bolsas de caridad Quito

Colocado em 2021-12-28 In obras de misericórdia

Missão cumprida: 390 sacos de caridade no Natal

EQUADOR, Pe. Rafael Amaya / Maria Fischer •

Começou no Natal de 2020, o primeiro Natal marcado pela pandemia. No Santuário Ciudad de Quito, começaram a dar “sacos de caridade” às famílias gravemente afectadas pelas consequências do confinamento: famílias que perderam os seus empregos, que ficaram, literalmente, sem nada para comprar comida e roupa, nem para pensar em presentes para os seus filhos. Este Natal de 2021, 390 famílias receberam um saco. —

No Natal de 2020, foram distribuídos 340 sacos de caridade. O Advento e o Natal em todo o mundo é uma época de maior sensibilidade para com os pobres. “Neste Natal também queremos chegar a este número” comentou comigo em Novembro Rafael Amaya, procurando o apoio da Família de Schoenstatt de Quito. A mesma Família em cujo seio surgiu há muito tempo outra acção social maior: “Niños de Maria”, um projecto educativo que, hoje inclui mais de 300 crianças do bairro mais carenciado da cidade. A confiança depositada na solidariedade da Família de Schoenstatt não foi em vão. Com 390 sacos, o desejado número foi ultrapassado.

bolsas de caridad

Um Natal schoenstatteano

“Acolher a pequenez significa mais uma coisa: abraçar Jesus nos pequenos de hoje. Ou seja, amá-Lo nos últimos, servi-Lo nos pobres. São eles os mais parecidos com Jesus, nascido pobre. E é nos pobres que Ele quer ser honrado. Nesta noite de amor, um único medo nos assalte: ferir o amor de Deus, feri-lo desprezando os pobres com a nossa indiferença. São os prediletos de Jesus, que nos hão de acolher um dia no Céu”, disse o Santo Padre nesta Noite de Natal.

“Um verdadeiro Natal franciscano”, disse eu ao Pe. Rafael Amaya, o autor e força motriz desta acção solidária que se manteve ao longo do ano. “Gostaria que se chamasse ‘Natal schoenstatteano’“, foi a sua resposta.

bolsas de caridad

Uma imagem da Mãe para cada lar

Muitos voluntários ajudaram a fazer os sacos. A gratidão das famílias é grande e sincera.O trabalho deve continuar. “Pensámos nisto para um ano”, diz o Padre Rafael. “Mas ainda há a pandemia, ainda há famílias sem trabalho…”.

Como presente de Natal, cada família recebeu uma imagem da Mãe. “Dissemos-lhes que A pusessem nas suas casas”, diz o Padre Rafael. Para ele, este trabalho de caridade deve continuar, e a consciência da importância dos pobres para a Igreja, para Schoenstatt, deve também crescer.”Aqui, como Reitor, tento acolher todos, ricos e pobres, e criar solidariedade”, diz ele. “Temos de levar as pessoas a Jesus”.

bolsas de caridad

Original: espanhol (26/12/2021). Tradução: Lena Castro Valente, Lisboa, Portugal

Etiquetas: , , , , , ,

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.