Colocado em 16. Abril 2019 In Missões

Uma cidade com fé popular e com muito carinho

ARGENTINA, Carlos y Lilita Riccardi •

Mais uma vez as Missões Familiares da Família de Schoenstatt de La Plata (Missão # 21 ininterruptamente) saiu a missionar, desta vez para General Alvear, na Província de Buenos Aires. Uma cidade que fica a 228 km da Capital Federal que parece estar parada no tempo, típica do interior da Província, com sua Paróquia na praça principal, ao lado da Prefeitura e outras secretarias do governo. Uma cidade de cerca de 10.000 habitantes, onde a maioria dos jovens emigram aos 17/18 para estudar ou buscar novos horizontes. Eles têm duas unidades penais que dão trabalho a várias famílias da cidade e que permitiram que ela permanecesse no tempo e pudesse crescer de acordo com o último censo.—

Este foi o primeiro ano dos dois que foram enviados, então a expectativa era grande. Embora entre os missionários, acompanhados pelo padre José María Iturrería, estavam Gabriela e Gaston Zurita, e Alicia e Eduardo Monguillot, co-fundadores da Família Missionária na Argentina, e que estavam presentes nas21  missões familiares, sempre se tem medo: como será a cidade? Como eles vão recebê-los? Que preocupações eles terão? A presença da Virgem abrirá as portas das casas e permitirá uma boa missão.

Uma cidade vinculada à Virgem de Luján

Depois de serem recebidos pelo pároco padre Juan Ángel e instalados na escola, saíram para missionar, visitando as casas e foram muito bem recebidos. Eles encontraram uma cidade com muita fé, mas com pouca e escassa participação na missa e / ou atividades da igreja. É claro que a maioria das pessoas aceitou de bom grado a visita dos missionários, acompanhados pelas gravuras da Virgem de Luján e da MTA Peregrina de Schoenstatt. Devemos enfatizar que Gral. Alvear é um devoto da Virgem de pessoas Lujan, tanto que os gaúchos ou vizinhos da região, a peregrinam todos os ano,s à cavalo, por uma semana, à Basílica de Luján, onde está a padroeira dos argentinos.

Setenta anos depois da primeira e última comunhão

Nessas visitas, encontraram casais com mais de 80 anos de idade que haviam recebido a comunhão de meninos, mas que não haviam recebido a comunhão ou freqüentado a igreja. Depois da visita, eles aceitaram que no dia seguinte seriam visitados pelo padre José María, que os confessou e lhes deu a Eucaristia depois de mais de 70 anos de recebimento pela última vez. Muitas experiências foram acontecendo ao longo desta semana de missão. Hospitais também foram visitados, asilos, sempre carregando a imagem da Virgem que abria as portas e criava um clima de abertura nas pessoas, e sempre com um ambiente de alegria, que era a característica predominante nessa missão.

Para as crianças da cidade na Ermida de San Cayetano, cerca de 20 quarteirões do centro (duas léguas como dizem no campo), os jovens missionários deram catequese para crianças e brincaram com eles recriar uma atmosfera muito especial. Lugor, onde também se celebrou uma missa e missionários ajudaram com a construção de um salão que fica ao lado da capela e que no futuro servirá de lugar encontro para as pessoas daquela área. Está previsto, por parte dos missionários, cobrir esse salão.

 

Missionários da Campanha

A missão, como todos os anos, terminou com a missa de envio e uma serenata com violão que se realizou no Salão da Empregados do Comércio. Um dia antes os gaúchos que peregrinam honraram os missionários com 5 cordeiros assados ​​que eram muito saborosos.

Neste primeiro ano de missão, as portas se foram abrindo para que a Virgem entrasse nas casas da cidade e formasse missionários para que no ano seguinte a MTA Peregrina possa ser deixada em Gral e Alvear como responsáveis por sua missão

O que a missão me deixou?

Quando uma missão termina, os missionários se perguntam: o que essa missão me deixou? A resposta ao longo dos anos têm um denominador comum: “Os missionários que vão em missão … acabam sendo missionados” … pela  fé simples, pelo carinho e generosidade do povo” essa gente simples, com uma fé popular de que, apesar de não ir à missa, crêem em Deus e na Virgem que eles veneram e respeitam.

Os missionários mais jovens experimentam na missão um crescimento no amor quando vêem o espírito de família que existe nas Missões Familiares e que os faz crescer na fé. Para todos os missionários é como se esta semana fosse um retiro espiritual aberto, onde num clima de espírito de família, de dividir tarefas, de compartilhamento, de Missionar, para refletir, meditar, rezar … chegando à profundidade de cada um, com experiências espirituais e comunitárias que  são compartilhadas e outras realidades que são conhecidas, o que lhes permite carregar as baterias para quando elas retornam à vida cotidiana.

Finalmente, devemos agradecer ao povo do General Alvear que recebeu os missionários com muita simpatia, os acolheu e os tratou com muito carinho e afeto. Fazemos nossa a mensagem de agradecimento do Padre, Juan Angel ,à todas as pessoas de Gral. Alvear para toda a atenção e colaboração brindada aos missionários das Missões Familiares. Em nome dos missionários, somos especialmente gratos à Santíssima Virgem por ser Ela quem abre os caminhos e as portas …

 

Original: Espanhol, 17 de  Fevereiro 2019. Tradução: Glaucia Ramirez, Ciudad del Este, Paraguai

 

Etiquetas: , , , , ,

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *