pastoral prisional Rótulo

SCHOENSTATT SOCIAL, Maria Fischer  • “A visita ao Vaticano tem implicações cada vez mais vastas…” escreve o Padre Pedro Kühlcke. A visita ao Vaticano ocorreu quando ele foi convidado para o Encontro Internacional da Pastoral Carcerária Católica através de Pamela Fabiano do Dicastério do Serviço de Desenvolvimento Humano Integral. Durante a audiência final com o Papa, deu-lhe o livro “Liberdade na Prisão”, no qual descreve as suas experiências com a pedagogia do Padre Kentenich no seu trabalho na prisão. Os textos do livro estão disponíveis em cinco línguas no site schoenstatt.org.Leia mais
VATICANO, Maria Fischer • Eles já se encontraram uma vez, também no contexto do serviço aos jovens privados de liberdade. Aconteceu em 2015, na Costanera de Asunción, quando o Pe. Pedro estava, juntamente com um jovem preso da prisão de menores de Itauguá, no estrado com o Papa Francisco. Agora, o Papa Francisco e o Pe. Pedro reuniram-se no Vaticano no encerramento do Congresso Internacional “Desenvolvimento Humano Integral e Pastoral Prisional Católica para Chefes Regionais e Nacionais de Pastoral Prisional”.  “Ficou muito tempo a falar com o Pe. Pedro”, comentouLeia mais
Pedagogía kentenichiana na periferia, Pe. Pedro Kühlcke • Liberdade na prisão, isso é possível? Sim, disse o Padre Kentenich. E ele provou-o. Sim, diz o Padre Pedro Kühlcke e demonstra-o: na prisão para menores de Itauguá, a poucos quilómetros do Santuário de Tupãrenda. Talvez, schoenstatt.org, tenha feito, há alguns meses, a pergunta mais ousada: A pedagogia Kentenichiana na periferia é possível? Sim, responde ele, e demonstra-o na prisão para menores, nesta última parte da sua reflexão em relação à pedagogia das Vinculações e à pedagogia da Aliança. Se é possívelLeia mais
PARAGUAI, Cristy Santa Cruz • Mais um sábado de pastoral prisional. Um sábado nunca é igual ao outro, mas para mim, hoje foi muito peculiar. Dois Fugas ocorreram em dias diferentes durante a semana. Todos os que lá vão todos os sábados sabem o que isso pode significar: muitas ausências, muitas transferências… muitas mudanças. É impossível para nós não ficarmos atentos, preocupados com quem NÃO vamos encontrar, quem está lá, quem partiu. A afeição que temos por todas os jovens é imensa, qualquer que seja a causa, não estamos láLeia mais
PAPA FRANCISCO, Maria Fischer com material de ACIprensa • Outra vez com os presos. Os seus favoritos. Os mais esquecidos e abandonados. Na noite de 18 de Abril, Quinta-feira Santa, em Roma, durante a Missa da Ceia do Senhor de Quinta-feira Santa e da Cerimónia do Lava-pés, o Papa Francisco exortou os fiéis a serem sempre “irmãos no serviço”, como Jesus ensinou os Seus apóstolos a deixarem de lado a ambição de dominar o outro. Ao meditarmos sobre o gesto e a mensagem do Papa Francisco, pensamos em todos osLeia mais
SEMANA SANTA 2018 COM O PAPA FRANCISCO, Maria Fischer • Fê-lo em todas as Quintas-feiras Santas quando era Arcebispo de Buenos Aires e continuou a fazê-lo sendo Papa: Pela quarta vez em cinco anos de Pontificado, o Papa Francisco escolhe uma prisão para celebrar o Rito do Lava-pés, na Missa da Última Ceia. Neste ano de 2018 Francisco visitou a prisão romana “Regina Coeli” que está situada na margem dum trecho do rio Tibre e, na Homilia incentivou-os a servirem todos, até os maus e odiosos.— O Papa Francisco chegouLeia mais
FRANCISCO EM ROMA, AICA e redação • Na Missa que presidiu na capela da Casa Santa Marta, por ocasião da Memória de Nossa Senhora das Dores, o Papa Francisco salientou que a Virgem Maria cuida de nós porque é mãe de todos os cristãos e sob o Seu manto “não pode entrar o diabo”. O Santo Padre lembrou que os místicos russos dos primeiros séculos aconselhavam a procurar refúgio no manto de Santa Maria, pois “é mãe e defende como uma mãe”. “Em seguida, o Ocidente acolheu este conselho eLeia mais
P. Pedro Kühlcke, ministério de prisão, Paraguai • Há algum tempo, Pepito finalmente conseguiu contar-me a sua história de vida: “Tinha cinco anos quando os meus pais se separaram. O meu pai é alcoólico, maltratava a minha mãe; até que, um dia, ela não aguentou mais. Eu decidi ir viver com ele, porque sabia que ele não me poria limites. Comecei com os cigarros e o álcool, depois vieram as drogas. Até que, cheguei a drogar-me na sua frente, mas nunca me disse nada – em regra estava demasiado bêbadoLeia mais