta fundação africana em terras nigerianas cintilou uma vez mais”, assim comenta o Pe. Brügger.

Nos dias seguintes, houve reiteradas trocas de impressões e reuniões de planejamento.

“Já se aventa o ar do vindouro, pois lentamente se há de preparar a fundação de uma filial dos Padres de Schoenstatt, fora das comunidades de formação. Seria importante que nossos confrades que atualmente fazem um período de pastoral em paróquias na Alemanha, se preparem para o exercício de tarefas no seio da comunidade e para a difusão do Movimento, assim quanto assumam responsabilidades. Aguardamo-los com muita ansiedade. Um passo importante no futuro próximo para outras fundações de nossa comunidade na Nigéria! MPHC!”

Em terras burundianas

Vor dem Heiligtum in BujumburaEm 21.12.2009, o Pe. Brügger prosseguiu sua viagem com destino a Bujumbura, passando por Addis Abeba. Eis o que nos relata:

“Uma mudança de cenário considerável – época de chuvas – reinando por toda a parte uma vesgestação em flor e um Sion com toda a sua particularidade, desfrutando de uma visibilidade para o lago Tanganjika (650kmx 20-80 km), com vista para o Congo, cuja fronteira se delimita por sobre as águas deste lago. Só permanecendo aí, para contemplar toda essa maravilha: Pelo “Caminho de Maria” chega-se ao intrínseco do todo – o Santuário , dedicado em 1994, que é extraordinariamente bem acolhido pela população. Desde de madrugada até altas horas da noite, sempre se encontra peregrinos, fiéis rezando no Santuário ou defronte deste. E todos eles deixam no Santuário suas intenções, por escrito! Ao longo da semana, um número bem considerável de cartas de impetração, de ação de graças ou de consagração enche sempre de novo o cesto do Santuário . E depois a imponente igreja – a extensão do Santuário – um espaço imponente e de construção aberta – com um terraço anfiteatral que comporta lugares para milhares de fiéis, oferecendo uma excelente visão para o altar.

Am Ufel der TanganjikaseesSó pouco a pouco se vai descobrindo toda a movimentação existente neste centro schoenstattiano de dimensões consideravelmente grandes e cuidadosamente estruturado em áreas, a fim de que seja preservada tanto a vida dos Padres quanto a dos peregrinos e de todos aqueles que frequentam a igreja. Assim, a nosso estagiário nigeriano, pedi-lhe que me fizesse uma lista de todas as casas existentes neste vasto terreno de Schoenstatt: casa dos Padres, com hospedaria, desde 2005; casa do noviciado (atualmente são 7); casa dos teólogos, casa dos filósofos (Carlos Leisner), uma casa de apostolado como posibilidade de pernoitamento, a casa de retiros e de visitas (José Kentenich), um bloco de escritórios com secretariados e loja, um grande salão para grandes festas e encontros. Não muito distante do terreno, encontra-se um centro social que se dedica ao trabalho com meninos da rua. E bem junto de seus muros, as Irmãs de Maria têm a sua casa de formação e a das atividades do Movimento, cuja colaboração entre os padres e as irmãs decorre em perfeita harmonia. No centro dos Padres trabalha uma comunidade irmãs nigerianas e cerca de 60 colaboradores.

Celebrar o Natal neste pequeno paraíso tem seu próprio encanto. A Missa cantada no dia de Natal reuniu cerca de 6 mil cristãos – vivamente organizada mediante corais e exóticos grupos de danças com uma coreografia rica em símbolos, em gestos, e em procissões, de sorte que a assembleia dos fiéis pôde facilmente tomar parte e dirigir-se igualmente ao presépio onde grandes grupos se apinhavam para lançar outrossim uma olhadela.

Na noite de Natal, nós, Padres de Schoenstatt, celebraramos nossa liturgia no Santuário, em companhia do Pe. Edwin Germann, por ocasião de sua visita anual a esta filial, para, transcorridas as festividades, dar seu contributo na organização da jornada anual dos Padres de Schoenstatt. É evidente que visitei outrossim o primeiro Santuário de Burundi, situado em Mutumba, bem acima do lago Tanganyika, onde se encontram as raizes de nossas irmãs e, desde 1974, de nossa comunidade em Burundi e onde atuaram nossos pioneiros: Pe. Fred Kistler (72), Pe. Carlos Pfeiffer (74), Pe. Edwin German (74), Pe. Otmar Landolt (74), Pe. Ruedi J. Hüppi (75), Pe. Josef Barmettler (80), Pe. Josef Hälg (81) e sobretudo Pe. Karl Widmer (89). O ponto de partida para a nossa comunidade foi a Paróquia de Mutumba, que visitei outrossim com devoção e admiração recordando ao mesmo tempo todos os pionerios fiéis. Os tempos difíceis da guerra civil deixaram profundos vestígios, em que caíram, porém, muitas sementes para o atual crescimento do Movimento.

A presença de nossos Padres é sempre notória, pois onde estes surgem, todos os conhecem e a eles se dirigem. É igualmente do conhecimento de todos o Monte Sion Gikungu. E os contatos abragem inclusive as altas esferas da sociedade.

Atualmente pertencem a esta Filial 10 Padres de Schoenstatt , tendo como reitor o Pe. Zingg. Durante as refeições, conviviamos pacificamente com a confusão linguística de Pentecostes – Kirundi, francês, inglês, Ibo, alemão e “Schwizerdütsch”*, pois representavamos seis nações. É o que sucede quando burundianos, congolenses, suíços, chilenos, nigerianos e alemães se encontram neste local. E isto tem futuro, pois ELA OPERA!”

Pilgerkirche

*Nota do tradutor: Dialeto suíço da língua alemã

Tradução: Abadia da Ressurreição, Ponta Grossa, PR, Brasil