migrantes

Colocado em 2022-07-18 In Campanha, obras de misericórdia

A Mãe Peregrina no acampamento de migrantes em Santiago

CHILE, Maria Fischer •

A Mãe Peregrina de Schoenstatt está onde há necessidade. Ela encontra-se na avenida principal de Santiago do Chile, onde muitos migrantes e pessoas sem-abrigo se estabeleceram. Esta campanha entre os migrantes é dirigida por Vladimir Lompas, um missionário ligado à Paróquia de Santa Gema, na sua área sócio-caritativa. —

migrantes

Vladimir diz-nos que a paróquia de Santa Gema tem um projecto para ajudar os mais necessitados, que mobiliza toda a comunidade paroquial. As actividades baseiam-se em torno de um Panela comum (N.R. uma iniciativa comunitária para satisfazer as necessidades alimentares de um sector da população), cuidados aos sem-abrigo, e a doação de vestuário usado e financiamento de actividades. Na paróquia há 67 imagens da Mãe Peregrina, visitando idosos, mulheres vulneráveis, doentes e, mais recentemente, três Peregrinas que visitam migrantes em situações de rua. Em breve, eles querem começar com a visita às prisões.

O Padre Carlos, pároco da paróquia de St. Gemma (ele pertence à Congregação Passionista), “permitiu-me ir em missão com a Mãe de Deus com 65 imagens visitando casas e doentes; há também duas imagens para a Missa de manhã cedo na capela, onde normalmente há 30 fiéis. Finalmente, o padre permitiu-me levar a Mãe Peregrina para o seu projecto com migrantes. Deu-me luz verde para publicar as fotografias que lhe enviei”, disse Vladimir.

“Temos três MTAs Peregrinas. Cada vez que a entregamos a uma família, Ela é recebida com enorme alegria e isto não pode ser ofuscado. Demos 50 Terços e em breve esperamos ter um altar com a Mãe de Deus.

Vladimir relata: “No sábado passado a Mãe Peregrina nº 14740 foi entregue a uma pessoa cega, que hoje ma devolveu dizendo “que nunca tivera algo tão belo nas suas mãos” e começou a ir em missão ao acampamento.

migrantes

Tendas para proteger os mais vulneráveis

Eles não se ficam pelo espiritual. “Esta semana quero iniciar uma campanha para a compra de tendas impermeáveis, pois tivemos quatro chuvas e os migrantes estão a ficar todos molhados. Cada tenda custa 140 USD e são necessários 40 dólares. Este trabalho seria feito através da paróquia de St. Gemma, uma vez que têm o pessoal para supervisionar este projecto.

Migrantes vindos da Venezuela

Os “migrantes” que recebem a Mãe Peregrina têm um nome, um rosto, uma história. Há uma família que veio da Venezuela atravessando o Equador, Peru, Bolívia e norte do Chile para chegar a Santiago.

Uma mãe solteira veio a pé da Venezuela com os seus três filhos. Cristián veio com a mãe da Venezuela, também demoraram quase três meses a chegar ao Chile. Vieram a pé e “à boleia”. Está com a mãe e o seu irmão está no Peru com a avó.

A mãe do pequeno Cristián “contou-me um pouco de como eles vieram, ela está emocionalmente muito mal, com muita angústia, eles têm tido frio e fome…”.

Na quarta-feira passada, através da paróquia de St. Gemma, foram entregues mais de 200 almoços quentes. Os terços e as primeiras tendas impermeáveis foram também entregues.

migrantes

Construir o futuro com migrantes e refugiados

E a Mãe de Deus continua a peregrinar entre as tendas, nas ruas, com os mais vulneráveis e necessitados…

“Construir o futuro com migrantes e refugiados” é o tema do 108º Dia Mundial do Migrante e do Refugiado, a 25 de Setembro. Para a ocasião, a mensagem do Papa Francisco foi tornada pública na manhã de 12 de Maio:

“Nós «esperamos uns novos céus e uma nova terra, onde habite a justiça» (2 Ped 3, 13). A justiça é um dos elementos constitutivos do Reino de Deus. Na busca quotidiana da vontade divina, aquela deve ser edificada com paciência, sacrifício e determinação, a fim de que todos os que tiverem fome e sede dela sejam saciados (cf. Mt 5, 6). A justiça do Reino deve ser entendida como a realização da ordem divina, do seu desígnio harmonioso, segundo o qual, em Cristo morto e ressuscitado, toda a criação volta a ser «coisa boa» e a humanidade «coisa muito boa» (cf. Gen 1, 1-31). Mas, para reinar esta maravilhosa harmonia, é necessário acolher a salvação de Cristo, o seu Evangelho de amor, para que sejam eliminadas as desigualdades e discriminações do mundo presente.

Ninguém deve ser excluído. O plano divino é essencialmente inclusivo e coloca, no centro, os habitantes das periferias existenciais. Entre estes, há muitos migrantes e refugiados, deslocados e vítimas de tráfico humano. A construção do Reino de Deus é feita com eles, porque, sem eles, não seria o Reino que Deus quer. A inclusão das pessoas mais vulneráveis é condição necessária para se obter nele plena cidadania. Com efeito, diz o Senhor: «Vinde, benditos de meu Pai! Recebei em herança o Reino que vos está preparado desde a criação do mundo. Porque tive fome e destes-me de comer, tive sede e destes-me de beber, era peregrino e recolhestes-me, estava nu e destes-me que vestir, adoeci e visitastes-me, estive na prisão e fostes ter comigo» (Mt 25, 34-36).

Construir o futuro com os migrantes e os refugiados significa também reconhecer e valorizar tudo aquilo que cada um deles pode oferecer ao processo de construção. Apraz-me ver esta abordagem do fenómeno migratório numa visão profética de Isaías, onde os estrangeiros não aparecem como invasores e devastadores, mas como trabalhadores cheios de boa vontade que reconstroem as muralhas da nova Jerusalém, a Jerusalém aberta a todas as nações (cf. Is 60, 10-11).

migrantes

Colaboração: Rafael Mascayano, Chile

 

Original: espanhol (17/7/2022). Tradução: Lena Castro Valente, Lisboa, Portugal

Etiquetas: , , , , , , , ,

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.