Himmelwärts

Colocado em 2022-08-04 In Projetos

Em diálogo com as vozes do Tempo

ALEMANHA, María Fischer •

A primeira representação, anunciada para Março de 2020, foi várias vezes vítima da pandemia – que é também uma voz do Tempo – mas finalmente este oratório do Dr. Martin Flesch, que traz para o palco o diálogo com as vozes do Tempo em texto e música, verá a luz do dia. E isto sob o título Himmelwärts (Rumo ao Céu), referindo-se aos textos do “Rumo ao Céu” (“Himmelwärts” em alemão). Martin Flesch descreve o conceito deste oratório, que será estreado no Domingo, 16 de Outubro de 2022, na Casa Padre Kentenich em Schoenstatt: “Integrado no legado espiritual de José Kentenich (1885-1968), que criou os textos do “Rumo ao Céu” nos anos 1941-1945 no campo de concentração de Dachau, e tendo em conta as várias características e peculiaridades do seu poder expressivo, cria-se um diálogo entre as “Vozes do Tempo” (orador), que vêm do tempo presente, e as intenções de José Kentenich (orador), um diálogo que é ao mesmo tempo paralelo e contraditório”.

“Onde está o meu Rumo ao Céu” – “Vou pôr isso no meu Rumo ao Céu“. Quando os schoenstatteanos falam desta forma, estão a referir-se àquele útil livro de orações que quase todos têm e que muitos deles também usam regularmente para rezar ou meditar com as palavras do Padre Kentenich e que foi traduzido como “Rumo ao Céu”, literalmente do alemão para português. Os textos são desafiantes devido à sua complexidade linguística e ao seu estilo (sob a forma de uma rima em alemão). O título “Himmelwärts”, por outro lado, está na moda – existe na Alemanha uma banda musical chamada Himmelwärts e o Coro Himmelwärts que acompanha musicalmente os serviços “Himmelwärts”: por detrás deles está a “Igreja Criativa”, que teve origem no ambiente eclesiástico protestante da cidade alemã Hattingen-Witten. Há também os guias de montanha Himmelwärts e o bestseller espiritual holandês “Himmelwärts” de Hans Peter Roel com este título, bem como alguns outros romances, o álbum “Himmelwärts” de Eric Koevoets & Jenny Halsma, e um livro de meditação de Andrea Schwarz que também tem este nome, assim como a exposição “Himmelwärts” (Rumo ao Céu) na Haus der Wirtschaft em Estugarda, por ocasião do 450º aniversário do astrónomo e filósofo natural Johannes Kepler (1571-1630)… e agora também o oratório com esta bela palavra: Himmelwärts.

Esta não foi a primeira adaptação musical dos textos do campo de concentração de Dachau, pois pouco depois da sua publicação e, mais tarde, repetidamente, foi composta música para textos individuais, tanto em países de língua alemã como em espanhol e inglês; os lançamentos mais recentes foram o CD “Heavenwards Always” de Kathy Kanewske e uma adaptação moderna gravada por jovens chilenos (“Hacia el Padre”, 2018). E agora o oratório “Himmelwärts”, algo a que ansiar com grande antecipação.

Dachau

Memorial do campo de concentração de Dachau

Quando o tempo e Kentenich se ouvem um ao outro

Diálogo, então, entre as vozes actuais do Tempo e José Kentenich, este último no contexto das suas orações e meditações do campo de concentração de Dachau, onde esteve preso durante mais de três anos.

Será isto possível?

“Ambas contribuições textuais são interpretadas intermitentemente em alternância, tratam do mesmo tópico básico em termos de conteúdo, mas diferem marcadamente na sua orientação e objectivo”, diz a brochura do programa. “Enquanto as vozes do Tempo falam incessantemente, acusam, duvidam, acreditam, relativizam, negam e por vezes permanecem apegadas ao nihilismo, as contribuições do texto do Rumo ao Céu defendem a segurança existencial básica do ser humano de uma fé inabalável ligada à Providência, que percebe a diária transcendência divina que irrompe como uma realidade inabalável que conduz, guia, protege, ampara e, em suma, redime”.

Uma conversa entre Kentenich e as questões deste século XXI, este tempo entre a pandemia e a guerra na Ucrânia, a inflação e os fluxos de refugiados, os neonazis e os pandemials?

Será isso possível?

Se quiserem saber, venham a Schoenstatt a 16 de Outubro. Ou iniciem vocês mesmos um diálogo…

Quem está por detrás?

Dr. Martin Flesch

Dr. Martin Flesch

Os artistas participantes são: Susanne Scherer, Goldbach (voz soprano e acompanhamento de piano); Klaus Glas, Fliedern, Orador I: Voz de José Kentenich; Frank Breitenstein, Würzburg, Orador II: Vozes do Tempo; Ilona Kochanski, Fulda, oboé; Birgit Nikolayczik, Dorsten, violoncelo; Markus Hauck, Würzburg, percussão; Franz Josef Tremer, Fuchsstadt, guitarra; Stefan Aull, Veitshöchheim, engenharia de som; Ines-Constanze Flesch, Veitshöchheim (Würzburg), harpa e monocórdio; Sebastian Volk, Würzburg, percussão.

O autor é o Dr. Martin Flesch, nascido em Saarbrücken em 1966, especialista em psiquiatria e psicoterapia com a sua própria clínica especializada, que também inclui uma clínica ambulatória para migração psiquiátrica social. Desde 1991, enquanto trabalhava, fundou uma orquestra sinfónica de projectos, que ainda hoje preside, vários coros e conjuntos em vários estados alemães e escreveu várias obras sinfónicas para oradores e conjuntos nos últimos anos. Formou-se como organista, maestro e director de coro com o músico de igreja Thomas Gabriel, conhecido em toda a Alemanha, e com o mestre de capela Wolfgang Heinzel. HIMMELWÄRTS (2016-2019) é a terceira obra semelhante estruturada do autor depois de WORTLICHTER (2011- 2012) e ENTWURZELUNGEN (2015).

O Dr. Martin Flesch é também o autor de artigos em schoenstatt.org (Viver com o paradoxo – Um apelo para abandonar o dualismo a tempo  ), bem como o autor de livros em que dialoga com vozes do Tempo e se envolve concretamente a partir da sua identidade profissional e cristã de Schoenstatt, mais recentemente: Migração (Stumme Schreie, Seelische Leiden durch Migration [Gritos silenciosos. O sofrimento mental através da migração], Echter 2021, ISBN 978-3-429-05663-6) e o abuso de poder e consciência na Igreja Católica (Die Betroffenen: Seeleische Leidensräume in der katholischen Kirche [Os afectados: Espaços de sofrimento mental na Igreja Católica], Echter 2022, 978-3429057916), a ser publicado em Setembro de 2022).

Himmelwärts

Cartaz “Himmelwärts”

Original: alemão (31/7/2022). Tradução: Lena Castro Valente, Lisboa, Portugal

Etiquetas: , , , , , , , ,

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.