bolsas de caridad

Colocado em 2022-08-16 In obras de misericórdia

Quando as pessoas correm para o Santuário…

EQUADOR, Pe. Rafael Amaya / María Fischer •

O que faz de um Santuário um Santuário, perguntamo-nos hoje em dia quando lemos as últimas notícias de Santa Cruz do Sul. Arquitectura? Não. Alguma lei eclesiástica? Em parte, alguma norma para o número de peregrinos, a oferta de sacramentos, a pregação, a atenção aos peregrinos? Segundo a norma do Vaticano de 1999, sim. Em Schoenstatt? Nada disto pode ser aplicado, porque é uma forma interna de chamar àquelas capelas construídas em todo o mundo, mas também a partes do lar, do local de trabalho e do próprio coração: Santuário. Mas como saber, medir – humanamente – se é um Santuário? Ao ver o último vídeo sobre a entrega de sacos de caridade no Santuário de Quito, com pessoas numa longa fila a correr alegremente em direcção ao Santuário, sabemos: isto é um Santuário, na verdade. —

 

Todos aqueles que aqui vêm para rezar devem experimentar a glória de Maria e confessar: “Como é bom estar aqui”, lemos no Documento de Fundação de 18 de Outubro de 1914. Um sentimento que pode ser visto no rosto dos jovens, dos idosos, das mães com os seus bebés nos braços que esta semana voltaram a fazer fila para receberem, no Santuário da cidade de Quito, aqueles sacos de caridade com comida que os ajudam a sobreviver… Dá arrepios ver como uma jovem rapariga começa a correr, com alegria, ao aproximar-se….

Vinde até mim todos vós que estais cansados e sobrecarregados

O Santuário de Quito, ou seja, o Pe. Rafael Amaya com os seus colaboradores, desde o início da pandemia, fez sua a palavra do Senhor: “Vinde a mim, todos vós que estais cansados e sobrecarregados, e eu vos aliviarei. Tomai sobre vós o meu jugo e aprendei de mim, porque sou manso e humilde de coração, e encontrareis alívio para as vossas almas” (Mateus 11, 28-29).

“Esta semana conseguimos entregar alimentos a 270 famílias e é uma alegria porque estão muito gratos e, acima de tudo, estão cheios de esperança porque sabem que há irmãos e irmãs que se preocupam com eles. Na realidade, essa é a Igreja. E quero agradecer a Deus e à nossa querida Mãe, porque Eles nos estão a ajudar através de vós. E é por isso que vos convido a continuarem com este trabalho, para que possamos dar esperança a tantos irmãos e irmãs que estão necessitados neste momento”, diz o Padre Rafael Amaya num vídeo transmitido após a apresentação.

Como sempre, depois de receber os sacos, as pessoas foram ao Santuário para expressar a sua gratidão e receber a bênção.

bolsas

“Agradeço às pessoas que nos ajudam”

“Nestes tempos ajudou-me muito na minha casa e estou muito grata à Igreja e às pessoas que nos apoiam, muito obrigada”, diz Vanesa Chavez.

“Agradeço às pessoas que nos ajudam e sentimo-nos bem com as pessoas que nos ajudam, que Deus vos abençoe e continue a ajudar-nos, que Deus vos retribua”, diz outra das 270 pessoas que neste dia de Agosto receberam o que as ajuda a viver mais um mês.

É um Santuário

Estamos numa das crises globais mais graves – guerra no coração da Europa e em tantos lugares da África e da Ásia, seca, calor, falta de água, falta de gás e electricidade, falta de trabalho em alguns países e falta de trabalhadores noutros, uma pandemia ainda não superada, inflação, migração, refugiados… Soa como as palavras de 18 de Outubro: “Provai primeiro que me amais realmente, que levais a sério o vosso propósito. Agora tendes a melhor oportunidade para o fazer”

Agora. 2022.

 

Original: castelhano (14/8/2022). Tradução: Lena Castro Valente, Lisboa, Portugal

Etiquetas: , , , , , , , ,

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.