Invenio

Colocado em 2021-08-25 In Projetos

“A nossa Universidade tem como missão impulsionar personalidades fortes, íntegras, livres e úteis”

COSTA RICA, Susy Jacob e Octavio Galarce •

Seguindo a pedagogia do Pe. José Kentenich, Invenio é uma Universidade na Costa Rica que, utiliza o modelo de ensino superior dual ou em alternância, académico e prático, complementado com a formação humana. Tem o seu próprio Campus Tecnológico, onde partilha, com empresas, empreendimentos tecnológicos e industriais que apoiam a missão da Universidade. —

Adrian Lachner, proprietário da Fundação com o mesmo nome, diz-nos que a ideia de Invenio nasceu em 2006 como resposta aos problemas que viram nos países da América Latina e à conclusão de que “A educação é a solução“.

Quando tomámos conhecimento da educação dupla utilizada no sul da Alemanha e a projectámos no futuro com a pedagogia que conhecemos do Pe. Kentenich, vimos que podíamos educar não só grandes profissionais, mas também grandes pessoas! Pessoas que nos ajudariam a renovar a sociedade. E, começámos imediatamente a formular o projecto educativo.

A primeira coisa que conseguiram foi o apoio da comunidade dos Padres de Schoenstatt, que até hoje os acompanham com os seus bons conselhos. “O apoio da Família e da comunidade imediata, dos nossos companheiros em Schoenstatt e amigos foi vital, eles não só partilharam o nosso sentido de missão, como também nos apoiaram com tempo, contribuições financeiras e sacrifícios. No início tínhamos um lema: ‘Vamos Marchando, outros irão juntar-se ao desfile’, e assim foi. Mais tarde, o lema era: ‘Rumo ao primeiro dia de escola, de mãos dadas com o Pai’, e assim foi, mil desafios foram superados para começarmos as aulas em Janeiro de 2010, e finalmente fomos reconhecidos como Universidade a 13 de Março de 2013“, conta-nos Adrian.

Invenio

Quais têm sido as principais tarefas desde a sua criação?

– Em geral, a fundação de uma Universidade envolve sempre desafios, pelo que gostaríamos de destacar algumas tarefas que, no final foram marcos: a consagração à missão, o apoio da Universidade alemã DHBW, a formulação do projecto educativo, a compra do terreno para o Campus de Invenio, o processo de candidatura e aprovação como Universidade perante os organismos reguladores e a conquista do nosso Santuário universitário, Taller del Apóstol, em 2010.

Após a fase de fundação veio a fase operacional cheia de realidades, a sustentabilidade financeira, mantendo o espírito que viu nascer todo o projecto e o desafio de fazer crescer uma instituição que, nasceu centrada num espírito missionário e, que cresce centrada num contexto histórico, tal como a pandemia de 2020 e a migração de programas e carreiras para o ambiente virtual.

Hoje, estamos preocupados em abrir um novo Campus Metropolitano, garantindo a sustentabilidade da instituição, e visando o crescimento com milhares de estudantes, mantendo intacto o conceito de uma pequena comunidade e o espírito que nos viu nascer.

Invenio

Quem colabora com a Fundação?

– Várias famílias do Movimento e do Instituto dos Padres de Schoenstatt da Costa Rica colaboram. Na Reitoria e nos diferentes Conselhos, temos muitos colaboradores que são educados e formados para a tarefa, com diferentes formações e preparação, todos comprometidos com os mesmos objectivos, princípios e valores estabelecidos desde a fundação. É de notar que a maioria não é schoenstatteana e, que alguns compreenderam e fizeram seus os princípios pedagógicos do Padre José Kentenich: que a educação deve ser, para além de prática e eficaz para formar engenheiros, extremamente humana para formar pessoas.

Será a visão ou a ênfase que é proposta pela Fundação, no aspecto pedagógico, a que corresponde aos tempos em que vivemos?

– Achamos que cada dia é mais importante a ênfase que o Pe. Kentenich nos mostrou desde o início do século passado, ou seja, uma visão orgânica, uma relação saudável com as pessoas, com as coisas e com Deus. Uma fé muito prática que, nos ensina, todos os dias, que devemos tomar decisões, agirmos nós próprios, para que as forças sobrenaturais que nos acompanham possam também agir, (“Nada sem ti, nada sem nós”). Temos visto, repetidamente, que estes conceitos de Schoenstatt, se é que os podemos chamar assim, se tornam a vida quotidiana na nossa instituição. Vimos também como, se esquecemos as forças que nos viram nascer, esse grande espírito missionário e ideal de ter “Educação como Solução”, então afastamo-nos e tornamo-nos qualquer outra instituição educativa, com todas as variantes que isso implica. E que, se ajustarmos o curso para continuarmos a fazer crescer esta pequena comunidade idealista de educadores e educandos, protegida pelo poder da nossa MTA, embora para alguns lhe chamem o espírito “invenista” e para outros seja uma “mística cristã”, sabemos claramente nós, os fundadores, que são as graças que herdámos desde o nascimento por uma instituição que herda das nossas raízes toda esta mística.

Como é desenvolvida a formação integral dos estudantes da Universidade, para além do aspecto académico?

– Tudo relacionado com a educação integral tem sido incorporado nos programas de estudo desde a sua concepção. Os educadores diriam que, para além de ser transversal, está também no currículo oculto. Em termos práticos, os cursos de qualidades dominantes (a que também se chama soft skills) baseiam-se no nosso próprio currículo de autogestão, liderança e empreendedorismo. Poderíamos traduzir isto em auto-educação, sentido de missão e apostolado. Numa outra interpretação, todos nós, educadores e educandos, estamos a crescer para nos gerirmos melhor, para sabermos para onde vamos (Ideais), e para sermos capazes de unir forças (Viribus Unitis) para a realização desses grandes Ideais, que podem ser, de uma forma prática, projectos de vida, projectos profissionais, ou projectos com um sentido de impacto social, ambiental e até financeiro (missão).

Todos nós crescemos neste sentido. Precisamente, neste fim-de-semana terminou um workshop para educadores (Educador Educando) e também estivemos a falar com estudantes nas graduações personalizadas e, pudemos ver em primeira mão, a partir dos comentários finais dos graduados, como esta parte da sua educação é a mais importante para o que eles vêem como o seu crescimento e realizações pessoais.

Em que aspectos do carisma do Pe. Kentenich e da pedagogia Kentenich trabalha especialmente?

– Obviamente que o Movimento tem uma grande riqueza da qual escolhemos certas ênfases. “Pequena comunidade”. Isto é o que realmente nasceu sem verificar se foi planeado ou não. Nos 15 anos desde o dia em que foi dito pela primeira vez “Invenio vai ser uma universidade com a pedagogia do Pe. José Kentenich” até hoje, é o que cresceu, é a vida que brotou.

Obviamente, com uma missão explícita da instituição de promover personalidades “fortes, íntegras, livres e úteis” num ambiente profissional, aproveitando o modelo alemão de educação dupla, deu-nos uma oportunidade de ouro para os nossos jovens terem possibilidades de fazer mudanças nas empresas, nas suas famílias e, claro, nas suas próprias histórias. Assim, atrever-me-ia a dizer que, para além de “pequena comunidade”, o sentido e a “consciência de missão” é uma força ou carisma nos Invenistas.

Fizemos tentativas para que alguns tivessem Aliança de Amor, um Ideal Pessoal, e até temos a alegria de, pelo menos, um Invenista que encontrou a sua vocação e foi Ordenado sacerdote. No entanto, é claro para nós que, esta não é a nossa missão. A nossa missão é tomar o misticismo cristão, o patrocêntrico, o mariano, e ser capaz de o traduzir em grandes pessoas, que por sua vez são engenheiros formados. Como disse um estudante a outro: “Não sei se um dia vamos ser grandes engenheiros, mas somos grandes pessoas…”, e o outro respondeu: “De que nos serve o primeiro sem o segundo?

Para onde poderiam ir os elementos da espiritualidade de Schoenstatt aplicados à educação que ajudariam nesse sentido?

– Consideramos a nossa MTA, Maria, a educadora de Cristo. Se procuramos que Cristo suceda a Cristo no nosso tempo, ressuscitá-lo de novo nos nossos corações e ter pequenos “Cristos” e “Marias” na sociedade, procurando fazer grandes obras abnegadas para o bem comum, então diríamos: Maria deve ser a “educadora em chefe”, a grande líder da nossa instituição.

As exigências são sempre grandes, e nem sempre podemos falar, mas podemos sempre agir, e as nossas acções estão na mira dos estudantes, professores, pais e empresas de formação. Talvez tenha sido ingénuo da nossa parte acreditar que, milhares adoptariam isto como seu. No entanto, foi visionário ver como a acção consistente de fundadores, educadores e estudantes empenhados estabeleceu um caminho a seguir pelas gerações seguintes.

Quais são os desafios que a pedagogia no ensino superior enfrenta neste momento?

– O simples facto de a experiência ter sido despersonalizada e, de o vínculo ser em grande parte através de uma janela rectangular em “Zoom” ou “Equipas” elevou o desafio a outro nível. Para uma pedagogia que, se baseia em vínculos saudáveis, eliminando jantares em conjunto, passeios ao pôr-do-sol junto à “capelinha” ou fogueiras junto à lagoa, elimina todo um plano que o ambiente nos apoiou (e voltará a apoiar) no ensino superior de personalidades. Estamos a preparar-nos para um efeito pêndulo, acreditamos que, os estudantes virão mais voluntariamente e em maior número aos nossos Campus (esperamos pelo menos um novo até 2022) devido ao efeito pós-pandémico.

Invenio

Como somos nós dignificantes na educação, ou como educamos com Dignidade?

– Quando as pessoas se formam e têm pela primeira vez um diploma universitário na sua família, quando as pessoas se formam e vêm de segmentos marginalizados da sociedade, seja uma jovem engenheira mecatrónica feminina ou uma jovem de uma comunidade indígena que trabalha numa empresa de tecnologia avançada, ou porque pertencem a uma comunidade “diversificada”, é claro que estamos aqui para dignificar a pessoa, além disso, o trabalho já por definição dignifica, especialmente se, a pessoa consegue fazer aquilo por que é apaixonada. Pertencer também a uma comunidade saudável, que o apoia durante os seus estudos, é de uma forma prática dignificante.

O servir desinteressadamente a singularidade dessa pessoa durante a sua educação é a melhor forma de garantir que, a sua originalidade é apreciada, é digna de honra e respeito, além de ser justamente remunerada, não será esta uma das formas mais seguras de alcançar a dignidade?

Sabemos que eles têm uma pequena capela especial no Campus para se encontrarem com a Mãe, será que os estudantes a utilizam?

– A “oficina do Apóstolo”. Sim, este lugar foi conquistado como um Santuário e, embora nos últimos meses o Campus tenha migrado quase 100% para o virtual, nesta pequena capela há muitos sinais de contribuições para o Capital de Graças. Há uma arca simbólica carregada de pedras brancas como sinal de contribuições para o Capital de Graças.

Funcionários, estudantes e vizinhos visitam-no regularmente, mesmo que se trate de propriedade privada. Recentemente, o escritor nacional Camilo Rodríguez Chaverri descobriu-o e gerou este conteúdo nas redes sociais fazendo-lhe esta referência:

Far-te-ei uma capela, mas neste coração

“O empresário Adrian Lachner construiu uma capela para Nossa Senhora de Schoenstatt no belo Campus da Universidade de Invenio, entre Tilaran e Cañas.
A capela tem vista para o pôr-do-sol.
O sol quer ajoelhar-se diante da minha Rainha.
As pontas dos pés da lua na paisagem governada pela minha Senhora… A noite enche-se de coelhos e tatus. Os coiotes uivam. São longos relâmpagos em campo aberto.
Fui ontem, o dia de S. João Baptista.
É o dia em que os camponeses sopram o chilillo nas árvores para que dêem uma melhor colheita.
Maria dá-me chilillo com os seus olhos cheios de amor. São chililáceos de ternura. São shots de mel.
Eu queria lá ficar.
É a primeira vez que quero passar a noite num templo.
Faz-nos querer levar aquela capela para casa.
Faz-nos querer levar essa Nossa Senhora para casa, mas no nosso coração.
Ela far-te-á uma capela, Maria, neste coração”.

Camilo Rodríguez Chaverri

Invenio

Podes contar ou destacar uma história de ex-alunos de uma forma especial?

– Há mil e uma histórias, seria injusto mencionar apenas uma. Poderia falar muito brevemente sobre a Sofia, que através da sua liderança gere hoje uma importante linha de produção de produtos cardiovasculares e salva vidas. Ou o Marco, que veio de uma comunidade indígena, conseguiu fazer estágios em empresas importantes nos Estados Unidos, e superou obstáculos para ganhar a vida noutra importante empresa de alta tecnologia, mantendo ao mesmo tempo a ligação com a sua comunidade. E Vicente, que estudou mecatrónica apenas para descobrir que se estudasse mais, poderia tornar-se especialista em dados, e trabalha para uma empresa israelita de ciber-segurança, reinventando e encontrando-se todos os dias. Às dezenas de empresários que decidiram, por necessidade ou iniciativa, iniciar e construir os seus negócios bem sucedidos no comércio a retalho, na indústria da madeira, no turismo. Assim como Marsha, que terminou o seu mestrado na Europa, Giorgio, Manuel, Oscar, Juan, Celia, Sibiagny, Lore, … e todos aqueles que gostaria de mencionar um a um, porque são o orgulho das suas famílias, da sua comunidade, da Universidade de Invenio e sei que durante toda a sua vida continuarão a ser fortes, íntegros, livres e úteis.

Esta semana um jovem – Manuel – enviou-me uma mensagem, após a graduação, que eu partilho convosco:

Invenio

Manuel

“Esta fotografia ficou perfeita. Mostra uma saudação de enorme gratidão de um jovem que sonhou em começar os seus estudos universitários aos 22 anos e que, graças a um homem visionário como você, Adrián, tornou tudo isto possível. Não me resta senão agradecer-lhe profundamente, além de ser um homem de negócios, por ter a visão de tentar colaborar com aqueles que, na altura certa, se deparam com um ser humano como você.

Sabe qual é a coisa mais engraçada de todas? Que aquela viagem “simples” que fez a Jicaral naquela noite universitária, quando saímos depois de um dia fora, não foi só isso, mas também algo que ficará na mente dos meus pais, vendo um homem completamente estranho chegar para deixar o seu filho à porta de casa.

Imediatamente, a seguir sentei-me para lhes falar de quem era e, eles não podiam acreditar como era possível que Adrian Lachner, o “simples, simples” da Universidade onde eu estava a estudar, fosse a pessoa que veio deixar-me, que entrou em casa e comeu uma sanduíche que a minha mãe lhe ofereceu imediatamente.

Se os meus pais já me criaram da forma mais grata, humilde e responsável, esse dia foi também uma lição para mim. Uma lição para ajudar sempre que puder.

Fonte: Revista Vinculo. Com a permissão dos editores.

Original: espanhol (25/8/2021). Tradução: Lena Castro Valente, Lisboa, Portugal

Etiquetas: , , , , ,

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *