Colocado em 18. Junho 2019 In Madrugadores

Madrugadores de Schoenstatt…?

CHILE, Octavio Galarce •

Recebi recentemente um convite de uma pessoa que trabalha na Arquidiocese de Santiago, Chile, para dar um testemunho sobre a experiência de vida comunitária que vive em Os Madrugadores. A reunião foi do Vicariato Oriente que congregava representantes de 25 paróquias desse setor. —

Quando recebi o convite, pedi alguns dias para pensar sobre isso e organizar alguns assuntos práticos. Aos poucos fui convencendo-me da importância dessa possibilidade e falar sobre nós, sobre o que Deus nos tem presenteado e a riqueza de nossos vínculos humanos e sobrenaturais que se dão com tanta espontaneidade e generosidade em nossas comunidades. Nada óbvio, ainda menos entre os homens. Quão bom estamos aqui, vamos fazer três tendas aqui …! é uma experiência profunda e real de cada um de nós.

Eu achei muito interessante que o convite não estava falando sobre o início dos Madrugadores, mas sim sobre um dos aspectos centrais da nossa espiritualidade, resumidos nos três M: Missa, Mesa, Mundo. A nossa vivência na comunidade, a forma como nos relacionamos e nos vinculamos parece ser algo que chama muita atenção das pessoas e vêem nesta “modalidade” uma novidade instigante. Sem dúvida alguma, um “tesouro” que devemos cuidar e continuar a cultivar para que cresça cada dia mais e assim também ilumine o caminho de outros irmãos na fé.

 

Argentina, Buenos Aires, Paróquia Nuestra Señora de La Rábida

Espiritualidade da comunhão

O Papa João Paulo II, em Novo Millenio Ineunte, 43, tem um texto extraordinário no qual ele fala sobre a “Espiritualidade da Comunhão”, e especifica como é o cultivo e conquista de uma comunidade de corações. Cito-o porque me parece importante e porque sinto que nas nossas comunidades vivemos com ardor e intensidade exatamente aquilo que ele destaca e considera como uma “espiritualidade”, constituindo, no nosso caso, uma característica vital e fundadora deste fluxo de vida; a experiência da comunidade e o tempo que dedicamos ao cultivo de laços é uma parte importante da nossa espiritualidade. Quantas vezes o ouvimos dizer “fiquei porque me senti bem-vindo”!

“A Espiritualidade da comunhão significa antes de tudo um olhar do coração especialmente para o mistério da Trindade, que habita em nós e cuja luz deve também ser reconhecido no rosto dos irmãos que estão ao nosso lado.

Espiritualidade da comunhão significa também a capacidade de sentir o irmão de fé na unidade profunda do Corpo místico e, portanto, como “alguém que me pertence” capaz de compartilhar suas alegrias e sofrimentos, para intuir os seus anseios e atender às suas necessidades, para oferecer uma amizade verdadeira e profunda.

 Espiritualidade de comunhão é também a capacidade de ver tudo o que é positivo no outro, para o acolher e valorizar como um dom de Deus: um “dom para mim”, além de ser um presente para o irmão que o recebeu diretamente.

 Por fim, espiritualidade da comunhão é saber “dar espaço” ao irmão, cada um carregando o fardo dos outros (Gálatas 6: 2) e rejeitando as tentações egoístas que sempre nos afligem e geram competição, desconfiança, suspeitas e inveja “.

Colombia, Bogotá

Presentes são tarefas

No contexto da celebração do 30º aniversário do início das madrugadas, é um fato extraordinário que somos convidados a compartilhar nossa experiência em uma atividade da Igreja. Eu vejo neste convite uma indicação clara de Deus sobre o caminho para viajar com Ele nos tempos vindouros. Mais uma vez, e como tem sido em toda a nossa história, o Deus da vida, o Senhor da história, mostra-nos claramente onde devemos prestar especial atenção e ação. É Deus quem desperta e conduz a aurora através dos instrumentos nobres. A madrugada sustenta e conduz Deus. Somos portadores de um dom que Deus nos dá e que tem a ver com a presença do homem na Igreja e no mundo profano.

 

 

Costa Rica

 

Os Madrugadores nascem em Schoenstatt para a igreja

Praticamente, em todas as fundações, tanto no Chile como no exterior, as primeiras comunidades de Madrugadores têm estado com pessoas que participam ativamente do Movimento de Schoenstatt. No nosso caso, a comunidade fundadora de Rancagua nasce com Schoenstattianos puros e coincide com a época em que o Santuário consagrado à Santíssima Virgem, a Mãe Três Vezes Admirável de Schoenstatt, foi abençoado.

O momento e hora de fundação desta corrente de vida associada com o Movimento de Schoenstatt não nos dá qualquer privilégio ao que somos madrugadores e schoenstattianos, mas sim nos mostra de que o que Deus inicia a partir do Santuário da Mãe de Deus como um lugar de agradecimentos e berço de nossa origem. Diria eu, que isso nos torna especialmente portadores e responsáveis ​​por sua expansão e crescimento. Os membros de Schoenstatt devem ter cuidado para não impor nossa espiritualidade aos outros e a outras comunidades. Temos sido a primeira comunidade ou fundadora, em nossa diocese, cidade ou país, devemos respeitar as características originais e riqueza associada, como eu disse no parágrafo anterior, as várias invocações dos santos padroeiros são reverenciados nas paróquias e capelas. Em relação à comunidade fundadora não há relação de dependência hierárquica das demais comunidades. Nós não temos estrutura, mas damos a cada comunidade uma organização orgânica e dinâmica de acordo com a nossa originalidade.

Os Schoenstattianos agem por autoridade moral, pela riqueza e generosidade de suas entregas e contribuições mais do que por uma autoridade legal. Sustenta-se no princípio de organização que tem Schoenstatt e também se aplica à Igreja: a liberdade quanto possível, obrigações jurídicas as mínimas necessárias, sobretudo, a cultura do espírito e animação.

Os Madrugadores nascem em Schoenstatt e são uma irrupção de graças para a Igreja, especialmente nesta época tão convulsionada que temos que viver. O lugar de origem, o Santuário, onde o Sma Virgem – a Santíssima Mãe – e de onde ela dá a graça do abrigo, transformação e envio, eles imprimem nossa espiritualidade com selo e caráter. Tenho notado que estas três graças que Nossa Senhora presenteia em Santuário de Schoenstatt, vive-se intensamente e totalmente em todas as comunidades, mesmo aqueles que não têm uma ligação estreita e física a um santuário. A razão tem a ver com a origem e o lugar fundacional dessa corrente de vida. Como no Pentecostes, Maria esta desde o inicio das madrugadas muito no centro, acompanhando seus filhos espirituais.

Para a celebração do 20º aniversário dos Madrugadores, em outubro de 2009 no Chile, Juan Enrique Coeymans, madrugador no momento na comunidade de Santiago-Colina, exibiu um problema onde brilhantemente se esclareceu muitos aspectos que na época eram de discussão e que tem a ver com nossas origens, com os aspectos centrais e com a relação deste fluxo de vida com Schoenstatt. Cito abaixo um breve resumo de sua apresentação, porque tenho certeza de que para muitas comunidades no Chile e no exterior as ajudarão a entender melhor esse relacionamento que não deve, sob nenhuma circunstância, ser motivo para divisão ou conflito:

 

A história nos mostra o que somos

Para saber o que é um grupo humano, um país ou um povo, devemos sempre olhar para a sua história. Quando surgiram, quais são as forças motrizes que estão por vir. É por isso que é importante olhar para a história, não apenas para saber curiosamente o que aconteceu, mas para entender quem somos.

Surgimos em torno de um santuário de Schoenstatt

Deus queria que surgíssemos ao redor do Santuário de Schoenstatt da cidade de Santa Cruz de Triana, em Rancagua, Chile. Nossa origem não pode ser negada. Faz parte da nossa herança. Em nossa compreensão da fé e da experiência da fé de Schoenstatt, existem nossas raízes.

Somos uma fundação leiga

Os leigos são os fundadores e dão um selo especial. Surge de leigos, cresce nos ombros dos leigos. Melhor dizendo, vem do Espírito Santo e os leigos são os instrumentos responsáveis ​​por isso.

(…)

De que desejos e aspirações esta fundação surge?

Ela surge do desejo de ter um encontro mais pessoal com a Santíssima Mãe e Deus; dar-se a si mesmo a possibilidade de momentos de profunda oração, de paz consigo mesmo. Isso em um cronograma, embora sacrificadomas viável para cumprir as obrigações mínimas; compromissos mínimos; com uma participação individual (sem mulheres); com uma cultura de amizades; com eucaristias quando há, concentradas e profundas. É a busca saudável por um momento em que alguém é si mesmo e se relaciona com Deus como um homem. Há um desejo de estar com o Senhor e a Mãe Santíssima, para manter a guarda e companhia. Estar com eles, quando todos dormem.

Impressão mariana

 Ao surgir em torno de um Santuário de Maria, nascido com uma marca mariana e pentecostal. Homens com Maria implorando o Espírito Santo. Há uma clara vocação suprema em nossa fundação.

O mariano não é acessório nem acidental. É o modo de viver o cristianismo, um cristianismo orgânico e integral: isso se torna compreensível quando contemplamos e assumimos o Cristo total: Deus e homem, Filho eterno do Pai, mas Filho no tempo de Maria. A maternidade de Maria nos lembra que é um homem, assim como nós em tudo, exceto no pecado. A paternidade de Deus no eterno nos lembra que é Deus.

O Mariano não é a cereja em cima do bolo, mas é a farinha, a parte central da massa com o qual o bolo é feito.

Começo devagar, mas depois uma avalanche

A fundação como todas as coisas do reino é silenciosa, nove anos se passam e só os de Rancagua se levantam cedo, assumindo a responsabilidade de que haja a oração e adoração no Santuário. Em seguida, vêm os Curicó, em seguida, depois San Fernando e, em seguida, o Bellavista, em Santiago, e ali, como uma avalanche incontrolável, os Madrugadores estão aparecendo em torno dos Santuários de Schoenstatt, em seguida, nas paróquias e, eventualmente, nas escolas católicas, e não só no Chile, mas também no exterior.

No início, são apenas Schoenstattianos, mas aí vêm homens de todas as partes, diferentes movimentos e sensibilidades, diferentes graus ligação à Igreja, diferentes situações familiares e comunhão com a Igreja.

É assim que celebramos a celebração desses 20 anos. Com a sensação de ir em um navio, melhor em um avião, que a cada dia vai mais rápido, como todas as obras do Espírito, como um redemoinho de agradecimento que não sabemos onde vai acabar.

Os madrugadores surgiram da Família de Schoenstatt

mas eles não são uma Rama da Família de Schoenstatt.

Nós carregamos a marca de nossa origem: o Mariano, o Deus da vida, a marca de um cristianismo orgânico para o século XXI. Nós não podemos negar isso. Essa é a nossa origem e é um grande presente de Deus.

Como o Hogar de Cristo é uma fundação que surgiu entre os jesuítas no Chile, mais precisamente por Santo Alberto Hurtado, que leva o seu selo, mas não são os jesuítas, são católicos chilenos, assim nós, que somos para o conjunto Igreja.

 Nós não somos uma rama de Schoenstatt, porque nos abrimos a pessoas de outros movimentos, ou simplesmente a católicos e cristãos da paróquia, de âmbito diocesano.

Nossa tarefa é servir a todos os homens católicos que desejam participar, para aqueles que são schoenstattianos esta é uma forma original de realização da terceira finalidade de Schoenstatt que é lutar pela unidade das forças apostólicas na Igreja, pela chamada Confederação Apostólica Universal (CAU).

O Senhor nos diz: nunca perca este carisma de unidade para a Igreja e, portanto, tenha as portas abertas para todas as pessoas de boa vontade dos Movimentos, paróquias, escolas e comunidades cristãs

Chile, Quillota

Favorecer, na vida da Igreja, a ativa participação dos homens

Os movimentos representam uma novidade na Igreja universal, mas a maior participação dos leigos, o povo de Deus, está nas paróquias. Portanto, devemos estar cientes e reconhecer neste fato algo relevante e crucial para direcionar esforços em nossa missão de cultivar as comunidades de Madrugadores. Fazemos isso conscientemente e em fidelidade à responsabilidade que Deus nos dá na tarefa de aproximar os homens de uma participação mais ativa na Igreja.

Os Madrugadores assumiram gradual e pioneiramente o convite da Igreja expresso no Documento de Aparecida: “Favorecer, na vida da Igreja, a participação ativa dos homens, gerando e promovendo espaços e serviços …” (Nº 463 f ). A não integração das mulheres em nossas comunidades não tem nada a ver com características discriminatórias ou machistas, tão presentes em nossa cultura, especialmente latina, mas sim com a ordem ou dom que Deus que consiste em atrair a maior quantidade de homens para colocá-los em sua presença e de sua mãe, a Sma. Virgem. Em consequência, reafirmo essa condição ou característica fundadora de todas as nossas comunidades: somos uma opção apenas para os homens.

 

Temuco, Paróquia San Juan Bautista

O que eu presenteio, já não me pertence!

Como nos lembramos acima, quase sempre – pode haver exceções – as primeiras comunidades surgiram com os membros do Movimento de Schoenstatt, mas depois vem um forte crescimento a nível paroquial, onde pode haver alguma schoenstattiano ou não. No nosso caso, no Chile, somos mais de 130 comunidades, das quais 80% são comunidades paroquiais. Se tivéssemos permanecido apenas no âmbito do Movimento de Schoenstatt, seríamos apenas 30 comunidades até hoje.

Essa realidade com números diferentes, pelo menor tempo que têm madrugando, se repete na Argentina, no Peru, na Costa Rica e em Porto Rico, só para mencionar alguns casos. Com certeza, atrevo-me a dizer que será repetido da mesma forma em todos os países onde as comunidades de Madrugadores crescem pouco a pouco.

Em resumo, volto ao começo, com a pergunta colocada no título desta reflexão: Madrugadores de Schoenstatt …? Com a certeza do caminho e experiência de vida que Deus nos deu através de uma condução privilegiada de sua Providência, ouso dizer que Madrugadores não são de propriedade ou única para Schoenstatt. Reconhecemos no Movimento nossa origem e berço, que imprime selo e caráter à nossa espiritualidade. Reconhecemos esta iniciativa como um presente de Schoenstatt à Igreja universal, povo de Deus. O que eu dou não pertence mais a mim!

 

Octavio Galarce Barrera

1989 – A 30 anos de nossa hora de fundação – 2019

México – Chiapas

Original: Espanhol, 01.06.2019. Tradução: João Pozzobon, Santa Maria, Brasil.

Etiquetas: , , , , , ,

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *