Colocado em 1. Fevereiro 2018 In Madrugadores, Projetos

Minha experiência de Madrugador

CHILE, Patricio Young M. •

Há algum tempo escrevi uma coluna em Schoenstatt Vivo chamada “Os Madrugadores nos Madrugaram”, na qual explicava, como eles faziam realidade, hoje, a muitos sonhos de Schoenstatt. Tudo isso, eu descobri conversando com os Madrugadores, já que nãohavia participado dessa corrente, até agora.

Tive a honra de ser convidado pelos organizadores a viver o seu XV Encontro, que aconteceu em Chillán entre 20 e 22 de outubro. Eu decidi viver do primeiro ao último dia, já que eu estava interessado em conhecer esta corrente mais profundamente.

Um caleidoscópio de personalidades

Os quase 700 Madrugadores de cerca de 100 comunidades em todo o país, de Arica a Punta Arenas, me mostraram uma Igreja renovada, simples e comprometida. Haviam pessoas de todas classes sociais, do campo e da cidade, da costa e da serra, das grandes cidades e dos cantos mais distantes do país.

O padre Marcelo Aravena, que também viveu a experiência, me contou o quão surpreso ele estava e disse que aqui estava a “Organização, o mínimo necessário e o máximo cultivo do espírito”.

Com efeito, a comunidade organizadora envolve todos os seus esforços para alcançar um grande evento para tantas pessoas, as dificuldades naturais são resolvidas com generosidade, sem queixas, motivadas pelo desejo de experimentar as riquezas da reunião em seus momentos de oração e reflexão.

Como no Monte Tabor

Aqui consegui experimentar o “Olha como se Amam” e também:” por que não armamos tendas e ficamos aqui”?

Para mim, poucos eram os conhecidos, mas experimentei uma sincera fraternidade de muitos que, com grande disposição, abriam o corações e comunicavam seus sentimentos.

É que não há vontade de fingir, atrair a atenção, buscar o reconhecimento. Existe apenas uma disposição de rendição, sacrifício e fé profunda.

Com sinceridade, vivi o Schoenstatt que nosso Padre Fundador sonhava, uma verdadeira comunidade com um sentido de missão. Na minha reflexão final,me  perguntava por que tinha me sensibilizado tanto e percebi que isso me recordava o que eu vivi há 53 anos atrás, nos meus primeiros anos no Movimento. O grande amor por Maria, a força, a vitalidade, a dedicação e o compromisso radical de ser, graças a ela, homens novos, dispostos a construir um Chile melhor.

Hoje, como um madrugador mais, devo agradecer ao Senhor e a nossa Mãe por haver tido essa experiência magnífica e com mais conhecimento, reitero que é hora de que nossa Família refletirmos por que os Madrugadores já nos madrugaram.

 

Fonte: Vínculo, Revista do Movimento de Schoenstatt do Chile

 Original: Espanhol. 14 December 2017. Tradução: Glaucia Ramirez, Ciudad del Este, Paraguai

 

 

Etiquetas: , , , , ,