Colocado em 10. Fevereiro 2019 In Missões

Evangelho para os pobres

PERÚ, Manuel Huapaya •

“Evangelho para os pobres”. Com esta frase que enquadra o trabalho pastoral de Mons. Reinaldo Nann, Bispo da Prelatura de Caravelí, fomos convocados, há um pouco mais de um ano, para se dar início às primeiras Missões Familiares de Schoenstatt na sua cidade. Tudo parecia tão longínquo naquela altura mas, interessante e desafiador. Não há dúvida que Nossa Senhora tem um plano traçado e, por isso, Mons. Nann pediu ao Pe. Esteban Casquero da Argentina (Instituto dos Sacerdotes Diocesanos de Schoenstatt) que se encarregasse de Assessorar e dirigir este trabalho.

A convocação foi de pessoa a pessoa, família a família e, sem darmos por isso, eramos já 51 os que estávamos inscritos, entre eles, nove argentinos (três da Juventude Feminina, dois da Juventude Masculina e dois casais). Ao chegarmos ao local da missão juntaram-se a nós, 10 jovens do seminário de Caravelí que se integraram nesta missão. A mesma que, também, contou com a presença do Pe. Kurt Faulhaber, formador do Instituto dos Sacerdotes Diocesanos que, nos seus anos de estudante, teve muitos encontros com o Fundador – o Padre José Kentenich – e aproveitou para nos contar as suas experiências com ele e acompanhar alguns missionários nas suas voltas.

Uma grande experiência

Foi uma semana cheia de prendas e de experiências muito lindas, como nos conta Ximena Chávez, um dos membros da Juventude Feminina.

“Há experiências que mudam a nossa vida e transformam o coração: evangelizar é uma delas. É uma alegria que vem do mais íntimo do coração e que, malgrado diversas circunstâncias, não se vai embora…mas, que se torna cada vez mais forte. Decididamente, é uma alegria que vem do Céu.

Todos os dias oferecíamos um bocadinho dos nossos corações e, com isso, recebíamos a bênção maior…um pedaço do coração do outro, um abraço dado do mais íntimo da alma, uma aproximação à Mater, uma carícia de Deus…

Enchemo-nos de aprendizagens, histórias, sentimentos, esperança, fé, amor, alegria… acho que, essa foi uma das maiores recompensas que recebemos.

Nem todos têm o mesmo número de problemas. Trata-se de aliviar, de que, com um abraço possa sentir que Deus está aqui e que nunca o abandonará. Nestas missões ganhamos irmãos e construímos uma família com base em Deus, em Nossa Senhora e nos nossos corações. Evangelizar é uma experiência maravilhosa porque, não somente, se sai para levar uma mensagem de Deus mas também, se recebe uma mensagem Sua…”

Vamos partir para evangelizar!

No entretanto, coincidiu que o Núncio Apostólico no Perú, Mons. Nicola Girazoli, visitou Caravelí e, como é seu hábito, teve gestos muito amáveis para com Schoenstatt e com Nossa Senhora. Todos os dias, era uma alegria ver os pequenos missionários (crianças dos dois aos oito anos) revestirem-se com os seus fatos e distintivos das missões e, ouvi-los dizer: “…Vamos partir para evangelizar!” E, depois, vê-los regressar animados e contentes dando a conhecer o número de casas que tinham visitado. Hoje, podemos afirmar que, evangelizar em família é um grande testemunho e uma enorme bênção, uma mensagem para o mundo, que é possível ser feito, que não há desculpas, nem de idades, nem do número de filhos. Quando nos propomos, Deus sempre nos dará as forças para empreender a tarefa.

Muito trabalho realizado e por realizar

Ao terminar, foi celebrado o Baptismo de uma senhora que, logo na primeira tarde se aproximou e quis falar com um sacerdote. Foram enviadas duas Mães Peregrinas, houve a primeira reunião dos Madrugadores e foram entregues quatro Altares Familiares. A necessidade é muita, não apenas material mas, de presença e proximidade, o chegarmos em nome de Deus e de Nossa Senhora abria todas as portas e alegrava o coração. Constatámos muita solidão e abandono especialmente nos mais velhos. Fica uma grande tarefa pela frente.

Agradecemos ao Mons. Nann pela convocação, por esta iniciativa fundadora. Também ao Pe. Esteban Casquero e aos nove irmãos argentinos que, deram o seu sim e vieram partilhar a sua experiência de anteriores Missões Familiares. De igual modo, a todos aqueles que contribuíram economicamente ou com alimentos para a realização deste projecto e, por último, a todos os que nos apoiaram permanentemente com as suas orações. Esta é uma tarefa e um compromisso por três anos, demos o primeiro passo e já estamos a olhar para 2020. Mantemo-nos unidos na oração com o lema e o desafio proposto pelo Papa Francisco: sair para as periferias e levar a outros o presente da Aliança de Amor.

 

Original: espanhol (3/2/2019). Tradução: Lena Castro Valente, Lisboa, Portugal

Etiquetas: , , , , , ,

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *