Dequeni

Posted On 2022-05-18 In Dequeni, obras de misericórdia

Dequení: “actualizar-me” passados cinco anos

PARAGUAI, Maria Fischer •

É no meio deste encontro cheio de perguntas, apresentações, conversas, respostas e risos, que compreendo mais claramente do que nunca o que estes mais de dois anos de pandemia fizeram a todos nós. Não é a mesma coisa comunicar à distância, ler mensagens e ver vídeos, como é sentar-se no mesmo lugar, olhar-se, ouvir-se, “sentir-se” um ao outro. É a manhã de 21 de Abril, na sede da Fundação Dequeni em Fernando de la Mora, é a primeira reunião presencial após cinco anos – e a oportunidade de finalmente perguntar porque é que já não existem as famosas bolsas de estudo e porque é que Dequení já não está em Arroyos y Esteros. E compreender que Dequení funciona agora menos como o Santuário e mais como a Mãe Peregrina. —

Dequeni

Andreza Ortigoza, Maria Fischer

Estamos cerca de duas horas atrasados, uma vez que a chuva forte nas primeiras horas da manhã impediu o transporte. Mas não foi cancelado, apenas adiado por causa da chuva. Não visitámos a capela com a imagem da Mãe Três Vezes Admirável de Schoenstatt, como em ocasiões anteriores, mas fomos directamente à sala de reuniões – onde uma Mãe Peregrina me aguardava nos braços de uma das colaboradoras de Dequení. Ela já era missionária no início do seu trabalho e agora faz a Mãe de Deus peregrinar entre os empregados e voluntários de Dequení. Todo Dequení em estado missionário….

No salão, há ainda todo o material que tinha sido exposto no dia anterior para os professores das escolas públicas que recebem apoio de Dequení. E assim, entre explicações, apresentações, vídeos e fotos, estamos imediatamente sobre o tema: O que está Dequení a fazer agora depois da pandemia, o que continua da pandemia, o que é novo na acção, na estratégia, hoje e para o futuro? Falamos das fases e transições na forma de trabalhar de acordo com a mudança das exigências, desta flexibilidade com a mão no pulso do tempo, para compreender que algo que foi grande há 30 anos atrás, deve dar lugar a algo mais adequado 10, 20, ou 30 anos mais tarde… sem nunca abandonar o que foi a razão do seu nascimento: apoiar as crianças mais vulneráveis do país.

Um pouco mais como a Mãe Peregrina …

É assim que me é apresentado o projecto “Alfrombita viajera“. “Com este projecto chegamos aos lares das crianças na primeira infância. Somos acolhidos por famílias que vivem em áreas vulneráveis e que não têm acesso a serviços de estimulação oportunos. Os educadores percorrem as casas com uma grande mochila que transporta materiais que lhes permitem atrair a atenção das crianças; a pé, de moto ou de carro, para brincar com eles e prepará-los da melhor maneira para que estejam prontos para a vida escolar”. Um dos educadores está presente e conta esta experiência de viajar pelas aldeias e povoações, com uma mochila e muito entusiasmo, sob o sol inclemente… e o sorriso no seu rosto mostra que não se trata de sofrimento, mas de prazer.

Antes, muitas coisas se fizeram em lugares centrais nas comunidades…mas agora, eles compreenderam, chegou o momento de ir ao encontro das famílias e dos seus filhos onde eles estão…não para esperar pela sua chegada, mas para os procurar….

Um pouco mais como a Mãe Peregrina faz, um pouco menos “sedentária”… Igreja Peregrina, Dequení saindo em solidariedade.

Um pouco mais como as missões…Dequeni

Noelia e Andreza, juntamente com outros colaboradores, explicam então como trabalham agora nas comunidades – com as escolas, com os professores, com os pais, com pessoas empenhadas nas comunidades, para que as crianças possam aprender bem, que os jovens possam encontrar uma boa preparação para o seu primeiro trabalho, que os pais saibam como apoiar os seus filhos e que os professores tenham todo o material didáctico para fazer o seu trabalho educativo.

No final do material impresso há um desenho de um homem a despedir-se de um lugar. O quê? Ele está de partida? Sim, ele está de partida. Mas não porque está de partida, mas porque após três ou quatro anos de trabalho intenso, o objectivo foi alcançado, a comunidade pode viver do que recebeu e sabe manter e desenvolver tudo… e Dequení parte para iniciar este mesmo trabalho noutro lugar.

Como se faz nas missões universitárias, nas missões familiares… após três anos não regressam ao mesmo lugar, porque chegaram ao momento do envio.

Sim, trabalham com o que é conhecido em Schoenstatt como as graças originais do Santuário, como um processo pedagógico nas comunidades: Após uma fase de acolhimento, de conhecimento e de familiarização, vem a transformação e depois, da formação dos agentes do processo pedagógico e do seu empenho, o envio, “para caminharem por si próprios”. Assim, explica Andreza, “olhamos para as comunidades que nos restam porque cumprimos a missão com os nossos melhores esforços na pedagogia do acolhimento, da transformação e do envio”.

E as bolsas de estudo? O fruto de um sucesso profissional

Neste clima de confiança e intercâmbio livre e aberto, pergunto algo que tem sido uma preocupação durante anos… Durante muitos anos – sendo Dequení o primeiro projecto social que divulgámos e para o qual procurámos donativos em schoenstatt.org – trabalhámos tão bem nas bolsas de estudo para as crianças de famílias com recursos limitados… para que pudessem receber um uniforme, sapatos, material escolar no início do ano lectivo….

Porque já não se faz? “Porque já não é necessário”, explicam-me… E dizem-me que um dos colaboradores de Dequení entrou na política há alguns anos… e desde então conseguiu que o Estado desse a todas estas crianças esta “mochila” de que precisam para poderem ir à escola.

Que sucesso!

E que alegria conhecê-lo e poder comunicá-lo.

E também para poder comunicar que Dequení continua a precisar de orações e donativos de solidariedade de todos nós. Porque durante 37 anos têm sido guiados pela mesma paixão: fazemo-lo pelas crianças.

Obrigado, Dequeni!

Dequeni

Preparando uma entrevista


Página institucional: www.dequeni.org.py

Para donativos – Dequeni
Através da página de Dequení com cartão de crédito

Através de transferência bancária (gratis na zona SEPA):

Nome: Schönstatt-Patres International e. V.
IBAN: DE91 4006 0265 0003 1616 26
BIC/SWIFT: GENODEM1DKM
Ao cuidado de: Dequeni

Original: espanhol (16/5/2022). Tradução: Lena Castro Valente, Lisboa, Portugal

Tags : , , , , , , ,

Leave a Reply

Your email address will not be published.